Salvador, 21 de outubro de 2017

Pesquisador faz apostas para a Câmara

Data: 31/10/2013
11:25:42

Diretor do instituto de pesquisas Séculus, de longa atuação no mercado político baiano, o publicitário Ary Carlos faz cálculos e prevê que três coligações principais vão disputar as eleições para deputado federal na Bahia em 2014, devendo o governo eleger de 24 a 26 parlamentares e a oposição, de 13 a 15. Da bancada de 39, “têm eleição garantida” os 25 citados nas coligações.

A primeira das “três chapas equilibradas”, com expectativa de eleger 13, reuniria o PT e o PCdoB e obteria em torno de dois milhões de votos. Pela ordem, teriam eleição assegurada Jorge Solla, Nelson Pelegrino, Luiz Caetano, Valmir Assunção, Daniel Almeida, Josias Gomes, Robinson Almeida e Waldenor Pereira. Os demais brigariam por quatro a cinco vagas.

Também com possibilidade de fazer 13 deputados, com 1,9 milhão de votos, a chapa oposicionista teria DEM, PMDB, PSDB, PTN, PV e PPS. Estariam ungidos Lúcio Vieira Lima, Paulo Azi, José Carlos Aleluia, Jutahy Júnior, Antonio Imbassahy, Cláudio Cajado, Fábio Souto e Elmar Nascimento, restando de quatro a cinco cadeiras em disputa.

A outra chapa governista seria formada por PP, PDT, PRB, PSD, PSC, PR e PTB, com perspectiva de somar 1,8 milhão de votos e conseguir 12 cadeiras. Seriam eleitos Ronaldo Carletto, Mário Negromonte Júnior, João ou Cacá Leão, Félix Mendonça Júnior, Márcio Marinho, José Nunes, José Carlos Araújo, Antonio Brito e José Rocha. Haveria disputa para três ou quatro vagas.

Avaliando as possibilidades de PSB e PSL, que hoje não têm deputados federais e deverão competir isoladamente, o publicitário acredita que poderão eleger de um a três parlamentares. O PSB tem nomes fortes em Joseph Bandeira e Bebeto Galvão. No PSL, “se o ex-prefeito João Henrique disputar, elegerá ele e mais um”.



Comissão irá à Fundação Dr. Jesus

Data: 31/10/2013
11:22:35

Vice-presidente da Comissão dos Direitos da Mulher, a deputada Luiza Maia (PT) nega alguma indisposição do colegiado para visitar a obra social e religiosa Fundação Dr. Jesus, coordenada pelo deputado Sargento Isidório (PSC) e voltada para a recuperação de dependentes químicos.

“Não é verdade. Estávamos agendadas para a visita quando Isidório fez aquela maluquice toda”, disse Luiza, referindo-se aos episódios em que o parlamentar, ao lado do deputado federal Marcos Feliciano, fez declarações consideradas discriminatórias do segmento gay.

Luiza informou que algumas deputadas não quiseram ir naquele momento, mas que na próxima reunião da comissão, quarta-feira, será marcada a data. “Eu, pessoalmente, reconheço e respeito o trabalho que Isidório faz, um trabalho com quem está na ponta do problema, sofrendo as consequências da droga”.



Visita ineficaz

Data: 31/10/2013
11:20:54

Para o líder do PT na Assembleia Legislativa, Rosemberg Pinto, nada mudou no conflito agrário no Sul do Estado com a vinda à Bahia, na semana passada, do ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo.

“Eu esperava que daquela reunião saísse uma posição de que as áreas com reintegração de posse seriam devolvidas às pessoas que tiveram suas terras invadidas, respeitando uma decisão da Justiça, e eu não vi isso”.

Rosemberg elogiou a iniciativa do governador Jaques Wagner de trazer o ministro, mas ressalvou que o objetivo de obter a paz na região não foi alcançado. “Fico extremamente triste, porque, com a expectativa que tínhamos, acabou não acontecendo nada de fato para diminuir as tensões”.



Conselheiro matrimonial

Data: 31/10/2013
11:19:45

O deputado Roberto Carlos (PDT), que está solteiro, brincava numa mesa do restaurante da Assembleia: “Se eu chegar a deputado federal, vou propor uma lei para que o casamento tenha validade de um ano, com direito a renovação”.

Pela ideia do parlamentar, haveria um contrato com todos os deveres e direitos dos cônjuges, que, se não fossem cumpridos ou respeitados, dariam à parte prejudicada a condição de denunciar a relação. “Quero ver não dar certo”, estimou Roberto.



Candidatura

Data: 31/10/2013
11:18:38

O ex-prefeito Luiz Caetano (PT) já está pedindo formalmente, a prefeitos e lideranças do interior, votos para deputado federal.



Brasil Pandeiro

Data: 31/10/2013
11:17:57

Sai de cena a velha e boa concordata, mãe de tantas fortunas fraudulentas e que golpes variados propiciou no passado.

Foi substituída por expressão mais amena, a recuperação judicial. Pouco vai adiantar. Eike Batista e a OGX são irrecuperáveis.



A ministra e o PSB

Data: 31/10/2013
11:17:04

Fonte do PSB informa que está cada vez mais próxima do partido a ministra Eliana Calmon, abrindo a possibilidade de uma candidatura ao Senado na chapa a governadora da senadora Lídice da Mata. “Bastaria mais uma mulher para reeditar a chapa ‘As Três Marias’, de 1990”, completou.

Indagada sobre quem seria o terceiro nome, partiu para a galhofa: “Ou Marcelo Nilo de peruca ou Alice Portugal, se o PCdoB topar”. Sem nenhuma sugestão adicional, este editor recomenda aos “socialistas” que desistam do PCdoB.



Chama o Blatter

Data: 31/10/2013
11:15:57

Aliás, a filiação de Eliana Calmon é uma questão a ser decidida pela Fifa, já que o DEM garante que o passe da ministra lhe pertence.



Orçamento impositivo opõe Assembleia e governo

Data: 30/10/2013
23:50:12

A Assembleia Legislativa assistirá nos próximos dias à mais importante disputa político-legislativa do governo Jaques Wagner e de muitos outros que o antecederam: a votação aberta da proposta de emenda constitucional do deputado Euclides Fernandes (PDT) que cria o orçamento impositivo.

Trata-se de uma PEC que destina 1% do orçamento do Estado a obras e serviços públicos a serem indicados equitativamente pelos 63 deputados estaduais. Sendo de um parlamentar da base do governo, traduz a insatisfação na maioria da bancada com o tratamento recebido em troca de fidelidade até agora eterna.

O governo é contra, para não perder parte ínfima da autonomia financeira, mas principalmente para ter sob melhor controle deputados no parlamento, cedendo-lhes de acordo com seus interesses. Os deputados, por outro lado, sonham em não ser tratados como gado, ainda que de raça superior em relação ao cidadão comum.

A batalha está posta: fonte de Por Escrito assegura que o secretário de Relações Institucionais, Cezar Lisboa, telefonou ao deputado Euclides para pedir que retirassse a PEC, mas Euclides disse ser impossível, já que a matéria está em tramitação. Em último caso, o governo tentará que a vigência seja a partir de 2015.

Não se pode, no entanto, subestimar a força do governo nesse processo, ainda mais com o voto aberto e a necessidade de 38 votos para aprovação. “O governo está operando”, disse um deputado da oposição, atribuindo à PEC, e não às contas do governador, o motivo da manobra do líder Zé Neto (PT) para esvaziar as sessões de ontem e hoje.



Relator do PCdoB vê PT beneficiado

Data: 30/10/2013
23:47:46

Na Assembleia, o sentimento de grande parte da bancada governista é de aprovação, assim como a oposição, que em tese é a maior beneficiada. Na bancada do PT, segundo o próprio relator da matéria, Fabrício Falcão (PCdoB), também governista, “a maioria deverá votar contra, porque eles têm tudo”.

No seu relatório, que deverá ser levado ao plenário na próxima terça-feira, Fabrício fixou o valor das emendas em R$ 2 milhões por parlamentar, reduzindo a proposta original, mas definiu a vigência para 2014, o que certamente agradará aos deputados, que não estão nessa briga para usufruir depois das eleições.

O relatou informou que a PEC já está incluída na ordem do dia e revelou ter sentido no presidente Marcelo Nilo a disposição de colocá-la em votação. “Não vale a tese”, acrescentou, “de que o orçamento está fechado. O orçamento está aberto. Nós é que vamos votá-lo lá pra 15 de dezembro”.



Deputados governistas declaram apoio

Data: 30/10/2013
23:46:13

“Sou literalmente a favor e não arredo um milímetro. A partir do momento em que aprovarmos essa PEC, teremos poder e autonomia, até os prefeitos e vereadores vão nos respeitar pelas obras que poderemos levar aos municipios”.

A ênfase do deputado Roberto Carlos (PDT) pode não ser a de outros deputados, mas a disposição de aprovar a matéria se mantém: “A oposição vai votar fechada”, adiantou o vice-líder Carlos Geilson (PTN).

O governista Adolfo Menezes (PSD) disse que votará a favor, embora julgue o valor pequeno para as demandas de um mandato: “Pra quem não tem nada, ajuda, mas um deputado que trabalhe em 20 municípios e em cada um faça um convênio para essa coisa medieval de construir banheiros no século XXI gasta todo o dinheiro”.

O deputado Carlos Ubaldino (PSD) abordou o repórter num corredor: “O orçamento impositivo vai passar, vai nos dar tranquilidade, não vamos ficar mendigando”. Também espontaneamente, o deputado Deraldo Damasceno (PSL) declarou: “Todos vamos votar, não abrimos mão, e não poderia ser diferente”.

Revelando seu voto favorável, a deputada Kelly Magalhães (PCdoB) disse entender que o orçamento impositivo “é uma forma de prestigiar os parlamentares, principalmennte os do interior, que poderão atender a algumas demandas que são exigidas pelas comunidades”.

Fonte deste blog informou que até o disciplinado deputado Álvaro Gomes (PCdoB) radicalizou. “Não tem quem me faça votar contra”, teria afirmado. O deputado Rogério Andrade (PSD) disse que vai esperar uma decisão do partido.



Dúvidas sobre a tramitação

Data: 30/10/2013
23:43:13

O experiente deputado Reinaldo Braga (PR) não quis se posicionar, preferindo duvidar que a PEC vá ao plenário: “Será que vai ser votada? O presidente é que faz a pauta. Se ele não quiser, nem os líderes podem”.

A tese foi contestada, mais tarde, pelo líder da oposição, Elmar Nascimento (DEM): “Se os dois líderes ou um terço do plenário assinarem um requerimento, o presidente é obrigado regimentalmente a colocar em votação”.

O presidente Marcelo Nilo, que também tem a prerrogativa de convocar uma sessão extraordinária para apreciar a proposta, sempre foi fiel ao governo, mas não se pode desconsiderar que nos últimos tempos, por causa da sucessão estadual, a relação não tem sido das mais afinadas.



Reeditando o passado recente

Data: 30/10/2013
23:41:39

A bancada do PT tomará um posição formal na reunião da próxima terça-feira, especulando-se nos bastidores que fechará questão pela rejeição da PEC e que isso lhe será prejudicial: “Ficará isolada no plenário, como esteve quando quis resistir às eleições da Marcelo Nilo para presidente”.



É só fazer as contas

Data: 30/10/2013
23:40:49

Apresentamos abaixo o preço médio de obras e serviços comumente reivindicados aos deputados estaduais por prefeitos e lideranças. Uma calculadora poderá ajudar os interessados a ver o que cada um pode fazer com R$ 2 milhões por ano.

Pavimentação com paralelepípedos, de R$ 60 a R$ 80 o metro quadrado; poço artesiano, R$ 18 mil; quadra de esportes, R$ 130 mil; ambulância, R$ 70 mil; e trator, de R$ 70 mil a R$ 100 mil. Por preços mais em conta podem ser construídos banheiros e cisternas.



O tamanho do salto

Data: 30/10/2013
23:39:41

Analista da cena política observou hoje que, se dúvida havia da convicção do governador Jaques Wagner na eleição de Rui Costa para seu sucessor, dissipa-se com a movimentação do governo contra a PEC do orçamento impositivo.

“O governo se coloca contra quase toda a sua base a menos de um ano das eleições, quando o certo seria atrair e agradar os insatisfeitos. Deve estar muito seguro do que faz”, avaliou.



Fica pra próxima

Data: 30/10/2013
23:38:22

Dizemos nós: se a PEC, por algum motivo, não for aprovada, não será na atual legislatura que a Assembleia Legislativa ficará marcada por sua independência.



Terceirizado expõe entranhas norte-americanas

Data: 29/10/2013
11:16:25

A “teoria do dominó”, importante doutrina da política externa dos Estados Unidos durante a “guerra fria”, dizia que se um país fosse dominado por um regime comunista, a tendência é que seus vizinhos também fossem caindo, como na brincadeira que as crianças fazem com as peças daquele inocente jogo de salão.

Pois 60 anos depois, temos um efeito semelhante, com a revelação sequenciada de países, governos, pessoas, entidades, empresas e toda sorte de vítimas da espionagem norte-americana, que naquela época visava os comunistas e hoje caça terroristas, na verdade uma cortina para bisbilhotar a guerra comercial, que interessa mais.

Mas o que sobressai de fato nessa intrincada e real história de espionagem é que os Estados Unidos, na condição de xerifes globais e campeões da democracia, tiveram toda sua autoridade desmontada, expondo-se ao mundo os métodos desonestos com parceiros e aliados, pela ação de um simples cidadão.

Edward Snowden, hoje em asilo provisório na Rússia, era um funcionário terceirizado do goverrno norte-americano, empregado de uma prestadora de serviços, que tomou a decisão da vazar documentos movido por princípios pessoais, sem objetivo financeiro e até renunciando, como afirmou, a uma vida confortável e tranquila.

Foi buscar num enunciado proclamado no julgamento dos nazistas em Nuremberg, em 1945, a justificativa de seu gesto: “Indivíduos têm deveres internacionais que transcendem as obrigações de obediência nacionais. Assim, cidadãos têm o dever de violar leis domésticas para impedir crimes contra a paz e a humanidade".



Enquanto foi com o Brasil, tudo bem

Data: 29/10/2013
11:13:52

A importância do Brasil na visão das grandes potências mundiais pôde ser medida com a denúncia de que a chanceler alemã, Angela Merkel, estava sendo espionada até em seus telefonemas pessoais, e que a França, monitorada em 70 milhões de ligações, exige dos Estados Unidos um documento formal de compromisso com a suspensão das ações.

No nosso caso, respostas evasivas de embaixadores e assessores de segunda classe, e nem mesmo adiantou a coincidência da Assembleia Geral da ONU para a presidente Dilma dizer desaforos na cara do presidente Barack Obama.


A resposta de Obama, en passant, foi um primor. “Começamos a rever a maneira como coletamos inteligência, para equilibrar de forma apropriada as preocupações legítimas de segurança de nossos cidadãos e aliados com as preocupações de privacidade que todos compartilhamos”.

Agora, quando são Alemanha a França que têm violada sua soberania e a privacidade dos seus cidadãos, a Agência Nacional de Segurança dos EUA se apressa a dar explicações e é anunciada a ida à Casa de “altos representantes” dos países ultrajados em busca de uma reparação, ou solução, ou explicação.



Superfolha

Data: 29/10/2013
11:11:51

Em um mês, a briosa Espanha teve 60 milhões de ligações grampeadas, o que dá dois milhões por dia. Deve ser grande a lista de pessoal da NSA.



Comissão despreza fundação, diz deputado

Data: 29/10/2013
11:11:10

A Comissão dos Direitos da Mulher, apesar de insistentemente convidada, ainda não visitou as instalações da Fundação Dr. Jesus, gerando forte reação do deputado Sargento Isidório (PSC), que coordena a ONG, voltada para recuperação de dependentes químicos.

“Fico um pouco triste, porque tenho 136 mulheres internadas. Talvez, se eu fizer um pagode, uma lambada, elas vão. Como são mulheres que vêm das drogas, elas não vão. Mas não farão falta. As deputadas de bem desta Casa, sei que um dia irão”, afirmou Isidório.

O deputado só livrou a deputada Maria Luiza Laudano (PSD), que o socorreu com o envio de alimentos quando a fundação passou por uma de suas crises financeiras. “As mulheres que precisam estão lá, meninas com 11 anos, 12 anos, grávidas, cortadas de faca”, completou.



Assunção luta para amenizar LRF

Data: 29/10/2013
11:09:58

Com um projeto de lei complementar que tramita há dois anos, o deputado Valmir Assunção (PT) quer excluir dos efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal as despesas geradas pela mão de obra oferecida por prefeituras como contrapartida para execução de programas federais.

A maiora das pequenas e médias prefeituras, se não o ultrapassou, trabalha praticamente no limite prudencial para gastos com pessoal, que é de 51,3% da receita corrente líquida, enquanto o limite máximo, de 54%, também não é muito respeitado.

É um caso, pelo menos, para análise cuidadosa da Câmara dos Deputados, pois justamente os municípios que mais dependem da ajuda federal ficam imposibilitados de aceitar convênios ou o fazem com risco – quase certeza – da transgressão da lei.



Da distribuição eleitoral de renda

Data: 29/10/2013
11:08:46

Aos que defendem a unificação das eleições, de vereador a presidente num só dia, um observador da cena política registra com ironia, mas também com boa dose de verdade: “Eleição não é política pública, mas devia ter todo ano. Distribuir renda – não é essa a finalidade da política e dos políticos?”

Os pleitos de quatro em quatro ou de cinco em cinco anos, como se pretende na “reforma política”, farão com que os políticos se afastem por longo tempo de suas bases e deixem de alimentar seus cabos eleitorais, “contribuindo para a elevação da já alta concentração de renda”.



Rejeição e multa

Data: 29/10/2013
11:07:17

A presidente da Câmara Municipal de Aporá, Joelma Nunes (PSD), a mesma que reduziu de 11 para nove o número de vereadores a fim de tirar da Casa dois adversários, teve suas contas relativas a 2012 rejeitadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios, que ainda lhe aplicou uma multa.



País dos benditos vândalos

Data: 29/10/2013
11:06:14

Há quatro meses protesta-se continuamente no Brasil. Contra o aumento dos ônibus e a falta de trens, pela construção de uma passarela ou por causa do assassinato de alguém pela polícia ou por bandidos.

Pelos mais diversos motivos, sai-se às ruas, deixando-se claro que a capacidade de tolerância da população atingiu seu nível máximo e transborda de norte a sul, por qualquer motivo, em grandes, médios e pequenos municípios.

Nessas circunstâncias, o que vem sendo chamado de “vandalismo”, como numa justificativa antecipada de repressão, é um ato legítimo, representado pela extravazão do sentimento de exclusão social que a maioria amarga neste país.

“As pessoas se queixam da falta de trens, então por que arrebentam os trens” – perguntam os que procuram lógica direta nas manifestações políticas de protesto. Por esse princípio, os usuários deveriam, então, ajudar a consertar os trens. Só que ali não está o direito, o cartesianismo. Ali está a insatisfação em estado bruto.

Convencionou-se, em junho, quando eclodiram com grande intensidade os movimentos de rua, que o gigante Brasil havia despertado. Houve medidas de avanço e acolhida do interesse popular, logo deixadas de lado, retornando, salvo gestos espetaculares mais de marketing que de governo, a acomodação geral do poder.



Tavares reclama de paralisação de barragem

Data: 29/10/2013
11:03:29

A novela do centro de convenções e do teatro municipal de Itabuna teve mais uma audiência pública, mas, segundo o deputado Pedro Tavares (PMDB), não há muita esperança. “O que se vê são as obras paradas há sete anos e nenhuma ação efetiva do governo do Estado para retomá-las”.

Depois de referir-se aos problemas que a região cacaueira está enfrentando na saúde e na segurança pública, o parlamentar questionou a paralisação das obras da barragem do Rio Colônia, que teve ordem de serviço assinada em janeiro, com prazo de execução de 18 meses.



Palanque bem-humorado

Data: 27/10/2013
15:29:50

É mesmo engraçado vídeo da cerimônia, sexta-feira, de anúncio de recursos para a “requalificação” da orla marítima de Salvador. A certa altura do seu pronunciamento, o ex-ministro Geddel Vieira Lima virou-se para trás e proferiu: “O meu correligionário Bruno Reis...”

O deputado Bruno, que trocou o PRP pelo PMDB, numa das mais sugestivas manobras da política baiana, sorriu como se não devesse levar a sério o que ouvia. Ao lado do orador, sem ter visto a reação de Bruno, o prefeito ACM Neto também sorriu por longo tempo.

Sorriram igualmente outros presentes ao qualificado palanque: o secretário Albérico Mascarenhas, o vereador Cláudio Tinoco, o presidente da Câmara, Paulo Câmara, o secretário nacional de Turismo, Fábio Mota.



Sintonia em afinação

Data: 27/10/2013
15:28:41

Risos à parte, a maré aponta para uma promissora relação entre Neto e Geddel. O prefeito já tinha dito, no ato de filiação de Bruno Reis, que se estabelecia ali uma “aliança duradoura” e revelou ainda “gratidão” pelo apoio recebido do PMDB na eleição.

Geddel agora retribui. Diz que o prefeito “age com autoridade sem ser autoritário, dá mais importância à gestão do que à política e levou Salvador da inadimplência à capacidade de investimento”.

Desta vez, os dois se juntaram para o que há de mais agradável a um gestor público: dinheiro. Salvador recebe obras voltadas para o turismo por articulação de Geddel com o liderado Fábio Mota, que informa: a Bahia tem mais de 400 obras do Ministério do Turismo, com investimento de R$ 300 milhões.



Ainda não

Data: 27/10/2013
15:26:47

Na demonstração de conhecimento do presidente nacional do PT, Rui Falcão, sobre os candidatos do partido ao governo do Estado, uma imprecisão quanto ao senador Walter Pinheiro, que, segundo ele, "já foi candidato”. Sim, a vereador, prefeito, deputado, senador. A governador, não.



Biografias

Data: 27/10/2013
15:25:39

Estarrece mesmo é saber que há um contingente, expressivo a ponto de formar um “mercado”, de pessoas interessadas em ler as particularidades escusas, vergonhosas ou lamentáveis que possam fazer parte da vida de Caetano Veloso, Chico Buarque e outros.



"Reserva" de votos aborrece em Jeremoabo

Data: 27/10/2013
15:24:49

Fonte deste blog que conhece a política local diz que, de fato, é grande a influência eleitoral do vice-governador Otto Alencar em Jeremoabo, mas alerta, sobre a notícia de que Otto teria “reservado” o município para uma eventual candidatura a deputado estadual: “Muitos começaram a cansar de ser tratados como gado”.

A atuação de Otto na região vem desde a época do carlismo. Ele é correligionário do líder político João Batista Melo de Carvalho, três vezes prefeito, marido da atual prefeita, Anabel Carvalho, e filho do ex-prefeito José Lourenço de Carvalho, que teve quatro mandatos.

Os dois deputados mais votados em Jeremoabo em 2010 são ligados a Otto por grau de parentesco: Félix Mendonça Júnior (PDT), que teve cerca de seis mil votos para a Câmara dos Deputados, e Gildásio Penedo, então no DEM, com 5.400 votos. “Não se pode desconhecer o trabalho dele pelo município”, ressalva a fonte.



Noção do tempo parece afetada em Serra

Data: 26/10/2013
10:18:39

Um aparente equívoco na charge do excelente Simanca, hoje, em A Tarde, ajuda a demonstrar o quanto é extemporânea a autoinclusão de José Serra na sucessão presidencial, quando todos sabem que no PSDB, partido que ele quase deixou há pouco, a opção é clara por Aécio Neves.

O chargista o coloca quatro vezes candidato a presidente, de 2002 até o próximo ano, quando, na verdade, o candidato tucano em 2006 foi Geraldo Alckmin. Mas não importa se isso ocorreu por erro ou por intenção do artista: vale a tradução que se faz, de que Serra quer disputar qualquer cargo que apareça.

Tudo tem sua hora para o político, mais ou menos na base de “o que tiver de ser será”. Veja-se que Serra deixou a Prefeitura de São Paulo para disputar o governo em 2006, e o argumento dos adversários de que assinara um documento dizendo que não renunciaria ao cargo não foi suficiente para derrotá-lo.

Em 2012, após a surra que levou na eleição presidencial dois anos antes, tentou voltar à Prefeitura, mas a vantagem inicial nas pesquisas foi consumida, em grande parte, justamente pelo conceito de que abandonaria novamente o cargo – e é claro que sua palavra para desmenti-lo já não valia nada.

A candidatura de Serra em 2010 fracassou, fundamentalmente, porque ele não quis bater de frente com o verdadeiro candidato, que era o presidente Lula, pois como vencer um adversário em cujo nome – e governo – não se toca? Atacar agora, como fez em recente visita a Salvador, não o teletransporta ao Planalto.

Em 2014, a eventual tentativa de Serra nada mais será que a resistência a admitir que seu tempo não é agora e que só conturba a costura que faz em torno do nome de Aécio. Na hipótese remota de vir a ser o indicado, estará fadado a novo insucesso num partido, a essa altura, destroçado.



Rebaixamento cultural

Data: 26/10/2013
10:15:05

A “liberação” da venda de acarajé na Fonte Nova durante a Copa do Mundo, nos moldes em que foi anunciada, é uma indignidade contra uma das mais autênticas tradições da Bahia, oriunda do seu ramo afro.

No máximo, seis “baianas”, em pontos sem movimentação, no lado de fora do estádio, usando fritadeiras elétricas, para depois levar o produto para dentro do estádio. Poucas vezes a culinária terá sido tão vilipendiada.

Sem atentar para a agressão a um dos símbolos mais expressivos desta terra, que a liga a suas raízes mais profundas, as nossas “baianas”, manipuladas não se sabe por quem, ainda vão fazer uma “lavagem” das escadarias do estádio para “comemorar”.



Mês de festa na Fundação Dr. Jesus

Data: 26/10/2013
10:13:22

Dentro da sua obra Fundação Dr. Jesus, o deputado Sargento Isidório (PSC) inaugurou um assim denominado “complexo esportivo e espírito-cultural” para ampliar em 600 vagas o centro em que se dedica a recuperar dependentes químicos – pela religião e também por meios científicos.

Em Candeias, mas aberto ao atendimento gratuito a pacientes de outros municípios, o complexo, além de equipamentos esportivos, como piscina, quadras, pista de atletismo e salão de jogos, tem instalações para diversos cursos profissionalizantes, destacando-se os básicos, de eletricista predial, torneiro e soldador.

Neste mês de outubro, o deputado promoveu uma série de eventos, com visitas à fundação, entre as quais a da secretária de Políticas para Mulheres, Lúcia Barbosa. Em duas dessas oportunidades, foi servido caruru, mas como os evangélicos recusam a idolatria aos chamados “santos”, Isidório esclareceu: “É o caruru de Jesus, sem Cosme e sem Damião”.



Voto secreto: o fim de um princípio

Data: 26/10/2013
10:10:22

Ante a muito provável implantação do voto aberto para todas as votações na Câmara, Senado, Assembleias e Câmaras Municipais, vale fazer algumas considerações. A política não é uma atividade asséptica e cartesiana em que se possa determinar que tudo ocorra de forma legítima, precisa e previsível.

Mesmo na democracia, haverá, principalmente pelos detentores do poder, mas também por outros atores do processo, as démarches para neutralizar o oponente e atingir o objetivo, ainda que para isso se lance mão de métodos não republicanos.

Por exemplo, um governador qualquer – não este, certamente, Jaques Wagner, que nos governa há sete anos – deseja a rejeição de um projeto ou a recusa de um nome para algum conselho, movido pelos intestinos sentimentos do que ele entende seja a política.

Do outro lado, deputados a cada legislatura mais subalternos do que jamais foram, dependendo, para realizar compromissos elementares com quem os elegeu, da graça do soberano – que ainda pode persegui-los e massacrá-los.

Nesse ângulo, portanto, nem é bom pensar no que poderia fazer um governador, um presidente, ou um prefeito, que são milhares por aí, para evitar que um veto seu fosse derrubado no Legislativo, se é que houvesse lei a ser vetada.

Esse entendimento simples da alma humana levou o legislador, em tempos remotos, a fixar uma série de casos em que os parlamentares têm a prerrogativa de votar secretamente, como garantia do livre exercício dos seus deveres de consciência.

É certo que no Brasil o chamado espírito da lei virou caixa de pancada, e os possuidores desse direito de determinar como as coisas poderiam acontecer no país usam o voto secreto como uma máscara, por exemplo, para instituir o deputado-presidiário.

Mas não é possível revogar um princípio universal do regime democrático somente porque os que deveriam guardá-lo esbaldam-se em pisoteá-lo. O que se impõe a qualquer custo é a elevação do nível da política, porque, a continuar como está, não haverá dispositivo legal que a conserte.



Aos bares, restaurantes, boates e botequins

Data: 26/10/2013
10:07:31

O Procon se aborrece com o possível aumento da birita. E adianta-se em dizer que o reajuste da alíquota do ICMS de bebidas alcoólicas por lei aprovada na Assembleia Legislativa “não justifica, necessariamente, a majoração excessiva do preço desses produtos para os consumidores baianos”.

O órgão alega que “o valor dessas mercadorias depende de outras variáveis econômicas e de insumos não tributados pelo Estado da Bahia”, e garante estar atento aos “princípios da proteção ao consumidor e da harmonização do mercado de consumo” – portanto disposto a adotar as “medidas legais cabíveis” se alguém tergiversar.



Vereadores pressionam pela BR-235

Data: 24/10/2013
11:29:29

Vereadores de Jeremoabo estão em pé de guerra com mais um cancelamento da licitação para as obras da BR-235, que se encontra em estado lastimável, prejudicando a população e a economia da região.

A revolta maior dos vereadores é pelo fato de não terem recebido nem uma explicação, e na última sessão da Câmara muitos disseram que, se a estrada não for recuperada, não terão como pedir votos para deputados federais e estaduais que aparecerem.

Os mais votados  no município em 2010 foram Félix Mendonça Júnior (PDT), Mário Negromonte (PP), Paulo Rangel (PT) e Marcelo Nilo (PDT). Feliz é o ex-deputado Gildásio Penedo, também bem votado, mas que foi para o TCE e não depende mais do eleitorado.



Quanto melhor, pior

Data: 24/10/2013
11:28:11

Na condição de autor do prefácio, o ex-presidente Lula foi a Portugal para o lançamento do livro “A confiança no mundo – sobre a tortura e a democracia”, do ex-primeiro-ministro José Sócrates.

Poderia ter ficado nessa contradição, pois foi presidente oito anos e nem consta que tenha se referido à tortura diária que se pratica em delegacias brasileiras, e tortura é tortura, não interessa quem a sofre.

Mas preferiu repetir a mais esdrúxula e ridícula tese de que se tem notícia para movimentos político-sociais: o povo brasileiro protesta nas ruas porque melhorou de vida.

 



Deputado aponta sumiço de juiz

Data: 24/10/2013
11:26:37

O deputado Marquinho Viana (PV) acusa o juiz da comarca de Barra da Estiva, Egídio Lima Lopes, de ter desaparecido sem cumprir determinação do Tribunal de Justiça para liberar recursos do município, que ele bloqueou na rede bancária.

O primeiro bloqueio, de R$ 40 mil, decorreu de pedido do Ministério Público, porque a Prefeitura não havia pago R$ 3.500 do medicamento de um paciente. Sanado o problema, o magistrado não recusou da decisão e ainda bloqueou mais R$ 50 mil, impedindo o pagamento de salários na saúde.

A Prefeitura deu entrada em medida cautelar no TJ, tendo o Pleno concedido liminar na última sexta-feira. Mas, disse o deputado, “o juiz viajou, não sabemos onde ele está. Foi pedida uma certidão no cartório, ele colocou o processo embaixo do braço e saiu sem dar satisfação aos advogados do município”.



Assistência piora em Camacan

Data: 24/10/2013
11:25:17

Com o encerramento, há pouco mais de 15 dias, das atividades da Fundação Hospitalar, Camacan, que até o ano passado tinha três, ficou reduzido a um hospital para uma população de 32 mil habitantes.

A denúncia é do deputado Sidelvan Nóbrega (PRB), que fez um apelo ao secretário Jorge Solla para verificar a situação, pois “antes eram feitos 1.300 atendimentos por dia e agora a maioria dos doentes precisa se deslocar para Itabuna e Salvador”.



Contratação inexplicável

Data: 24/10/2013
11:24:06

Para justificar a contratação sem licitação, por R$ 6 milhões, de uma empresa de consultoria que no começo do ano prestara “serviços gratuitos” à Prefeitura de Salvador, o prefeito ACM Neto terá de dar explicação mais convincente que a apresentada pelo seu chefe da Casa Civil, Albérico Mascarenhas.

Por exemplo, dizer que a Prefeitura procurou em todo o planeta e não encontrou outra alternativa. Alegar o risco de “descontinuidade” no trabalho já executado pela própria empresa McKinsey é uma desculpa absurda.

Aliás, é de intrigar que o prefeito tenha se metido nisso, porque, por mais legal que seja a operação, ele tem uma perda evidente de confiança com o ato, esperando-se que não seja sinal de que, presunçoso pelo bom início de gestão, ache que pode fazer qualquer coisa.




Página Anterior    Próxima Página