Salvador, 20 de outubro de 2018

Salada total I

Data: 24/09/2010
11:06:30

Que se culpe a legislação ou a inércia da Justiça pelas alianças com candidatos de outros partidos feitas pelo deputado ACM Neto, nunca o próprio candidato, que busca seus votos onde há perspectiva de achá-los.


E não é verdade que ele prejudique sua legenda. Para usar o exemplo de uma das dobradinhas, os eleitores da deputada Maria Luiza, com ou sem Neto, iriam carrear seus votos para ela e seu PSC de qualquer jeito.


Ademais, não há indícios de que o Brasil tenha legendas estruturadas em torno de programas definidos, reconhecidos pelo eleitor. Enquanto isso não ocorrer por via de uma reforma demolidora dos maus costumes, não haverá político que dê mais importância ao partido do que a ele próprio.



Salada total II

Data: 24/09/2010
11:05:40

Os bastidores informam: a deputada Maria Luiza Carneiro (PSC) será votada em Sapeaçu, Castro Alves e Santa Terezinha tendo Jaques Wagner como candidato a governador.



Fraqueza geral

Data: 24/09/2010
08:29:08

Leitor comenta a nota derivada de e-mail enviado a este blog, postada mais abaixo sob o título "Olha o nível": "Sem pretender justificar o lastimável nível dos candidatos baianos, mas ele (o primeiro leitor) diz isso porque não conhece os de São Paulo. Se comparados, os daqui parecerão tribunos bolcheviques".



República das dinastias

Data: 23/09/2010
09:31:07

Funcionário da Assembleia Legislativa declarou: "Esta é a eleição de mulher e filho". Solicitado a esclarecer o comentário, disse que em seus longos anos de observação da vida política jamais viu tantos cônjuges e rebentos de deputados e prefeitos postulando uma cadeira de deputado.


Citou diversos casos, que se encaixam perfeitamente na definição: Mário Júnior, filho do deputado Mário Negromonte, Cacá Leão, filho do deputado João Leão, Graça Pimenta, mulher do prefeito Tarcízio Pimenta, Rose Bassuma, mulher do deputado Luiz Bassuma, e Cláudia Oliveira, mulher do prefeito Robério Oliveira.


Outros projetos de transmissão do poder por parentesco: Maria Luiza Carneiro, mulher do prefeito João Henrique,  Adolfo Viana, filho do ex-deputado e conselheiro Antonio Honorato, do TCE, e Tércia Borges, suplente do próprio marido, senador César Borges, na chapa à reeleição.

 

Foram citados também Paulo Júnior, filho do deputado Paulo Magalhães, e Júnior Magalhães, filho da deputada Tonha Magalhães, mas esses são mais antigos na carreira parlamentar, com mandatos, respectivamente, de vereador e deputado estadual, podendo-se dizer que desenvolveram carreiras próprias.



Nepotismo no sangue

Data: 23/09/2010
09:29:55

"Meu voto para governador não será o voto do político que já exerceu vários mandatos no país. Será o voto do irmão. Meus companheiros do PSDB haverão de entender a minha posição".


Do senador Álvaro Dias, ao anunciar que votará para governador do Paraná em Osmar Dias (PDT), que afinal de contas é seu adversário político.


Álvaro, um dos maiores críticos do presidente Lula, é do partido do candidato Beto Richa, ex-prefeito de Curitiba. Osmar, senador como o mano, trabalha pela eleição Dilma Rousseff.



Rui e os delegados

Data: 23/09/2010
09:27:34

Deputado lamenta que "o governador tenha permitido os acordos entre Rui Costa e os delegados da Polícia Civil", que levaram "até à suspensão da greve". O parlamentar disse a categoria teve vantagem no reajuste salarial e que "agora corresponde, dando apoio a Rui através da associação e do sindicato dos delegados".


Rui Costa, ex-secretário de Relações Institucionais e alter ego político de Jaques Wagner, é candidato a deputado federal pelo PT anunciado como estourador de urna. O deputado em questão, embora da base do governo, não é da mesma coligação de Rui, o que exclui o interesse pessoal na crítica.



Pinheiro e Lídice em momento de decisão

Data: 23/09/2010
09:25:33

Os candidatos ao Senado Lídice da Mata (PSB) e Walter Pinheiro (PT), da coligação do governador Jaques Wagner, aguardam com a respiração suspensa as pesquisas eleitorais que dirão como está a disputa na reta final da campanha e quais são as possibilidades em geral.


Se os dois ostentarem uma posição confortável na liderança, confirmando a continuidade da tendência que os favorece e ao mesmo tempo reduz os pontos de César Borges, será céu de brigadeiro. Mas se persistir o empate técnico, volta aquela história de que sobe na parede quem tem unha mais comprida.


Fonte do PSB informa que o partido se mexe para aplicar a tática do voto apenas em Lídice como forma de deixar a briga pela segunda vaga entre Pinheiro e Borges. No entanto, adverte: "Isso é ruim, porque o PT tem mais potencial de boicote do que nós".



Edson Duarte circunda a cena

Data: 23/09/2010
09:24:09

Apesar de toda a imagem de unidade e fraternidade que demonstram na propaganda, sob as bênçãos do paizão Wagner, os grupos de Lídice e Pinheiro continuam articulando à surdina para não deixar escapar a chance de chegar à chamada Câmara Alta.


Nos bastidores políticos, o palpite é que um eventual "racha oculto" das candidaturas governistas pode acabar beneficiando Edson Duarte (PV), que corre por fora e está trabalhando muito.



Olha o nível

Data: 23/09/2010
08:46:37

O leitor Jamil Calheiros critica "o nível dos candidatos a deputado estadual e federal", antecipando, pelo que apresenta o programa eleitoral, "como vai ser o parlamento" na próxima legislatura. Os candidatos "não mostram nenhum preparo nem demonstram saber as atribuições de um deputado".


Nesse aspecto, acrescentamos nós, a coligação encabeçada pelo PMDB é o destaque negativo. Em geral, tem candidatos com mensagens vazias ou essencialmente pessoais, perdendo na comparação com postulantes de outros partidos, que parecem mais bem selecionados e usam quadros capazes de atrair mais votos para a legenda.



Risco zero

Data: 22/09/2010
10:14:15

No debate da TV Itapoan, o candidato Marcos Mendes (PSOL) deu um dado relevante: a construção do Porto Sul implicará a devastação de 1.800 hectares de mata atlântica nativa, "com a maior biodiversidade por metro quadrado do planeta".


Os ambientalistas só não estão mais preocupados porque o projeto, que parece ir a todo vapor, na verdade nem licença conseguiu para o início da execução.



Nomes aos bois

Data: 22/09/2010
10:07:39

Paulo Souto deu uma tacada nos números de emprego do governador Jaques Wagner. Perguntou "onde estão as indústrias" que acolheram tanta gente, no interior ou na Região Metropolitana, citando diversos setores da economia: celulose, metalurgia, infraestrutura, petroquímico e calçadista.


Depois, denunciou factóides oficiais, isto é, aqueles projetos aos quais há referência superficial, ocupam a mídia por algum tempo, criando uma sensação de progresso virtual, e depois ninguém mais fala neles. Citou as "vindas" da Toyota, Shell, polo têxtil, planta verde da Braskem e Kraft Foods.



Perda total

Data: 22/09/2010
10:06:49

O que os soutistas não esperavam eram o ato falho cometido pelo seu candidato. Provocado a respeito de coisas que deixou de fazer em seus dois mandatos de governador, afirmou: "Não tenho a pretensão de fazer tudo, e é por isso que estou perdendo... pedindo uma nova oportunidade".



Fechado

Data: 22/09/2010
10:05:56

Perguntas previsíveis predominaram na bancada da imprensa, constituindo uma contribuição apenas burocrática ao debate. A Itapoan preferiu restringir a participação a profissionais do seu grupo empresarial, evitando convidar jornalistas especializados de outros veículos, que poderiam dar mais amplitude ao evento.



Eu gostho

Data: 22/09/2010
10:05:17

Wagner cutucou Marcos Mendes com vara curta. Quis saber o que ele achava da Copa do Mundo de 2014 em Salvador e teve de ouvir toda aquela história de OAS e Odebrecht novamente.



Maledicência x história

Data: 22/09/2010
10:03:40

Geddel disse que, seguindo a sugestão de Souto no debate anterior, foi ao site do candidato do DEM e não viu os "verdadeiros números" dos homicídios no seu governo, que ele tinha anunciado. Então, confirmou o crescimento que denunciou, de 1.730 para 3.240, e perguntou a Souto como resolveria, especialmente agora, "quando não tem mais Antonio Carlos por trás".


Paulo Souto não gostou da citação de ACM, talvez por entender que o adversário quisesse colocá-lo como submisso ao falecido senador. "A sua maledicência eu deixo de lado", replicou. Mas Geddel jurou que fez apenas uma "referência histórica", desculpando-se por ter sido, supostamente, mal entendido.



Qualidade para o debate

Data: 22/09/2010
10:02:07

Dos candidatos a governador pelos pequenos partidos, o Professor Carlos (PSTU) é o que tem demonstrado discurso mais consistente no horário eleitoral. É mesmo de lamentar que sua legenda não tenha representação na Câmara dos Deputados, critério para participação nos debates organizados pelas emissoras de televisão.


O PSTU tem exibido uma peça que critica duramente a educação na Bahia e relaciona o governo Wagner, nesse aspecto, aos 16 anos de carlismo. "Nada mudou", segundo a propaganda, com relação aos "baixos salários", "falta de treinamento dos professores", "não-pagamento da URV" e "corte do ponto de participantes de greves".



Primavera no ar

Data: 22/09/2010
10:01:23

Um momento de doçura na batalha diária das acusações e ofensas: a candidata a vice-governadora pelo PV, Lília Amorim, definindo como injusta uma sociedade que não trata bem suas crianças, idosos, animais e deficientes.



Pouca coisa

Data: 22/09/2010
10:00:37

A presunção de Luizinho Sobral, candidato a deputado estadual pelo PTN, não é tanta. "Juntos mudaremos a Bahia", diz seu slogan.



Defesa pronta

Data: 22/09/2010
09:59:33

José Carlos Temporão, ministro da Saúde, do PMDB, desconheceu os candidatos ao Senado da coligação de seu partido na Bahia. Manifestou apoio a Lídice da Mata (PSB) e Walter Pinheiro (PT). Caso Geddel resolva levá-lo ao conselho de ética, ele poderá alegar que César Borges é do PR e Edvaldo Brito, do PTB.



Estatura

Data: 22/09/2010
09:58:26

Com relação aos conselhos de D. Edite a seu filho "Edvardo", para que estudasse e se tornasse "um grande homem", faça-se justiça: Edvaldo Brito é mesmo um grande homem, com denso currículo, altamente especializado nas áreas tributária e jurídica. Reconhecer-se como tal, longe de cabotinismo, é um direito que ele tem por mérito.



Filho único

Data: 22/09/2010
09:57:17

É certa cara de pau apresentar a Fundação Cidade Mãe como o "maior programa de proteção a crianças do Brasil", como fez a propaganda de Lídice. Como muitas outras iniciativas governamentais em áreas diversas, esse foi um minúsculo projeto em relação à realidade, tendo sua dimensão se ampliado com a força da mídia. Uma simples auditoria serviria para confirmar.



Sem censura

Data: 22/09/2010
08:41:19

O famoso "top top top", som produzido pela batida de uma mão espalmada sobre a outra, fechada, e que tem um significado profundamente chulo, foi praticado explicitamente por um personagem do programa eleitoral de José Carlos Aleluia, candidato ao Senado pelo DEM.


A exibição pretendia exemplificar o que aconteceu com os que acreditaram nos adversários políticos de Aleluia.



Agradecimento tardio (ou bem oportuno)

Data: 21/09/2010
13:00:08

Nesta época, o Tribunal Regional Eleitoral deveria estar bem atento às flagrantes violações da legislação eleitoral e também àquelas formas pretensamente inocentes de propaganda, mas que, até aos olhos mais ingênuos, mostram-se verdadeiras burlas à lei em favor de certos candidatos.


O anúncio publicado hoje na Tribuna da Bahia sob o título "O Bahia agradece Pituaçu" é um exemplo. Ora, o estádio foi inaugurado há mais de um ano, período em que, como nos últimos sete anos, o tricolor vem arrastando uma lata danada na Séries C e B do Campeonato Brasileiro.


Bastou o time dar uma levantadazinha de cabeça para que, a dez dias das eleições, supostamente torcidas organizadas assinassem um anúncio ressaltando que "é preciso expressar o sentimento de gratidão do torcedor do Bahia à reforma do estádio".


Gratidão, naturalmente, embora não tenha sido ressaltado, ao governador Jaques Wagner, já que "isso só foi possível porque o governo do Estado da Bahia apoia o fortalecimento do futebol baiano, assim como está construindo a nova Fonte Nova".



A TV a serviço de uma candidata

Data: 21/09/2010
12:58:22

Os dribles na Justiça Eleitoral se sucedem na atual campanha. O apresentador Raimundo Varela, que diariamente está na TV Itapoan blasonando a torto e a direito, aparece também quase todo dia no horário eleitoral ao lado da mulher, Sheila Varela, candidata a deputada estadual pelo PRB.


Como não se pode imaginar que desconheçam a tremenda vantagem obtida pela candidata ao associar-se à imagem do marido, supõe-se que os concorrentes optaram pela indiferença para, afinal de contas, não se indispor com um radialista popular, que tem nas mãos uma poderosa máquina de comunicação.


Enquanto o casal goza da benevolência dos adversários e do Ministério Público Eleitoral, Varela promove ainda, aos sábados, um "Balanço Geral nos Bairros", que vez por outra vai para o interior, como foi o caso de Camaçari, no sábado passado.


Durante algumas horas, é um show de cooptação popular, com atrações musicais, prestação de serviços aos presentes e a costumeira demagogia do apresentador, atraindo simpatias e gratidões que, inevitavelmente, são canalizadas para a candidata, distorcendo o processo eleitoral.



Dia da Criança ligeiramente antecipado

Data: 21/09/2010
12:57:16

Outro caso é o da deputada Maria Luiza (PSC), cuja ONG, a Mais Social, teve o desplante de marcar para a véspera da eleição uma festa para crianças com previsão de farta distribuição de brindes, comes e bebes e, quem sabe, recomendações de voto.


A organização, que hoje não estaria mais sob o controle da primeira-dama de Salvador, contestou notícia a respeito e disse que o evento é feito anualmente na mesma data, mas o site Bahia Notícias desmontou a farsa, publicando o ofício-convite do ano passado, em que a festa foi realizada no dia 10 de outubro.



Memória fraca

Data: 21/09/2010
12:55:54

A assessoria da candidata do PSB ao Senado, Lídice da Mata, informou que a deputada votou na Câmara federal pelo fim do fator previdenciário e a favor de reajuste de 7,7% nas aposentadorias, "ao contrário do que vêm afirmando alguns adversários no programa eleitoral gratuito e até mesmo nos debates".


Curioso é que, ao participar de evento promovido por A Tarde, a candidata foi criticada por ter votado contra as duas matérias pelo adversário José Carlos Aleluia (DEM) e não teve segurança para rebater de pronto.



Geddel reage a postura de jornal

Data: 21/09/2010
12:54:00

A Tarde, que já havia aprontado com a manchete "Patrimônio de Geddel foi o que mais cresceu", demonstra que não tem muita consideração pelo candidato do PMDB nem senso de justiça com relação aos erros que comete.


"Informada" pelo motorista da equipe, uma repórter do quase centenário jornal afirmou que Geddel Vieira Lima havia se referido ao governador Jaques Wagner como "branco e forasteiro", publicando a matéria na seção de política e dando ainda chamada de primeira página.


Geddel encaminhou fita à direção de A Tarde provando que a notícia era inverídica, mas o jornal não deu à contestação o mesmo destaque, enquanto a repórter lhe telefonou para pedir desculpas, o que deveria ter sido feito publicamente.


O ex-ministro encaminhou o material a jornalistas com uma expectativa: "Quem sabe vocês possam dar lição de ética ao jornal e a ela". A lição está dada, embora se reconheça ser de difícil assimilação.



O dinheiro e a saúde

Data: 21/09/2010
12:52:25

O jornalista Tasso Franco captou e publicou no Bahia Já sentença do cardeal arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, dom Geraldo Majella Agnelo, de reprodução obrigatória:


"O homem na primeira metade da vida consome saúde para fazer dinheiro; e na segunda metade consome dinheiro para fazer saúde".


O pior, dizemos nós, é que na esmagadora maioria dos casos não consegue nem uma coisa nem outra.


A propósito, Dom Franquito mantém o espiritualmente saudável hábito de frequentar o Porto do Moreira, como pôde ser verificado no último domingo.



Peçonha é isso

Data: 21/09/2010
12:50:40

Aliás, as Miudinhas do BJá  estavam impossíveis ontem. Uma dizia que as placas de Sérgio Carneiro (PT) destacam mais o deputado "nota 10" do que seu número de candidato. Quem pode ganhar votos com isso é a legenda do PRB. Outra nota lembra que "a coluna de Therezinha Cardoso repete os mesmo personagens da society há pelo menos dez anos". Caso típico da fila que não anda.



Enfim o debate Wagner-Geddel

Data: 21/09/2010
12:49:08

Parece que Geddel e Wagner não se faziam perguntas mutuamente para um não colaborar na promoção do outro. Pois isso foi superado no debate da TV Itapoan, em que o candidato do PMDB iniciou a provocação, estabelecendo um esperado confronto direto que terminou por vencer.


Acusou o Estado de dever à Prefeitura de Salvador R$ 19 milhões em repasses para o SAMU, além do custeio do Programa Saúde da Família na capital. O petista disse que ia verificar a situação, o que serviu para mais críticas do adversário, argumentando que o governador desconhece o que se passa na sua administração.


Wagner quis ir à fora. Pediu a Geddel opinião sobre a Ferrovia Oeste-Leste e o Porto Sul, esperando que o adversário se enredasse, pois teria de admitir a importância das obras ou criticar o governo federal, do qual, pode-se dizer, ainda faz parte.



Trabalho infantil na Bahia

Data: 21/09/2010
11:47:45

Geddel não mordeu a isca, embora tenha lembrado que nenhuma das obras saiu do papel e que o porto nem tem ainda a licença ambiental. Wagner se disse "orgulhoso" de participar do "projeto político capitaneado pelo presidente Lula", cuja velha amizade citou.


O peemedebista replicou: de fato não conhece o presidente há 30 anos, como o governador, mas nos três anos em que conviveu com ele no cargo de ministro da Integração Nacional teve oportunidade de trazer "muitas obras para a Bahia".


O contra-ataque ocorreu em outro bloco. Geddel disse que o trabalho infantil cresceu no Brasil quando Wagner era ministro de Trabalho e que também se expandiu na Bahia nos últimos três anos, enquanto se reduzia nacionalmente.


Perguntado se era "coincidência ou incompetência gerencial", o governador disse que não era "nem uma coisa, nem outra". Referiu-se ao esforço de sua gestão para combater a anomalia social, mas teve de admitir que mais de 200 mil crianças estão nessa condição no Estado.



Wagner, o alvo, assume todo o prejuízo

Data: 20/09/2010
12:27:25

Não há como evitar que o candidato Jaques Wagner (PT) tenha sempre prejuízo nos debates eleitorais. É dele o governo em julgamento e cabe-lhe enfrentar, por longas duas horas, com a liberdade possível, quatro postulantes de oposição, todos dispostos a derrubá-lo. E por mais apurado que seja o administrador, os flancos são muitos.


Por exemplo, numa de suas intervenções esquentadas, o candidato Marcos Mendes (PSOL), acusou a existência de um "esquema" para beneficiar as construtoras OAS e Odebrecht, que seriam financiadoras da campanha do governador e por isso estariam favorecidas com diversas obras, tendo citado Via Expressa, Via 2 de Julho, Emissário Submarino, Pólo Naval e Ponte Salvador-Itaparica, as duas últimas por enquanto inexistentes.


Wagner obteve direito de resposta para acusar o adversário de "jogar para a plateia" ao fazer "acusação sem documento" para provar. Disse que as empreiteiras em seus governo são indicadas por licitação e que "o público quer debate de alto nível". Mas concentrou sua réplica no fato de Mendes ter se enganado sobre a executora de certa obra (a Odedrecht, não a OAS), nada falando sobre o financiamento de campanha apontado.



Governo começa a apanhar na abertura

Data: 20/09/2010
12:24:26

A natural tendência foi notada já na abertura, quando se faz a tradicional pergunta sobre o principal problema do Estado e as prioridades do candidato. Os focos se voltaram para saúde, educação e segurança pública. "Salvador é a capital mais violenta", afirmou Luiz Bassuma (PV). "Na saúde e na segurança", completou Paulo Souto (DEM), "não há proteção à vida", informando a ocorrência de 19 mil homicídios desde 2007.


O governador considerou maior problema "a desigualdade social" que ainda persiste na Bahia e destacou suas ações no campo do emprego e saúde para atacar "o fosso social" deixado pelos governos Souto e de seu grupo político nos 16 anos anteriores.


Geddel Vieira Lima (PMDB) teve estreia peculiar. Mesmo concordando em que as grandes mazelas seriam o trio saúde-educação-segurança, disse que "fundamentalmente falta gestão", "o governo não tem planejamento nem firmeza". Longe de seu desempenho, perdeu o timing, e quando tinha vasta relação para dar exemplos ficou somente no caso das 400 motos sem licença e sem motociclistas.


Marcos Lima começou o debate com seu tema preferido: a corrupção, que estaria expressa no fato de grandes empresas terem financiado a campanha eleitoral do governo. "Depois, o dinheiro vai para essas empresas", acusou, ao garantir que "o PSOL tem as mãos limpas e autonomia" para "governar ao lado do povo excluído".



Para Souto, Lula é ''fuga'' da campanha

Data: 20/09/2010
12:21:58

A pergunta do jornalista Aguirre Peixoto a Souto, sobre a pouca exploração na campanha da imagem do candidato presidencial José Serra e a falta de críticas ao presidente Lula, permitiu ao candidato do DEM uma resposta muito boa - a tese óbvia da estadualização da eleição. "A eleição é para discutir os problemas da Bahia. Citar o presidente é fuga".


Souto escapou pela tangente quanto ao presidente, registrando "avanços" em seu governo, mas que "não adiantaram para a Bahia", denunciando obras de "portos, ferrovias e estradas" que "ainda nem começaram" e são dadas como "prontas" pela propaganda oficial.


Mas o trabalho do PSDB, partido de Serra e seu aliado na Bahia, foi defendido expressamente por Souto. Corretamente, lembrou que o projeto em curso no Brasil tem 16 anos, e não oito, pois o "controle da inflação" nos governos Fernando Henrique criou "fundamentos para a economia", permitindo, por exemplo, que mais adiante houvesse um "aumento real do salário mínimo".



O PT e o PDDU

Data: 20/09/2010
12:19:58

 

Não provocou Wagner a pergunta do jornalista Bob Fernandes sobre sua visão da "especulação imobiliária brutal" que percebeu ao voltar a Salvador, cidade que adotou e na qual residiu por muitos anos. O próprio Bob fez a ressalva de que esse é um assunto do prefeito, e o governador não se aprofundou na questão.

 

Wagner abriu sua caixa de generalidades. Falou em preservação ambiental com "garantia de crescimento" para a construção civil e lembrou que seu partido foi contra o Plano Diretor de Desenvolvimento Urbano, o famoso PDDU. Tão pouco tinha a dizer que encerrou a resposta restando 35 segundos.

 

Não custa lembrar que a reação ao PDDU foi um pretexto para o PT precipitar, em abril de 2008, o fim da sua "repactuação" com o prefeito João Henrique, firmada seis meses antes. Geddel até se atrapalhou no debate, citando esses fatos como ocorridos, respectivamente, em abril de 2006 e novembro de 2005.



''A velha utopia da ética''

Data: 20/09/2010
12:17:38

Bassuma reagiu bem à pergunta do jornalista Osvaldo Lyra, que pediu uma explicação para sua permanência no PT durante os últimos anos se tem tantas críticas ao partido. No episódio do mensalão, em 2005, pensou em deixar o partido, mas suas bases, em votação plenária "apertada", decidiram que não era o momento.


Disse que "a política é difícil para quem trabalha com seriedade" e que ele acreditou que havia no partido "a velha utopia da ética e dos princípios". Mas, diante dos caminhos que acabaram sendo trilhados, entende que "o PT jogou na lata do lixo uma oportunidade histórica". Resolveu sair ao ser suspenso por um ano por sua posição contra o aborto.



Geddel pulou fora do metrô

Data: 20/09/2010
12:14:23

A jornalista Malu Fontes tentou vincular Geddel ao fracasso do metrô de Salvador. Foi fácil ao candidato desvencilhar-se, lembrando que se trata de uma obra de dez anos e cujos problemas principais foram criados em outras gestões que não a do PMDB. Como aliado do prefeito João Henrique e ministro do governo Lula, garantiu ter feito todas as gestões para ajudar. Pelo menos, completou, "os trens já estão em cima dos trilhos".


Geddel ressaltou para a interlocutora que, sendo ministro da Integração Nacional, não era de sua responsabilidade a obra, o que caberia ao Ministério dos Transportes ou ao das Cidades e talvez ela não soubesse. A jornalista disse que sabia a diferença entre os órgãos e insistiu em que o candidato poderia ter tido melhor desempenho no trato da questão.


O ex-ministro demonstrou paciência com leve sorriso e no tom de voz, mas acabou sobrando para Wagner. Antes dele, disse, a obrigação maior de interferir junto ao governo federal era do governador, que nada teria feito. Geddel "esqueceu" de responder por que não usa a imagem do prefeito João Henrique na campanha.

 


 



Souto e Bassuma trocam passes

Data: 20/09/2010
12:12:47

O bate-bola foi constante entre os adversários do governador. Souto indagou Bassuma sobre um programa que criara em sua gestão, o Viva Nordeste, no bairro do Nordeste de Amaralina. Bassuma, que há 30 anos faz um trabalho social na área, confirmou que os indicadores sociais e de segurança melhoraram com o programa.


No início do governo Wagner, procurou o secretário de Desenvolvimento Social, Valmir Assunção, para saber da continuidade das ações. "Vamos acabar esse programa. Ele é do governo anterior", teria dito Valmir. "Isso não é republicano", bradou Bassuma.


Mais tarde, Wagner defenderia seu secretário e negaria que esse tipo de atitude fosse orientação do governo, citando programas e serviços das gestões anteriores que preservou e obras que concluiu.



''Bloqueio'' das pesquisas

Data: 20/09/2010
12:11:15

Instado por Geddel a fixar "diferenças e semelhanças" entre os governos Souto e Wagner, Marcos Mendes aproveitou para questionar as pesquisas que dão a eleição como decidida, uma atuação dos institutos que ele chamou de "bloqueio encomendado" às demais candidaturas.


Lembrou que a mesma situação havia em 2006, quando Souto foi derrotado no primeiro turno e as pesquisas afirmavam que ele venceria nesse mesmo turno. E para atestar que Souto e Wagner mais se assemelham, disse que o governador "resgatou no carlismo o que havia de pior", referindo-se ao vice Otto Alencar.



Analfabeto funcional com ensino médio

Data: 20/09/2010
12:09:50

Bassuma fez ataque pesado à educação. O Ideb - Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, do Ministério da Educação, aponta 200 escolas da Bahia entre as mil piores do Brasil e diz que a segunda pior do Brasil está no bairro da Liberdade, em Salvador. Além disso, afirmou o candidato que 30% dos concluintes do ensino médio no Estado são "analfabetos funcionais".


Tratando o adversário por "senhor", o que Bassuma não fez ao chamá-lo de "Wagner", o governador referiu-se aos relatórios positivos sobre o setor educacional e disse que "é fácil pinçar um exemplo negativo" para criticar.




Página Anterior    Próxima Página