Salvador, 22 de junho de 2018

Araújo no PR é ''factóide''

Data: 25/10/2010
23:06:13

Deputados definiam hoje como "um factóide" a notícia de que o deputado José Carlos Araújo (PDT) está na iminência de tomar do senador não reeleito César Borges o comando do PR na Bahia. A explicação é simples: assim que deixasse o PDT, Araújo teria seu mandato requisitado pelo partido à Justiça Eleitoral.


E no caso de infidelidade partidária, quem assume a vaga não é necessariamente o primeiro suplente da coligação - no caso, o ex-boxeador Popó (PRB) -, mas o primeiro suplente do partido dono do mandato, conhecido como Tio Dedé, que tem sua base no município de Paramirim e conseguiu 7.242 votos.


Em tempo: só chega ao mandato o suplente de outro partido quando o titular é cassado por motivos que não a infidelidade, como improbidade administrativa ou crime eleitoral.



Bacelar vê crime sem controle

Data: 25/10/2010
23:02:49

Passada a eleição e sob comentários de bastidores de que passará para o lado do governo na próxima legislatura, o deputado João Carlos Bacelar (PTN) sinaliza na direção contrária: fez duro ataque à segurança pública e dispensou-se de dizer que é um caso de polícia "porque não há polícia na Bahia".


Bacelar acusa o governo Wagner de afirmar que o crescimento da criminalidade na Bahia corresponde à expansão que ocorre em nível nacional. "Não é verdade. A violência tem decrescido no Brasil e crescido espetacularmente na Bahia".


Diz o deputado que no Rio de Janeiro a queda da violência foi de 18,4% nos seis primeiros meses do ano, com redução de 30% nos homicídios desde 2005. Essa tendência se repetiria em Pernambuco, "onde de 2009 para 2010 as mortes por crimes violentos diminuíram 13%".


São Paulo também foi usado como exemplo. Desde 2006, segundo Bacelar, os homicídios dolosos e os latrocínios tiveram queda de 10% e de 22% respectivamente. Houve quedas ainda dos furtos e roubos em geral, furtos e roubos de veículos, roubos de carga e assaltos a banco.



Isonomia

Data: 25/10/2010
23:02:02

Em discurso hoje na Assembleia Legislativa, o deputado Carlos Gaban (DEM) disse que Tiririca só aceitará fazer prova perante o juiz eleitoral para provar que é alfabetizado se o presidente Lula for designado para corrigi-la.



Bem DEM

Data: 25/10/2010
23:01:14

Petistas parodiavam o jingle tucano: "Serra é do DEM, Serra é do DEM". O cara é do PSDB, mas vale como licença poética.



Hora do tripúdio

Data: 25/10/2010
23:00:20

Borá, em São Paulo, tem 806 habitantes. Em 2008, o prefeito foi eleito com 446 votos e o vereador mais votado teve 46. O potencial eleitoral do município preocupa o deputado Paulo Câmera (PDT), que explica: "Dilma ganhou lá no primeiro turno. Se Serra virar o jogo agora, pode até ser eleito".



Dentes à mostra

Data: 25/10/2010
22:57:24

O deputado João Bonfim é outro que é só felicidade. "Não bote meu nome nem minha secretaria. Pode me queimar", disse, entre sorrisos, ao deixar uma roda de conserva onde corriam discretas especulações sobre o novo secretariado de Wagner.

 

"Isso só começa a ser falado depois do segundo turno", afirmam sobre o assunto os que querem segredo para, nas sombras, agirem com mais eficácia.



BLAGUE NO BLOG - Comigo, não!

Data: 25/10/2010
22:56:20

Um dia, saindo da Assembleia Legislativa, Tititi, cabo eleitoral emérito, pegou uma carona do falecido deputado Cristóvão Ferreira, e para agradá-lo comentou: "Deputado, fico impressionado com seus discursos atacando ACM..."


Foi o bastante. Cristóvão, embora de partido da oposição, era desses que não batiam em ninguém, vivia calado, pra falar a verdade imagina-se que jamais discursou. Mandou o motorista Alemão parar o carro em plena Paralela e ordenou: "Salte, seu mentiroso!" 



Gestos que nada valem...

Data: 24/10/2010
12:50:33

Com a saída do PMDB do governo Wagner, em julho de 2009, o então ministro Geddel Vieira Lima desejou demonstrar que não agiria como o PT, que abandonou de última hora o barco do prefeito João Henrique na eleição do ano anterior.


"Ele agiu corretamente para não dar o que falar, mas não adiantou, perdeu a eleição assim mesmo, e feio", disse um parlamentar reeleito da coligação do próprio Geddel. E completou: "Nem sempre a postura correta é recompensada nos resultados eleitorais".



...na dura disputa política

Data: 24/10/2010
12:48:24

Para concordar com a tese do colega, outro parlamentar observou que a deputada Virgínia Hagge (PMDB), agora derrotada, concluiu seu mandato de presidente da Câmara Municipal de Itapetinga devolvendo R$ 900 mil à Prefeitura, já que a dotação ultrapassou as necessidades do Legislativo.


Na eleição à Assembleia, em 2006, contou com o apoio da maioria dos vereadores, mas se deve levar em conta que seu pai, Michel Hagge, era o prefeito. Agora, quando buscou a reeleição, chegou-lhe a recomendação de pedir apoio ao pai. "Ela não devolveu o dinheiro a ele?", perguntou um dos "prejudicados".



O sopro que faltou

Data: 24/10/2010
12:46:58

Com o vereador Luizinho Sobral (PTN) passou-se infortúnio que nada tem a ver com algum ato nobre de sua parte, mas com o manifesto desprezo de um assessor por aquilo que pode ser considerado a hemoglobina do político: o voto.


Procurado, para um acordo, pelo vereador Serrinha, do município de Itaparica, o assessor dispensou-o, alegando que o interesse do candidato se concentrava na região de Irecê.


O vereador acabou trabalhando para Mário Negromonte Júnior (PP), a quem deu 408 votos, e Luizinho perdeu sua vaga na Assembleia Legislativa, para Gilberto Santana, por meros 16 votos.



Um pé lá, outro cá

Data: 24/10/2010
12:44:22

A informação é do site Política Baiana, do jornalista Corino Rodrigues de Alvarenga: "Quem viu Valdice Castro (DEM) circular ao lado do governador Jaques Wagner (PT), nos últimos tempos, pelas ruas e avenidas de Jacobina, pode ter até acreditado que ela o tenha apoiado de fato. Ledo engano. Valdice Castro (DEM) jamais apoiou o governador reeleito com a força política que parece deter.


"Na verdade, Leopoldo Passos, marido da prefeita e verdadeiro dono das chaves da Prefeitura de Jacobina, montou uma estratégia bem a seu estilo: pôs a esposa Valdice para fingir apoiar Jaques Wagner e mandou o vice-prefeito Luciano da Locar desfilar pela cidade ao lado de Paulo Souto em carro aberto, isto é, na carroceria de uma cabine dupla".



Wagner deu um voto a Roberto

Data: 24/10/2010
12:43:07

Sorrindo para as paredes com os mais de 75 mil votos que lhe deram o terceiro mandato de deputado estadual, Roberto Carlos (PDT) deliciava-se no restaurante da Assembleia Legislativa. Contava que foi votado em todos os 417 municípios baianos e que em dois deles conseguira apenas um voto.


"Em Elísio Medrado, eu entendo. É base eleitoral do deputado Rogério Andrade, que é muito forte por lá. Mas em Wagner, não sei o que aconteceu. Eu voto nele a vida toda e ele agora só me dá um votinho", brincou, aproveitando que o município é xará do governador.



Lideranças em vista

Data: 24/10/2010
12:39:39

O deputado Paulo Azi (DEM), pela trajetória, tem todas as condições de ser o líder da oposição a partir de 2011, enquanto Rogério Andrade, que também é um nome à altura da função, poderá ficar com a liderança do partido.

 

Dentro do DEM, a questão é que dois dos cinco integrantes da bancada são estreantes - Tom Araújo e Herbert Barbosa - e o outro é o deputado Gildásio Penedo, que não está muito confortável na legenda.


A liderança da minoria deveria caber ao partido majoritário no bloco, que é o PMDB. No entanto, o único parlamentar da legenda a reunir experiência e freqüência para exercer o cargo é Leur Lomanto Junior, que justamente por essas qualidades pode permanecer à frente da bancada do partido.


Há outra questão a ser considerada: esse negócio de líder veterano é apenas uma praxe. A decisão é na base do voto da bancada. Como os novatos são maioria no PMDB, podem muito bem entender-se e eleger um deles - Alan Sanches, Ivana Bastos, Pedro Tavares ou Temóteo Brito. 



O verdadeiro recordista 2

Data: 24/10/2010
11:13:24

Em nome da informação precisa: os 1.748 votos que o vereador João Honorato (PSDB) conseguiu em Casa Nova foram para o deputado federal eleito Luiz Argôlo (PP), que fez dobradinha no município com o deputado estadual reeleito Marcelo Nilo (PDT).



Saúde tem nome

Data: 23/10/2010
15:36:21

Transpira nos bastidores políticos: um dos itens do acordo entre Jaques Wagner e Otto Alencar foi a Secretaria da Saúde, que deverá ser comandada pelo ex-secretário Jardivaldo Batista.


Jardivaldo foi chefe-de-gabinete de Otto na secretaria, no terceiro governo ACM, sucedendo-o quando saiu para ser candidato à reeleição à Assembleia Legislativa. 



BLAGUE NO BLOG - Balão no Gago

Data: 23/10/2010
12:59:42

Quem circula nos meios políticos pelo menos nos últimos 25 anos pode não conhecer Benedito Pinheiro, mas sabe muito bem quem é "Tititi", figura folclórica, sempre presente a partidos e parlamentos, cabo eleitoral dos bons. Tanto trabalhava na propaganda como pedia voto pessoalmente, sendo por isso desejado por muitos candidatos, o que, às vezes, dava em pepino.


Em certa campanha, foi contratado, supostamente com exclusividade, pelo candidato a deputado federal Domingos Leonelli, mas as necessidades orçamentárias terminaram por obrigá-lo a dar uma mãozinha, também, aos competidores Mário Lima e Virgildásio Senna.


Um dia, segundo o próprio relato, Tititi se encontrava no Malembá, bairro de Candeias que "hoje é grande, mas naquele tempo era mato puro". Colava cartazes de Lima e Virgildásio quando, do nada, surgiu Leonelli, que não só o demitiu como se tornou um de seus grandes detratores.


"Não sei como ele foi aparecer naquele fim de mundo", resigna-se até hoje, embora entre risos, o vendedor de ilusões.



Em foco, o difícil cargo de líder do governo

Data: 23/10/2010
12:58:09

Ocupar a liderança do governo é uma tarefa das mais importantes e difíceis num parlamento, por envolver uma complexidade de interesses e situações que exigem do titular do cargo variadas competências. Ele não somente responde no Legislativo pela administração, mas, sobretudo, negocia os projetos e acordos dentro e fora da bancada.


Como qualidade elementar do líder, desponta o bom trânsito com os correligionários e, principalmente, com adversários. Se uma questão pessoal ou particular se interpuser entre o líder e outros deputados, de quaisquer bancadas, é um entrave à negociação.


Entendendo-se que o líder tem linha aberta com o governador para, de fato, falar por ele, será necessário também ter boa articulação na estrutura de governo, porque não serão poucas as oportunidades em que, na função, precisará de suas informações e decisões.



Presença, sagacidade e informação são requisitos

Data: 23/10/2010
12:56:24

Embora não tenha de ser um requintado orador - espécie praticamente em extinção -, o líder deverá estar pronto para responder a ataques com sagacidade e convicção. Além, evidentemente, da freqüência ao plenário, precisa estar a par das principais ações do governo - é triste ser surpreendido por fatos que todos conhecem menos ele.


O líder tem de dominar seus sentimentos, evitando arrebatamento e outras atitudes que prejudiquem o bom entendimento. Não pode confundir altivez com arrogância nem concessão com fraqueza. Na hipótese extrema, tem de respeitar o princípio secular segundo o qual "é preciso dar um osso para a oposição roer".


Outra condição indispensável é o conhecimento do regimento interno, onde se escondem itens e alíneas que podem, num só golpe, liquidar um trabalho de semanas ou de meses. Muitas vezes, num processo de enfrentamento, a oposição deixa o barco correr sabendo de antemão que um detalhe regimental a favorecerá mais adiante.



A sucessão de Waldenor

Data: 23/10/2010
12:54:37

Essas reflexões todas vêm a propósito do relativo pepino que tem em mãos o governador Jaques Wagner para a liderança de seu novo e mais forte governo, agora que o deputado Waldenor Pereira (PT), após exercê-la por quatro anos, foi eleito deputado federal.


Em primeiro lugar, o alto índice de renovação da Assembleia Legislativa reduz as possibilidades, porque um cargo dessa dimensão geralmente é destinado a um deputado veterano. À primeira vista, despontam os nomes dos deputados Zé Neto e Paulo Rangel, seguidos por Yulo Oiticica, todos petistas.


Mesmo do alto de seus vários mandatos, qualquer um deles teria de aprender na função. O próprio Waldenor terminou com sucesso sua passagem, mas muitas vezes sofreu derrotas por inexperiência.



Álvaro na fita

Data: 23/10/2010
12:53:42

Fora da bancada do PT, pela lealdade, assiduidade e experiência parlamentar, o nome citado nos bastidores como possível é o do deputado Álvaro Gomes (PCdoB). Vice-líder ele já foi.



Definido

Data: 23/10/2010
12:52:35

O deputado João Carlos Bacelar (PTN) quer saber quem vai ser "o líder de fato" da bancada governista, porque "o honorário", segundo ele, "continuará sendo Marcelo Nilo".



Uma pena

Data: 23/10/2010
12:51:29

Nos bastidores, é senso comum que o melhor líder para Wagner em 2011 seria mesmo Marcelo Nilo, se ele não preferisse a presidência da Assembleia.



O último a sair...

Data: 23/10/2010
12:50:32

Depois de toda uma conversa no restaurante da Assembleia sobre a futura liderança do governo, recheada de especulações, alguém se lembrou de perguntar: "E quem vai ser o líder da Oposição?"  A resposta foi imediata: "Primeiro vamos ver quem vai ficar na oposição".



É só sacrifício

Data: 23/10/2010
12:49:37

Em tempo: o deputado Waldenor não vê tanta vantagem para o parlamentar que exerce a liderança. Há poucos dias, num plenário sem sessão, ele comentava que teve para deputado federal perto de 88 mil votos, apenas 26 mil a mais que na última eleição. "Fui eleito com 62 mil votos em 2006 pela oposição sem fazer uma cacimba".



O verdadeiro recordista

Data: 23/10/2010
08:53:04

O vereador João Honorato (PSDB), de Casa Nova, repara informação postada quinta-feira, na nota "Quando o cabo é forte", de que a votação do deputado federal eleito Luiz Argolo (PP) chegou a 1.750 votos em Tanhaçu como resultado do trabalho do vereador Miltinho.


"Foram exatos 1.252 votos", disse Honorato, que não suportou ver superada, ainda que por equívoco, a marca que seu candidato a deputado estadual, Marcelo Nilo (PDT), alcançou em Casa Nova: 1.748 votos.



Políticos terão defesa contra lideranças ''picaretas''

Data: 21/10/2010
12:12:49

Leitores que identificam uma tentativa de bom humor em alguns textos deste blog haverão de pensar que a notícia a seguir é uma piada, mas se trata de informação rigorosamente verdadeira: por iniciativa do publicitário Ary Carlos, um grupo de pessoas ligadas à política baiana está criando, para funcionamento já nas próximas eleições estaduais, o Serviço de Proteção Contra Picaretas (SPCP).


Os candidatos a deputado estadual e federal em 2014, devidamente associados, poderão consultar a entidade sobre vereadores, prefeitos, lideranças e cabos eleitorais que fazem acordos de votação e não os cumprem ou ficam abaixo da expectativa. "Como os candidatos mudam muito a cada eleição", explica Ary, "essas pessoas têm sempre gente nova para aplicar o golpe".


Sem meios para avaliar a capacidade contributiva da "liderança", o candidato canaliza para ele boa parte de sua "estrutura", representada por material de propaganda, carro de som, gasolina e, naturalmente, um trocadinho para estimular o trabalho, porque hoje em dia nem relógio trabalha de graça.



Um voto por R$ 1 mil

Data: 21/10/2010
12:11:30

A propósito, o choro é generalizado entre deputados que perderam a eleição e mesmo entre alguns reeleitos, todos contabilizando perdas por causas de lideranças e cabos eleitorais que não recompensaram com votos toda a "estrutura" que receberam.


Um deputado governista, por exemplo, queixava-se de que, em determinado município, que por sua ação parlamentar ganhou telefonia celular, convênios para saneamento e profissionalização e um infocentro, o presidente da Câmara lhe prometeu 1.500 votos e deu 200.


Caso igualmente grave é o de um deputado que fez acordo com dois vereadores e um secretário municipal, pagando três prestações de R$ 5 mil para incrementar a campanha. Abertas as urnas da cidade, só apareceram 16 votos.



Sorrisos para sempre

Data: 21/10/2010
12:09:17

Sobre o tema, conta-se na Assembleia a história de Zezinho da Japonesa, pequeno fabricante de cerâmica que resolveu, na década de 90, tentar a sorte como vereador em Tucano. Distribuiu em seu distrito, Caldas do Jorro, 150 dentaduras, certo de que garantiriam a eleição.


Como só saíram 15 votos, Zezinho não hesitou: passou de casa em casa recolhendo as dentaduras daquela gente ingrata. Hoje as exibe na sala de sua casa, tenebrosos sorrisos dentro de um vaso de vidro, e explica aos espantados visitantes: "É pra eu ter vergonha na cara e nunca mais ser candidato".



Quando o cabo é forte

Data: 21/10/2010
12:06:48

Agora, o outro lado da moeda (foi dito moeda? Então foi dito muito bem): vereador de oito mandatos em Tanhaçu, Miltinho sempre participou de eleições municipais, mas este ano decidiu procurar um candidato a deputado para testar seu potencial na região.


Por artes do acaso, conheceu o deputado Luiz Argolo, a quem pediu material de campanha, um carro e R$ 3 mil para a gasolina. Como única condição, disse que Argolo teria de passar no município numa segunda-feira, que é o dia da feira local.


Argolo foi, e já de saída constatou que sua propaganda estava em toda a região. Na feira, ouviu Miltinho falar por cinco minutos, pedindo a "quem puder que dê uns votinhos a ele" . Teve 1.750 votos em Tanhaçu, além de 240 em Contendas, 140 em Ituaçu e 100 em Barra do Estiva.



Morte de Lady Di: ''epopeia'' de um furo

Data: 21/10/2010
12:02:45

 
Noticiar antecipadamente ou com exclusividade algo de grande interesse - o chamado furo - era coisa frequente no passado muito distante, quando a circulação da informação não tinha o arsenal tecnológico disponível modernamente. Mas as circunstâncias me permitiram fazer com que A Tarde fosse o único jornal brasileiro a publicar sozinho, no dia 31 de agosto de 1997, a morte da princesa Diana.


Editor de plantão até as 22 horas do sábado anterior, faltando dez minutos para o encerramento fui surpreendido por um despacho da Agência France Presse dando conta de um acidente com a princesa e o namorado em Paris. Resolvi esquecer o relógio, e após meia hora novo despacho comunicava a morte de Dodi Al Fayed.


A gravidade da situação forçou a extensão do plantão. Por volta de meia-noite, preparei o texto para a mudança da primeira página relatando a morte do namorado e o estado grave da princesa e encaminhei a edição, pedindo ao secretário gráfico, Kleber Leal, que passaria a noite no jornal, para me telefonar se o quadro mudasse. Uma e trinta da madrugada, em casa, recebo, nestas palavras, a ligação: "A mulher morreu". (Luís Augusto Gomes)



Nas bancas, só A Tarde tinha a manchete

Data: 21/10/2010
11:59:48

Como disse, havia muito tempo que estava aposentada aquela velha frase "parem as máquinas", simbolizando uma notícia tão importante que se justificava uma nova edição. Os jornais, especialmente aos sábados, "fechavam" no máximo às 20 horas para atender à necessidade de distribuição em todo o país em razão de interesse publicitário.


A Tarde, mantendo um sistema que implantou para não ficar por baixo do então concorrente Bahia Hoje, fazia circular o jornal de domingo, em primeiro clichê, por volta das 18 horas de sábado - não sei se a prática subsiste. Às 22 horas, era fechado o segundo clichê, com as mudanças que houvesse, geralmente resultados de futebol.


Naquele dia, valeu o esforço adicional. Na manhã seguinte, os telejornais alardeavam a morte de Diana, e ao usar aquele recurso tradicional de focalizar bancas de revistas com as manchetes do dia, somente em A Tarde se podia ler: "Lady Di morre em acidente".


Não há algo que agrade mais a um jornalista que uma boa notícia exclusiva. Tive esse gostinho com um fato internacional e o dividi com dedicados colegas que participaram do trabalho: além de Kleber, o paginador César Rasec, no tratamento de imagens, Cesinha, e na pré-impressão, Ismael. Um abraço a todos. (LAG)



Mundo que roda

Data: 21/10/2010
11:58:26

Carlista de cepa, o ex-prefeito Orlando Santiago (DEM), de Santo Estêvão, que presidiu a UPB por quatro mandatos, perdeu a liderança que tanto tempo ostentou no município. Seu sobrinho e sucessor Rogério Costa, também do DEM, só votou com o partido para deputado federal (Luiz Carreira). Para a Assembleia Legislativa, preferiu Euclides Fernandes (PDT), e para governador, Jaques Wagner (PT), aos quais presenteou com 4.700 votinhos.



Novo ringue

Data: 21/10/2010
11:57:52

Nos meios políticos, é dado como certo que a Bahia terá o deputado federal Acelino Popó (PRB) na próxima legislatura. A dúvida é agora é para onde vai o deputado Nelson Pelegrino (PT).



Marcação por zona

Data: 20/10/2010
11:16:19

O deputado reeleito Roberto Carlos (PDT) e o deputado federal eleito Antonio Imbassahy (PSDB), que tiveram no geral expressiva votação, conquistaram no interior apoios que foram decisivos para a vitória.


Para alcançar esse resultado eles fizeram valer o trabalho da estrutura partidária, através de contato direto com todos os diretórios municipais para que garantissem aos candidatos um mínimo de votos nas diversas regiões.


"Não foi pressão, foi a legítima cobrança de coerência partidária", disse uma fonte de Por Escrito que conhece muito bem os bastidores eleitorais. "O cidadão tem o diretório de um partido e vota no deputado de outro. É uma prática que Imbassahy e Roberto não aceitaram".


Os números indicam que eles estavam cobertos de razão. Roberto Carlos foi votado nos 417 municípios, enquanto Antonio Imbassahy, sem ter alcançado essa pulverização, fechou 36 mil votos fora de Salvador. "Ele praticamente não pisou os pés no interior", disse.



Partido dos sonhos

Data: 20/10/2010
11:15:16

Comentou-se nos bastidores da Assembleia que, para resolver sem problemas sua eventual saída do DEM, o deputado Gildásio Penedo teria entre as opções a possibilidade de criação de novo partido no país, uma das exceções da lei para a mudança de legenda.


Confrontados com a versão, parlamentares peemedebistas se deliciam. O líder Leur Lomanto Junior, duvidando do surgimento do tal partido, vaticina: "Será o maior da Casa". Luciano Simões concorda: "Vai ser a coqueluche".



Favor aguardar

Data: 20/10/2010
11:13:58

Com relação à posição das bancadas na Assembleia Legislativa, um experiente parlamentar de oposição afirma que o governo leva grande vantagem inicialmente, mas a configuração definitiva do plenário terá de esperar o segundo turno da eleição presidencial.


"O quadro atual é para a vitória de Dilma. Se for Serra, muda tudo". Questionado sobre o poder de atração do governo do Estado, replicou: "O Estado não pode quase nada. Todo o dinheiro é federal".



É o que faz o PTN

Data: 20/10/2010
11:12:21

Apesar do apoio a Serra na eleição presidencial e da oposição ao governo Wagner que continuará fazendo neste fim de legislatura, o PTN está aberto a novas experiências em 2011. Por enquanto, seu único representante é João Carlos Bacelar, que a partir de fevereiro terá a companhia dos deputados Carlos Geilson e Gilberto Santana.


Passado o segundo turno, já conhecido o novo presidente da República, Bacelar garante: "Vamos conversar sobre nosso posicionamento futuro". Oposicionista dos mais duros nestes quatro anos, surpreendeu ao responder se há possibilidade de a bancada apoiar o governo:


"Em política, tudo é possível. Nunca tivemos nenhuma conversa, nem também fomos convidados. Eu continuo na oposição". E anunciou o discurso que faria na sessão sobre "o genocídio da juventude negra em Salvador e Região Metropolitana".



''Homem de centro''

Data: 20/10/2010
11:11:07

Estreante na Assembleia Legislativa, Gilberto Santana, coronel da Polícia Militar, é apontado pelos correligionários como "um homem de centro", com "grande apoio popular e partidário em Itabuna e na região Sul". Embora não tenha exercido até hoje nenhum mandato eletivo, sempre teve forte ligação com o falecido senador Antonio Carlos Magalhães, a qual manteve com o ex-governador Paulo Souto.



Primeirão

Data: 20/10/2010
10:03:40

Na próxima semana, a bancada do PTN se reunirá com o presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo, para tratar da sucessão na Casa. "O único nome que procurou o PTN até agora foi Marcelo", revelou Bacelar.



Tiririca lançará obra sobre o Estado moderno

Data: 19/10/2010
12:53:22

Esta semana, uma autoridade da Justiça Eleitoral vai fazer uma sabatina com Tiririca para saber se ele tem condições de assumir o mandato de deputado federal que lhe foi conferido por 1.353.820 eleitores paulistas.


Tiririca terá de ler, segundo se informa, até trechos da Constituição. Não importa que outros que saibam ler a descumpram. Tiririca, que nem deve saber o que é Constituição, pois até o papel do deputado federal desconhece, terá de demonstrar ao nobre magistrado intimidade com a Carta Magna.


Nos bastidores, comenta-se que o doutor juiz terá uma surpresa: para provar que lê e escreve, Tiririca o presenteará com sua mais recente obra, um compêndio intitulado "O Estado moderno em face da sociedade pós-contemporânea".




Página Anterior    Próxima Página