Salvador, 14 de dezembro de 2018

...mas o partido tem outros planos

Data: 24/04/2013
11:50:38

Não se pode nem dizer que o PP está “sinalizando” sobre a influência que deseja exercer na sucessão do governador Jaques Wagner, porque o partido, na verdade, tem dito com toda clareza o que pretende.

O deputado Leão, por exemplo. Não é preciso ser arguto hermeneuta para interpretá-lo quando diz que não tem conversado com Wagner sobre chapa majoritária, mas com o vice-governador Otto Alencar (PSD).

Na semana anterior, o deputado Negromonte, que transferirá pacificamente a presidência do PP a Leão do fim do ano, havia afirmado que, lançado Otto ao governo, o partido certamente o apoiaria.



Em perspectiva, Otto-Rui-Leão

Data: 24/04/2013
11:49:04

A articulação que corre, e da qual Wagner certamente está informado, parte de duas premissas: a candidatura do secretário Rui Costa (PT) não tem condições de vingar nem seu partido tem um nome capaz de disputar o Senado com segurança, já que nem o governador topa a parada.

A chapa em perspectiva teria Otto Alencar na cabeça e Rui Costa na vice, como legítimo representante do PT e de Wagner, cabendo a vaga ao Senado, enfim, a João Leão, para um mandato pleno de oito anos, se bem-sucedido na eleição.



Por outro lado...

Data: 24/04/2013
11:46:51

Nos bastidores, entende-se que, eleitoralmente falando, talvez o nome petista mais indicável para senador fosse o do ex-prefeito Luiz Caetano, mas essa opção seria a última no staff dominante, até pelas motivações que o descartam totalmente para o governo.



Parceiro de Francelino foi Renato Russo

Data: 24/04/2013
11:45:24

O editor é obrigado a confessar sua considerável ignorância em música popular brasileira de 1980 para cá, pois se assim não fosse não teria atribuído a Cazuza música de Renato Russo à qual foi adaptada a frase “que país é este?”, do político Francelino Pereira, conforme a nota “Como Francelino viraria parceiro de Cazuza”, do dia 18.

O leitor W.N., que fez a observação, pedindo a omissão de seu nome, aproveitou o embalo para outro reparo, este fora de nossa responsabilidade: em recente sessão especial na Assembleia Legislativa, a secretária Moema Gramacho deu como sendo do Jota Quest a música “O Sal da Terra”, de autoria de Beto Guedes.



CPI tem deputados, só falta funcionar

Data: 24/04/2013
10:35:46

Classificando o tráfico de pessoas como “um crime silencioso que atinge muitas famílias”, a deputada Luiza Maia (PT) insiste no funcionamento de uma comissão parlamentar de inquérito para apurar os fatos na Bahia, mas o líder do governo, Zé Neto (PT), não indicou os seis nomes que representariam a bancada na CPI.

Luiza pediu ao presidente da Assembleia, Marcelo Nilo, e aos demais parlamentares, “apoio para superar esse impasse e desmentir a ideia de que os assuntos de interesse das mulheres são tratados com má vontade e descaso”.

A oposição indicou os deputados Adolfo Viana (PSDB) e Uziel Bueno (PTN) para a comissão, enquanto no lado governista se dispõem a integrá-la os deputados Deraldo Damasceno (PSL), Neusa Cadore (PT), Kelly Magalhães (PCdoB), Bira Corôa (PT), Capitão Tadeu (PSB), Ivana Bastos (PSD) e Maria del Carmen (PT).



Plenário pode indicar no voto secreto

Data: 24/04/2013
10:33:55

O deputado Elmar Nascimento (PR), líder da oposição, estranhou que o deputado Zé Neto não tenha, até hoje, definido os representantes do governo na CPI, fazendo com que todos os prazos tenham sido ultrapassados desde a oficialização do colegiado.

“O líder não tem o poder de travar uma CPI que tenha assinaturas suficientes para sua criação publicadas no Diário Oficial”, afirmou, numa referência, sem citá-lo, ao artigo 64 do Regimento Interno da Assembleia Legislativa.

Segundo a norma, caso seja vencido o prazo de três sessões ordinárias a contar a criação da CPI, o plenário, em votação secreta, indicará os membros titulares e suplentes dos partidos omissos.



Wagner não seria contra

Data: 24/04/2013
10:32:51

Poder-se-ia imaginar que a resistência do deputado Zé Neto corresponde a uma decisão de governo, mas este blog foi informado de que o governador Jaques Wagner manifestou-se particularmente pelo funcionamento da CPI. Wagner “gostaria de ver investigadas essas quadrilhas” que agem no Estado.



João causa mais um malefício

Data: 24/04/2013
10:31:57

Os 25 votos dados a favor do ex-prefeito João Henrique no julgamento de suas contas, embora insuficientes para aprová-las, estão sendo usados por democratas de ocasião para defender o fim do sigilo em todas as votações de Câmara Municipal.

Fingem desconhecer que o parlamentar, na cultura brasileira, é frágil ante a força do Executivo, e precisa efetivamente de segurança política para tomar suas decisões, nos casos previstos em lei, com total independência.



"O que dá pra rir..."

Data: 24/04/2013
10:30:32

Não é o caso da deputada Luiza Maia (PT), que é uma democrata sincera, mas seu projeto de voto aberto, fragorosamente derrotado na Assembleia há dois anos, era igualmente agressivo a um princípio que não foi parar por acaso na Constituição.

Em recente conversa telefônica com a deputada, este editor provocou: “A senhora já pensou no controle que o prefeito ACM Neto terá sobre a Câmara com o voto aberto?”

Luiza, sempre fluente em argumentações e respostas, manteve sua posição, mas antes deu o que pareceu ser uma gaguejada.



Por Dilma, Geddel pode voltar ao ministério

Data: 23/04/2013
11:29:34

Considerando-se praticamente livres da possibilidade de encarar o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), como candidato ao governo do Estado, os operadores da reeleição da presidente Dilma Rousseff, naturalmente sob iluminação de Lula, articulam para a Bahia um passo muito importante: a promoção de Geddel Vieira Lima a ministro.

Nesse posto, Geddel teria dificuldade para candidatar-se a governador, podendo manter com Jaques Wagner uma relação amena, como vem sendo com o prefeito – se é que o compromisso não seria acordado antes, pois não faria sentido um ministro deixar o cargo e ir para o palanque oposto ao de Dilma.

A nomeação, segundo fonte de Brasília, se enquadraria numa estratégia ampla do PMDB nacional, para consolidar a aliança com o PT, pois, embora já esteja mais ou menos garantida a reedição da chapa de 2010, com Michel Temer, “ninguém sabe o que poderá ocorrer nos próximos 12 meses”.



Lula quer lançar Bezerra em Pernambuco

Data: 23/04/2013
11:28:07

O ex-presidente Lula está cada vez mais empenhado em ter o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), como candidato ao governo de Pernambuco.

O sonho de Lula é que o movimento inclua o cada vez mais difícil apoio do governador Eduardo Campos à reeleição de Dilma, mas, não sendo possível, não se descarta a filiação de Bezerra ao PT para disputar o governo.

Ex-prefeito de Petrolina, de família tradicionalíssima na política pernambucana, Bezerra seria um contraponto, se não decisivo, pelo menos significativo para ajudar Dilma no enfrentamento a Campos no Estado em 2014.



Ministro tem planos com a presidente

Data: 23/04/2013
11:27:07

Lula identifica um risco muito grande para seu projeto na movimentação do senador Armando Monteiro (PTB), que arregimenta forças hoje dilmistas para apoiar Eduardo Campos, no caso de contar com o apoio do governador para suceder-lhe no cargo.

Bezerra, por sua vez, apesar de aliado de Campos, tem os próprios planos e vem destacando, nas andanças com Campos pelo interior pernambucano, a pretexto da seca, a “necessidade de união” entre os governos federal e estadual.



FH Campos

Data: 23/04/2013
11:26:03

Entre petistas, socialistas, comunistas e outros segmentos da esquerda, há a sensação de que Eduardo Campos não teria, aliando-se a forças fora desse conjunto na política brasileira, nem fôlego nem credibilidade para levar adiante o projeto atualmente em curso no país.

“O PT continua sendo a grande opção para manter o barco navegando”, disse um observador do quadro, não petista, “porque o oposto é a direita, o que levaria Eduardo Campos ao risco de transformar-se num novo Fernando Henrique”.



Salvo-conduto

Data: 23/04/2013
11:25:17

PR, PRP e PSC têm uma característica comum: suas bancadas na Assembleia Legislativa estão divididas exatamente ao meio, o que impede que, formalmente, os partidos declarem apoio ao governo, como é do desejo dos dirigentes, porque é preciso a assinatura da maioria.

Assim, não interessa aos três a permanência dos deputados que se mantêm na oposição: no PR, o líder Elmar Nascimento e Sandro Régis, no PSC, Targino Machado, e no PRP, Bruno Reis. Todos sairão sem problemas, mesmo porque foram as legendas que mudaram de posição, não eles.



Candidatos petistas sabem o jogo que jogam

Data: 23/04/2013
11:24:06

A política se revela nos rituais. Os dois pretendentes do PT que não têm chance de ser o candidato do partido ao governo do Estado – o ex-prefeito Luiz Caetano e o secretário José Sérgio Gabrielli – atiram-se de corpo e alma na “campanha”.

Não só têm comparecido, juntos e solidários, a encontros e outros eventos partidários, como procuram “mostrar serviço” para o público externo, como atestam, respectivamente, a propaganda sobre royalties e a tocada da suposta ponte Salvador-Itaparica.

De outro lado, a dupla teoricamente em melhores condições desconversa sobre o assunto. O senador Walter Pinheiro se diz preocupado com seu trabalho em 2013 e acha que candidatura agora equivale a “tirar o governador do cargo “antes da hora”.

O secretário Rui Costa até dá uma escorregada republicana ao considerar “necessária” para a indicação, embora não “suficiente”, a amizade do sujeito com o governador Jaques Wagner, mas também frisa que o momento é de “pensar na gestão”.

Os comportamentos obedecem, mais ou menos, a uma lógica das disputas políticas: quem não tem chance busca desesperadamente um espaço de viabilização. Quem tem – e sabe que tem – fica na moita, articulando e esperando a hora de dar o bote.



Os totens da seca

Data: 23/04/2013
11:22:22

Em Itiruçu, não teve conversa: o pecuarista Aloísio Fróes fincou na cerca de sua propriedade as cabeças das 120 reses – dois terços do rebanho – que perdeu por causa da seca.

O jornal local A Notícia estampou a cena, que não deixa de ser macabra, na primeira página de sua edição de março.

E o que é pior: foram-se os bois, mas ficou a dívida de R$ 100 mil do financiamento tomado ao Banco do Nordeste, que o produtor tenta negociar.

 



"Shoppings" já ganham muito dinheiro, diz deputado

Data: 23/04/2013
11:20:30

Ao defender a rápida aprovação de projeto sobre o assunto em tramitação na Assembleia Legislativa, o deputado Álvaro Gomes (PCdoB) disse que “os shoppings centers já existem há muitos anos e até hoje nenhum teve dificuldade financeira nem quebrou por não cobrar estacionamento de seus clientes”.

O projeto de Álvaro, que proíbe a tarifa de estacionamento em shoppings, supermercados, bancos, hospitais e outros estabelecimentos, teve parecer faovrável do deputado Paulo Rangel (PT), sendo aprovado por unanimidade nas Comissões de Constituição e Justiça, de Defesa do Consumidor e de Infraestrutura e Desenvolvimento Econômico.

O argumento de que os shoppings estão tendo prejuízo por serem os únicos empreendimentos com estacionamento gratuito não convence o deputado: “O Iguatemi, por exemplo, já deve ter 40 anos sem cobrar estacionamento e continua sobrevivendo muito bem, com uma saúde financeira muito boa”.



Aglomeração felídea

Data: 23/04/2013
11:18:12

A ser verdadeira a romaria de políticos que tiveram seus nomes divulgados na imprensa como futuros filiados ao novo Mobilização Democrática, partido resultante da fusão entre PPS e PMN, vem aí mais um saco de gatos na política brasileira.

Marcos Medrado, Erivelton Santana, Maurício Trindade, Jânio Natal, Elmar Nascimento, Targino Machado, Sandro Régis, Bruno Reis, Euvaldo Jorge, Alberto Braga, Alemão, Leandro Guerrilha e David Rios são alguns dos citados como possíveis comandados do ex-comunista deputado Roberto Freire.

E o mais inverossímil: essa turma teria como candidata a governadora ou senadora em 2014 a ministra Eliana Calmon. É de duvidar que a magistrada, notabilizada pela tentativa de moralizar o Poder Judiciário, venha a aceitar algumas dessas companhias.



Reajuste do funcionalismo continua indefinido

Data: 22/04/2013
17:26:29

A semana começa sem que tenha chegado à Assembleia Legislativa a mensagem do governador Jaques Wagner propondo o reajuste do funcionalismo público do Estado. A demora constitui um fato inédito nos sete anos do governo e dá margem a muitas considerações no meio político.

Em primeiro lugar, registre-se que, até agora, o governo deixa de cumprir o artigo 258 da Lei 6.677/94, segundo o qual, “para fins de revisão dos valores de vencimentos e proventos dos servidores públicos estaduais, ativos e inativos, é fixada em 1º de janeiro de cada ano a correspondente data-base”.

Observadores chamam a atenção para o aspecto político da questão: o governo frustra a expectativa de cerca de 260 mil pessoas, com todo o custo eleitoral que isso pode representar. Sindicatos não aparelhados, como os de policiais e fazendários, se levantam contra a situação, que poderá trazer consequências políticas.

Em meio a barrigadas da imprensa, vez por outra noticiando a “chegada” da mensagem à Assembleia, questiona-se a indiferença do Ministério Público, que não se manifesta, apesar de, claramente, estar em risco um direito coletivo. Nas palavras de uma fonte, “o MP assiste de braços cruzados ao massacre imposto aos servidores”.



Líder diz que crise exige "cuidado redobrado"

Data: 22/04/2013
17:24:21

Em pronunciamento recente, o líder do governo, Zé Neto (PT), disse que está sendo estudada “a medida a ser tomada com relação ao aumento linear do Estado”, tendo ressaltado que “todos sabem da crise que se abateu em todo Brasil, com relação aos gastos fiscais e os comprometimentos com pessoal”.

Seria uma situação generalizada, com reflexos nos municípios, Estados e na própria União, exigindo, “cautela redobrada”, segundo o parlamentar. Ele lembrou que “mais de 300 prefeitos tiveram suas contas rejeitadas no Tribunal de Contas dos Municípios”, grande parte em decorrência da extrapolação com despesas de pessoal.



Retroatividade teria impacto no contracheque

Data: 22/04/2013
17:23:05

Especulação de bastidores dá conta de que o governador aguarda o momento adequado para anunciar o reajuste, de forma a compensar todo o desgaste que vem sofrendo nos últimos meses.

A lei seria cumprida, com a retroatividade do aumento a janeiro, assegurando-se a reposição de perdas salariais com base no IPCA de sempre, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo, que atingiu 5,84% no ano passado.

O que pareceria um erro – o retardamento do processo – se revelaria uma manobra inteligente: ao conceder o aumento no quinto mês do ano, o governo engordaria o contracheque de maio com cerca de 30% do salário, o que teria um impacto psicológico positivo.



Projeto protege gravidez de alto risco

Data: 22/04/2013
17:21:35

O deputado Targino Machado (PSC) apresentou projeto de lei que garante às gestantes de alto risco internamento e outras providências, em hospitais da rede privada, em todo o Estado da Bahia, constatada a falta de leitos nos hospitais da rede pública.

A gravidez de risco se caracteriza pela possibilidade de haver perigos, ao longo da evolução da gestação, para a saúde da mulher ou do bebê. Esses casos são comuns em todo o mundo, com as estatísticas registrando o número de casos entre  10% a 30%.

Existem diversos sintomas que indicam que a gravidez pode apresentar algum risco – dores de cabeça fortes, desmaios, tonturas muito frequentes, dor ao urinar, inchaço súbito no corpo, decréscimo da atividade fetal por mais de um dia, repentino e elevado batimento cardíaco, sangramento vaginal, entre outros.



O chicote - de herói a vilão

Data: 22/04/2013
17:19:36

É quase uma praxe que um orador na tribuna da Assembleia Legislativa incorpore a seus discursos os apartes feitos por colegas, mas na semana passada o deputado Marcelino Galo (PT) recusou-se a acatar trecho de uma intervenção em que o deputado Carlos Gaban (DEM) dizia ter “saudade do chicote”.

Gaban, na verdade, rebatia Marcelino, para quem, durante o carlismo, os trabalhadores eram tratados a chicote. “Confesso-lhe que sinto saudade do chicote nas mãos quando vejo que, naquela época, bandido estava na cadeia, bandido era para ficar na cadeia, atrás das grades, e o cidadão de bem andava nas ruas”.

O petista reagiu: “É terrível ver vossa excelência reconhecer que sente saudade do chicote. Com certeza, esse chicote não voltará jamais, porque o povo brasileiro aprendeu”. Para ele, o chicote será uma peça de museu, como é a sede do DOI-Codi, antes “local de tortura, assassinatos e chicotadas”.



Félix Jr. tem vontade de xingar o metrô

Data: 22/04/2013
17:16:16

O deputado Félix Mendonça Júnior (PDT) revelou hoje temor de que o projeto da ponte Salvador-Itaparica, estimado em R$ 7 bilhões, se torne “mais um projeto inconcluso de final de governo, a exemplo do metrô de Salvador, que se arrasta por mais de 12 anos”.

Ressaltando que o governo do Estado deve ter outras prioridades, o deputado disse que fica “arrepiado” quando se fala da ponte sem concluir o metrô. “O governo não pode investir tanto quando faltam investimentos para a educação e os problemas provocados pela seca”.

Para Félix Júnior, “o metrô vai virar literatura de cordel”, por ser “uma brincadeira, um absurdo, um abuso com a população”. Prevendo que os crimes contra o patrimônio público ocorridos na obra “vão prescrever e ninguém será punido”, o deputado disse que “são impublicáveis” as palavras que gostaria de dizer sobre o assunto.



Feira não quer hospital de custódia, diz Geilson

Data: 22/04/2013
15:54:43

O deputado Carlos Geilson (PTN) reagiu fortemente à intenção do governo do Estado, divulgada pela imprensa, de instalar o Hospital de Custódia e Tratamento em Feira de Santana, onde ficaria provisoriamente até a reforma da unidade de Salvador, que foi incendiada pelos internos.

“Feira não quer, não aceita e não deseja, já temos o presídio regional, que é uma bomba-relógio. Chamo a atenção dos deputados de Feira, porque parece que somente o deputado Zé Neto quer essa mudança”, disse Geilson na sessão de hoje da Assembleia Legislativa, aproveitando para atacar o líder do governo, seu adversário local.

Classificando a notícia de “presente de grego”, o deputado afirmou que o governo recuou de implantar um centro de ressocialização em Amélia Rodrigues porque “o prefeito de lá é do PT não concordou, então foi para Teodoro Sampaio, onde o prefeito é do PSB”.

Geilson concluiu seu pronunciamento instando o deputado Zé Neto a "ser liderado e não ser subserviente", buscando com o governador Jaques Wagner “outro local para colocar os custodiados, porque Feira quer é a duplicação do anel de contorno, uma maternidade pública e um hospital geral”.



Arimatéia atribui a decisão judicial

Data: 22/04/2013
15:52:04

A resposta pela bancada do governo foi dada pelo deputado José de Arimatéia (PRB), para quem Geilson “jogou a notícia no ventilador” sem estar bem informado sobre a questão.

Segundo o parlamentar, que tomou a iniciativa porque tem base em Feira de Santana, a Secretaria da Saúde lhe comunicou que o governo estava “obedecendo a uma determinação judicial, devido ao incêndio” ocorrido no hospital, e que não seria uma transferência completa.

“Para lá irão apenas 12 mulheres, que se somarão a outras cinco já recolhidas ao Hospital Colônia Lopes Rodrigues”, disse Arimatéia, acrescentando que “os internos restantes foram instalados no Hospital Juliano Moreira, em Salvador”.



Candidato de Wagner apoiará Dilma, lembra Jonas

Data: 20/04/2013
11:26:19

No papel de defender ex officio um nome do PT para o governo baiano, o presidente do partido, Jonas Paulo, não pode, por outro lado, espantar ou magoar os aliados de outras legendas que pleiteiam ou sonham com a cabeça de chapa na sucessão.

Para ele, há nomes fora do PT para a disputa, “desde que tenham mais condições de galvanizar as forças, representar o projeto nos seus conceitos e, fundamentalmente, terem liderança”.

Em tese, requisitos mais ou menos exibidos pelos postulantes não petistas – o vice-governador Otto Alencar (PSD), a senadora Lídice da Mata (PSB) e o deputado Marcelo Nilo (PDT), de fato figuras de expressão na política baiana.

“Mas uma coisa”, adverte, “é preponderante: o candidato do governador Jaques Wagner terá sua candidatura vinculada à da presidente Dilma à reeleição” – uma não tão sutil insinuação de que se o PSD e o PSB forem para o governador Eduardo Campos, não haverá chance para Otto e Lídice.



Bahia é Estado mais importante para o PT

Data: 20/04/2013
11:24:39

Jonas não discute a prioridade da candidatura presidencial, que é “uma estratégia nacional”, sobre as estaduais, mas entende que são também prioritários os Estados governados pelo PT, “e a Bahia é o maior deles”.

O interesse na manutenção do governo com o partido vincula-se ainda ao fato de que, nos nove Estados do Nordeste, região de grande penetração petista, somente em dois, além da Bahia, o PT tem possibilidade de lançar candidato.

No Piauí, é praticamente certa a indicação do senador Wellington Dias, embora não tenha chegado ao segundo turno nas recentes eleições para prefeito de Teresina. Na Paraíba, dependerá da filiação do ex-prefeito Luciano Agra, que deixou o PSB e fez o sucessor em João Pessoa.

No Maranhão, Ceará, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Norte e Pernambuco, o PT fará composições, cedendo a cabeça de chapa. Jonas não vê na situação uma fraqueza do partido: “É uma questão de nomes competitivos em cada Estado”, observou.



Caravanas encaminham definição no partido

Data: 20/04/2013
11:23:01

O presidente Jonas sabe que, antes de uma decisão por um candidato de fora do partido na Bahia, seus arraiais vão pegar fogo. Aliás, o incêndio já está começando, por enquanto em pequenas proporções.

“Temos nomes capazes de liderar a frente em 2014, de unificar a base, e estamos aferindo quem tem melhores condições de fazer isso”, disse, numa referência às caravanas do PT no interior, que começam neste fim de semana.

A primeira passagem, hoje, é no Recôncavo, com concentração em Santo Antônio de Jesus, congregando municípios do território do Vale do Jiquiriçá, conforme redivisão geográfica e política promovida no Estado pelo atual governo.

Amanhã, a discussão será em Teixeira de Freitas, município do território do Extremo Sul. “Nesses encontros”, explicou Jonas Paulo, “estamos tratando dos dez anos dos governos de Lula e Dilma, dos seis anos de Wagner, da reforma política e da sucessão estadual”.



DEM abocanha única quituteira baiana

Data: 20/04/2013
11:21:09

A quituteira Dadá entrou no DEM. Aliás, quituteira Dadá é redundância. Alguém já viu a palavra quituteira acompanhada de um nome que não o de Dadá?



Deputado responderá a processo disciplinar

Data: 20/04/2013
11:20:27

O PSB abrirá processo disciplinar contra o deputado Sargento Isidório por declarações públicas nas quais usou “expressões chulas e de baixo calão, para atingir o PSB como conjunto, dirigentes do partido, personalidades da Bahia, em desacordo com princípios do partido e da representação partidária a ele conferida pela população”.

Em nota, a Executiva Regional considerou que “o Sargento Isidório é deputado estadual graças a votos dos candidatos do partido com credos religiosos, com concepções filosóficas e orientações sexuais diversas”, o que supostamente o impediria de manifestar-se contra outros segmentos, como fez em entrevistas à imprensa.



Salgueiro de muitos talentos

Data: 20/04/2013
11:19:16

“Bahia de Todos os Deuses”, o samba-enredo do Salgueiro no desfile das escolas de samba cariocas de 1969, não é de autoria de Zuzuca, como disse o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, ao receber o título de cidadão baiano, ontem, na Assembleia Legislativa.

A música, na verdade, é de Bala e Manoel Rosa, que a compuseram sem jamais terem visitado a Bahia, conhecendo-a apenas de relatos, filmes e fotografias, o que não os impediu de fazer uma das mais belas obras entre tantas que homenageiam esta terra.

O mérito de Zuzuca, entretanto, não é diminuído por isso. Respeitado membro do grupo de compositores do Salgueiro, ele é o autor solitário de “Festa para um Rei Negro”, do desfile de 1971, e de “Vem Chegando a Madrugada”, de 1966, esta em parceria com Noel Rosa de Oliveira e, como as demais, um clássico do samba.



Henry vê "um trator sobre Marina"

Data: 19/04/2013
11:17:28

Abrindo uma exceção em suas práticas, Por Escrito publica a íntegra de um discurso parlamentar, do deputado federal Raul Henry (PMDB-PE), na sessão da Câmara em que foi aprovado o projeto que impôs restrições à formação de novos partidos no Brasil – tanto mais importante porque o deputado ficou contra a posição de sua bancada.

“Estou há seis anos nesta Casa, no segundo mandato, e já vi de quase tudo neste plenário. Mas eu não tinha visto até hoje uma violência tão grande contra os valores democráticos, uma violência que procura exterminar o adversário, não dar a ele a possibilidade de disputar, uma violência que tem endereço certo, uma violência contra o novo partido do deputado Roberto Freire e, sobretudo, contra o novo partido da senadora Marina Silva.

“Eu ouvi hoje aqui um discurso veemente de um deputado do PT, dizendo que na democracia é assim mesmo: o que vale é a força da maioria contra a minoria. Se esse conceito fosse verdadeiro, seriam considerados democracias dois regimes que vivem no lixo e na sarjeta da História: o fascismo de Mussolini e o nazismo de Hitler, em que a maioria se sobrepunha à minoria.

“O conceito de democracia é muito mais do que isso: é respeito a uma cultura de tolerância; é respeito às minorias; é respeito à liberdade de expressão; é respeito ao debate; é dar ao outro o direito de também dialogar com a sociedade.

“E na democracia contemporânea só há possibilidade de dialogar com a sociedade por meio dos veículos de comunicação de massa. E é isso que querem subtrair da senadora Marina Silva.

“Numa democracia de verdade vale a estabilidade das regras do jogo. E o que se está querendo fazer aqui é mudar a regra do jogo no meio do jogo. Numa democracia de verdade existe a possibilidade de alternância de poder, que é o que o PT está querendo barrar aqui através do trator em cima do partido da senadora Marina Silva.

“Sou do PMDB, mas falo aqui em nome do meu mandato. Sei que há muito desconforto na bancada do PMDB. E quero fazer um apelo ao líder da minha bancada e aos meus companheiros de bancada: inspirem-se, hoje, na história do PMDB, uma história de luta e de resistência, uma história de defesa da democracia e da liberdade, e digam não a essa excrescência contra a democracia”.



Ex-senadora continua competitiva

Data: 19/04/2013
11:13:40

A confirmar-se, como é praticamente certo, a aprovação também no Senado do projeto restritivo a novos partidos, a ex-senadora Marina Silva, na avaliação de observadores políticos, deverá criar a Rede Sustentabilidade e deixá-la em “stand-by, como disse um deputado.

Até setembro, que é o limite de prazo para filiações de quem disputará eleições em 2014, Marina “vai fazer o jogo político”, entrando oportunamente, se for o caso, numa legenda pela qual possa concorrer à presidência da República com algum tempo de televisão.

Os convites começaram a surgir logo depois da sessão de quarta-feira da Câmara, e o mais consistente é o do ex-PPS, hoje Mobilização Democrática (MD) por fusão com o PMN.



Tá bom demais

Data: 19/04/2013
11:11:30

Festejemos com foguetes o fato de apenas 25 dos 43 vereadores terem votado a favor das contas de 2010 do ex-prefeito João Henrique, o que confirmou o parecer do TCM pela rejeição. Nas condições normais da política brasileira, a Câmara deveria ter muito mais picaretas.



Os "eleitores" de João

Data: 19/04/2013
11:08:39

A propósito, é espantoso como alguns órgãos de imprensa dão largo espaço às manifestações e bravatas de João Henrique, que ainda hoje se declara candidato a governador. Há muito se sabe que, além da inelegibilidade, nem um partido decente ele terá em 2014.

Que justificativa se poderá dar ao trânsito e ao crédito que o ex-prefeito ainda tem em certos veículos se não forem a ignorância e a superficialidade de seus editores, jornalisticamente falando? Melhor seria poupar os leitores dessa quadra desastrosa que felizmente passou.



Livro resgata transição econômica do país

Data: 19/04/2013
11:07:32

A crise do Encilhamento, que marcou a transição econômica definitiva do arcaico modo de produção do Império, assentado no escravagismo, para a modernidade, é o tema do livro “Encilhamento na História do Brasil”, lançado ontem na Associação Comercial da Bahia, que o editou em parceria com a Assembleia Legislativa.

De autoria de Joaquim L. de Souza, o volume analisa em texto leve, porém embasado por pesquisa criteriosa, a crise financeira que atingiu o governo provisório da República no final do século XIX, quando o ministro da Fazenda, Ruy Barbosa, buscou a industrialização do país através da liberação de créditos.



Centralizador

Data: 19/04/2013
11:06:25

A crise latente no PP, que pode perder nomes da bancada estadual, se deve ao “estilo centralizador” do deputado Mário Negromonte, segundo um parlamentar do partido.

Particularmente com relação ao deputado Ronaldo Carletto, o problema vem desde que Negromonte emplacou Maurício Botelho na direção do Detran, em detrimento de Márcio Blanco, indicado pelo colega.



Questão de tempo

Data: 19/04/2013
11:05:25

De Brasília, vem a informação: o deputado Arthur Maia está saindo mesmo do PMDB.



Troca-se contracheque

Data: 19/04/2013
11:04:49

Saudado com um convencional “como vai”, o deputado Rosemberg Pinto, líder do PT na Assembleia, mostrou que o momento era de bom humor: “Nem tão bem como você, que é jornalista, nem tão mal quanto meus adversários desejam”.




Página Anterior    Próxima Página