Salvador, 17 de dezembro de 2017

O ditador Geisel reatou com a China

Data: 31/05/2015
15:07:15

A direita furibunda enxerga nos acordos que o Brasil fechou com a China para investimentos estimados em US$ 53 bilhões um crime de lesa-pátria, que só ocorreu porque interessa ao governo, digamos, de Dilma Rousseff, parceiros pouco afeitos a controles rígidos e transparência.

A questão é que a China é que se apresenta para os negócios – e com ela temos uma tradição secular de entendimento, excetuados os anos coincidentemente iniciais da Guerra Fria e da Revolução Chinesa. Estados Unidos e Europa, ultimamente, têm exportado crise.

Desde Nilo Peçanha, há mais de cem anos, praticamente todos os presidentes brasileiros tiveram com os chineses acordos e decisões, totalizando mais de uma centena, sobre os mais variados temas, como comércio, tributação internacional, transporte, agricultura, tecnologia espacial e até o temido “uso pacífico da energia nuclear”.

Coube aos generais da ditadura, indubitavelmente direitistas, consertar uma aberração diplomática que o alinhamento ocidental nos impunha, com o restabelecimento, pelo presidente Ernesto Geisel, em 1974, das relações com a China, cortadas desde 1949.



Cooperação tem prazo até 2022

Data: 31/05/2015
15:05:00

Essa sucessão de passos culminou com a assinatura por Dilma, em 2012, do Plano Decenal de Cooperação com a China, do qual, portanto, os recentes acordos são um desdobramento natural.

Dois anos atrás, os dois países tinham firmado um acordo de troca de divisas, limitado a US$ 30 bilhões e a vigorar até 2016, para defender suas operações comuns das variações do dólar.

Em 2012, já haviam sido concedidos à Petrobras, pelo banco de desenvolvimento chinês, US$ 3,5 bilhões. O novo empréstimo à estatal recentemente anunciado, de US$ 7 bilhões, é, assim, comprovação de que a Petrobras, para usar um chavão, é infinitamente maior que a quadrilha que a assaltou.



Um “império” de indústria e comércio

Data: 04/06/2015
14:03:55

A verdade é que no concerto duro das nações em torno de geografia e dinheiro, ninguém se salva. Os Estados Unidos atuam militarmente em todos os pontos do planeta. A Rússia invade, anexa e bombardeia.

A China tem seus pepinos com Taiwan, “a província rebelde”, mas vejam-se seus exemplos de inserção, com todo o trogloditismo remanescente, em Hong Kong e Macau, ao contrário de outros que mantêm “possessões” em território alheio à margem do direito internacional.

É a marcha de um país que instala seu império sem disparar um único tiro. O Brasil não tem contra que protestar. Tem de preparar-se para enfrentar as mesas de negociação disponíveis.

Independentemente de nossa vontade, o monstro oriental nos atinge em seus movimentos, como atesta a própria Confederação Nacional da Indústria, ao registrar em novembro de 2014 uma retração média de 11% nas importações pela Argentina, nosso terceiro maior parceiro comercial, abaixo, pela ordem, de China e Estados Unidos.

De produtos brasileiros, diz a CNI, a redução foi de 25%, enquanto a de chineses, 4%. No setor de máquinas e equipamentos, enquanto o Brasil reduziu em 34% as vendas à Argentina, a China aumentou sua cota em 14%, tendência acentuada por acordo sino-argentino assinado em janeiro.



Lista de oprimidos só fez crescer

Data: 01/06/2015
15:10:54

Mao Tse Tung disse que “os Estados Unidos são um tigre de papel” – assim a frase foi popularizada, mas na verdade ele disse, no título de um de seus textos mais importantes, escrito em 14 de julho de 1956, que “o imperialismo americano é um tigre de papel”.

Os Estados Unidos são a matriz do imperialismo mundial, isso dito sem ranço ideológico, apenas pela constatação da realidade. E não é de agora, como comprova o início do documento escrito pelo líder revolucionário chinês, abaixo transcrito:

"Os Estados Unidos têm ostentado por todo o lado a bandeira anticomunista, com o fim de perpetuarem a agressão contra outros países.

"Os Estados Unidos têm contas a ajustar em toda parte, não só nos países da América Latina, da Ásia e da África, mas também nos da Europa e da Oceania. Todo o mundo, incluindo a própria Inglaterra, tem aversão pelos Estados Unidos. As massas do povo não gostam deles. O Japão também antipatiza com os Estados Unidos porque é por eles oprimido. Nenhum dos países do Oriente está livre da agressão americana. O Japão, a Coréia, as Filipinas, o Vietnã e o Paquistão sofrem todos eles a agressão americana, embora alguns deles sejam aliados dos Estados Unidos. Os povos estão descontentes e, em alguns países, os próprios governos também o estão”.



EUA gastam em defesa 120 vezes mais que o Brasil

Data: 04/06/2015
14:05:40

Se a China é uma forte ameaça à hegemonia econômica norte-americana, no plano militar a competição é muito desigual, apesar de ser a China o segundo orçamento de defesa do mundo.

Dez anos atrás, os americanos despendiam dez vezes mais que a China em capacidade bélica.  Hoje, essa relação caiu para cinco e tende a diminuir, pois a China incrementa em 10% ao ano o gasto com defesa.

Conforme dados da Peter G. Peterson Foundation, os Estados Unidos investiram no ano passado US$ 640 bilhões com defesa, o que equivale à soma dos orçamentos dos oito países seguintes.

Índia, Japão, Alemanha, Reino Unido e França tiveram gastos semelhantes, totalizando US$ 250 bilhões.

Entre os maiores orçamentos estão Arábia Saudita (US$ 60 bilhões) e Rússia (US$ 90 bilhões), mas a medalha de prata fica mesmo com os chineses, com US$ 180 bilhões.

Para dar uma ideia da dimensão do Brasil nesse cenário, após os recentes cortes promovidos pela equipe econômica, o orçamento para a “defesa” no Brasil ficou em US$ 5,3 bilhões.



PDT é página virada para Nilo

Data: 30/05/2015
11:27:49

O presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo deu ao presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, prazo de 15 dias para marcar a convenção na Bahia em tempo hábil de uma possível filiação sua a outra legenda caso seja vencido pelo deputado federal Félix Mendonça Júnior na disputa pelo comando do partido na Bahia.

Nilo não aceita a decisão de Lupi de fazer a convenção no final de setembro, o que lhe retiraria espaço de manobra em caso de derrota, e assim deixará o partido se não houver mudança de data. “Deputado federal é muito importante no valor do Fundo Partidário, e esse Lupi é muito malandro”, disse um parlamentar a este blog.

A análise praticamente descarta a possibilidade de Nilo ganhar a convenção, e a convivência entre ele e Félix Jr. é hipótese inexistente: “A coisa ficou muito feia. Não se divulgou nem um por cento do que um disse ao outro nesse conflito”, assegurou, acrescentando que “Marcelo precisa ter um partido que ele controle”.

Tal necessidade decorre dos planos de Nilo de lançar-se a senador em 2018, quando serão disputadas duas vagas. “Marcelo sabe que não dá para continuar deputado estadual, principalmente depois de dez anos de presidente, e sabe também que Otto e Leão se viabilizaram para a chapa majoritária porque têm o PSD e o PP”.



Opções tornam nebuloso o futuro

Data: 30/05/2015
11:25:12

O fato é que Nilo vive uma das situações mais difíceis de sua carreira política, obrigado a tomar um caminho até agora nebuloso. Mas as opções não podem ser vistas como pacíficas.

Por exemplo, o PSB, sob férreo controle da senadora Lídice da Mata, com quem as relações do presidente da Assembleia, sempre amistosas, experimentaram grave crise na última campanha.

Restaria o nascituro PL. Na ida a Brasília, Nilo encontrou-se também com Gilberto Kassab, presidente do PSD e articulador do novo partido, cujo registro já foi solicitado ao TSE.

O problema é que na própria corte transpirou a ideia de que a maioria das assinaturas seriam de filiados ao PSD e que a nova legislação, que proíbe essa espécie de “dupla militância", alcançaria o PL.

Outro participante do encontro na capital federal foi o senador Otto Alencar, que assegurou ao deputado Nilo, mesmo em caso de não-viabilização do PL, que o PSD lhe concederá a vaga para concorrer ao Senado.



Quando a fidelidade não dá certo

Data: 30/05/2015
11:23:25

Diz-se que não é recomendável em política ficar mudando de legenda para não passar ideia de instabilidade. Ao contrário, a firmeza de convicções que leva uma pessoa a manter-se fiel às origens seria uma garantia elementar de sucesso pela solidariedade dos companheiros.

O deputado Marcelo Nilo bem que tentou manter essa coerência, mas, para ele, só tem dado errado – desde que teve de deixar o PSDB quando o partido resolveu apoiar para governador alguém que foi seu adversário a vida toda.

Agora no PDT, depara-se com um adversário interno que, apesar de neófito no ramo, tem se mostrado poderoso, num cenário absolutamente original, pois Félix Jr. mantém a presidência do partido contra a maioria dos parlamentares e prefeitos da legenda.



A Justiça contra os empacotadores

Data: 30/05/2015
11:22:25

O projeto do deputado Targino Machado (DEM) para que os supermercados coloquem um empacotador por caixa em funcionamento é excelente: acelera o atendimento, facilita a vida de consumidores com limitação física, eleva o nível de emprego e dá oportunidade de trabalho a portadores de deficiência.

É uma pena que jamais venha a se tornar realidade, como outros já apresentados em nível municipal. As grandes redes, com exceções, enxergam o serviço unicamente como custo e sempre estão dispostas a impedir com recursos judiciais a vigência de qualquer lei dessa natureza.



Sempre Millôr

Data: 30/05/2015
11:21:30

A condenação, por um professor inglês, da borracha de apagar, que “perpetua uma cultura de vergonha sobre o erro”, conduz inevitavelmente à lembranca do grande Millôr Fernandes: “Viver é desenhar sem borracha”.



Aécio esperou 12 anos para pregar reformas

Data: 30/05/2015
11:51:45

As constantes aparições do senador Aécio Neves (PSDB) como líder da oposição, a exemplo de ontem, quando criticou o PIB trimestral negativo de 0,2%, apenas realçam um traço de caráter que, se em geral favorece os maus políticos, por outro lado não é modelo com que sonhe, ainda que inconscientemente, a sociedade brasileira: o oportunismo.

“São 12 anos sem ocorrer ao menos uma das reformas importantes para economia e sem qualquer providência para dinamizar a economia”, analisou, sem explicar onde estavam ele e outros correligionários de ponta nesses 12 anos que não viram os alegados desmandos, nem na origem, nem no transcurso.

Da oposição, espera-se que, em tempo integral, acompanhe e fiscalize o governo, denunciando as ações e medidas que julgar contra o interesse público, mesmo que, aparente e momentaneamente, isso possa causar impacto negativo sobre seus próprios projetos.

Os tucanos, porém, temeram o ex-presidente Lula por oito anos e a presidente Dilma por mais quatro. Os erros que cometeram foram esquecidos, como candidatos, por Geraldo Alckmin e José Serra. Agora que sentem que chutam cachorro morto, escalam o plantonista Aécio para o papel sujo de aproveitar a maré.

E concluiu o senador mineiro, como se tivesse desembarcado hoje no país, após décadas de algum exílio voluntário: “O Brasil precisa sair do buraco em que foi colocado pelas gestões temerárias do PT. Não há mais tempo a desperdiçar”.



Vocação barrada

Data: 30/05/2015
11:18:53

Aliás, o oportunismo de Aécio, que está inscrito em sua própria carreira, de herança paterna e avoenga, manifestou-se antes na tentativa de precipitação de um processo de impeachment contra Dilma, imediatamente rechaçada pelo guru-mor, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.



Adutora do Zabumbão preocupa Brejinhos

Data: 28/05/2015
14:00:49

A população ribeirinha do Vale do Paramirim, especialmente no município de Oliveira dos Brejinhos, está apreensiva em virtude da construção da adutora do Zabumbão. Apesar de não fazer parte do Território de Identidade da Bacia do Rio Paramirim, é o município que tem maior área banhada pelo rio.

Desde a construção da barragem que os ribeirinhos a jusante da bacia vêm sofrendo com a diminuição do fluxo das águas. Enchentes, que eram constantes, hoje são uma raridade. Com o projeto da adutora, a apreensão aumenta. O Rio Paramirim está em estado de agonia. Seus pequenos afluentes estão assoreados e praticamente desapareceram as matas ciliares.

A preocupação é trazida a este blog pelo leitor Jotazêr Paraizo Leite, que espera “uma ação governamental para revitalizar a bacia, assegurando sua sobrevivência”. No entanto, o entendimento é de que a barragem não tem capacidade para atender municípios com população total de 196 mil pessoas, já que hoje abastece apenas 56 mil.

Como é ponto pacífico que é impossível retirar água da barragem, devido à baixa capacidade, aventa-se, segundo Jotazêr, a possibilidade de construção de barragens em seus poucos afluentes, “o que aumenta ainda mais a apreensão, pois o rio certamente deixará de correr".

Proposta mais consistente seria a construção de pequenas barragens ao longo do percurso, para armazenar água em toda a extensão do rio sem causar danos ambientais de grandes proporções e sem afetar gravemente a população ribeirinha.



Ficha suja não evitou Oziel na Adab

Data: 28/05/2015
11:00:26

O ex-deputado Oziel de Oliveira (PDT) teve contas de sua gestão de prefeito de Luís Eduardo Magalhães rejeitadas pelo Tribunal de Contas do Estado e, além de multa de R$ 4 mil, foi responsabilizado financeiramente em R$ 106.561, que terá de devolver aos cofres públicos, atualizados monetariamente e acrescidos de juros de mora.

Essa informação não é exatamente uma novidade, porque data de 2006 e se refere ao descumprimento dos termos de um convênio com a Secretaria da Agricultura para a realização de feiras de agronegócios, como a falta de comprovante de pagamentos realizados a terceiros.

O que causa estranheza – daí a necessidade de reciclar a velha notícia – é Oziel ser, desde fevereiro, diretor-geral da Adab, embora enquadrado na Lei da Ficha Limpa e o parágrafo 2º da Constituição estadual vedar a nomeação para cargo de confiança de “qualquer agente político ou público, cujas contas tenham sido desaprovadas, com imputação de responsabilidade financeira...”



Um assunto que rola há dez anos

Data: 28/05/2015
10:58:51

O processo tem sido tão longo quanto ineficaz. Em 2006, o TCE desaprovou as contas do convênio, emitindo a Resolução nº 740. Três anos depois, rejeitou recurso, emitindo o Acórdão nº 300/2009, que mantinha a desaprovação.

Em 2011, no último recurso que o ex-prefeito pôde fazer, o Tribunal manteve a desaprovação das contas através do Acórdão nº 148/2011, o que determinou a inelegibilidade de oito anos.

Oziel constou na lista dos gestores com contas rejeitadas em 2012 e também apareceu na lista de 2014. No primeiro caso, para candidatar-se a prefeito obteve uma liminar no Tribunal de Justiça do Estado da Bahia.



Troca de turno

Data: 28/05/2015
10:57:26

Janot quer tirar a corrupção do dia a dia dos brasileiros, mas o problema é que ela continuaria no noite a noite.



Guarda-roupa sortido

Data: 28/05/2015
10:56:49

O deputado Bira Corôa encontrou uma maneira de defender seu partido das investidas verbais do líder da oposição, Sandro Régis, que é do DEM, descendente em linha direta da UDN, Arena, PDS e PFL:

“Não tenho nenhuma vergonha de dizer que sou do Partido dos Trabalhadores, que está promovendo uma transformação social, econômica e política no nosso país e não precisou trocar de camisa cinco vezes, como outros partidos”.



Mandato majoritário nunca pressupôs fidelidade

Data: 28/05/2015
10:55:46

A decisão do Supremo Tribunal Federal desconhecendo a fidelidade partidária no caso dos senadores é, há muito tempo, uma espécie de consenso no meio político, diante do entendimento de que somente no pleito proporcional o partido contribui, com seus votos, para a eleição de candidatos.

Assim, havendo perda de mandato por infidelidade comprovada, assume a cadeira o suplente seguinte (se for coligação, o primeiro da mesma da mesma legenda), preservando o direito do partido à integralidade da bancada.

Em pleitos majoritários, pode não haver sucessor legítimo para o presidente, governador, prefeito ou senador, porque, em geral, são eleitos em composições que trazem como vices ou suplentes aliados de outras legendas.



Sai do PT quem quiser, sem risco

Data: 28/05/2015
10:54:27

No exemplo mais emblemático que temos hoje, a senadora Marta Suplicy, que se desfiliou do PT, se viesse a ser cassada por infidelidade, como queria seu ex-partido, deixaria o mandato para um suplente do PR, Antônio Carlos Rodrigues, que, aliás, ocupou a cadeira enquanto Marta foi ministra do Turismo.

Mesmo sendo o segundo suplente um petista, Paulo Frateschi, haveria dois obstáculos: a precedência do primeiro suplente e a impossibilidade de a legislação ser discricionária, já que, em numerosos outros casos, o mesmo princípio não poderia ser aplicado.

Ainda que o Supremo não tomasse a decisão, Marta não correria risco, pois qualquer petista que saia hoje do partido sob a alegação de que este se desviou de sua proposta e de seu programa teria todas as condições de ser acatado de bate-pronto pela Justiça Eleitoral.



Na língua do p

Data: 28/05/2015
10:53:04

Entreouvido num boteco: “Pré-sal produziu propina em vez de petróleo”.
 



País amanhece sem reeleição

Data: 28/05/2015
02:12:29

O fim da reeleição para cargos do Poder Executivo foi aprovado pouco antes da meia-noite pela Câmara dos Deputados. A medida, que teve 452 votos favoráveis, não se aplica, no entanto, a governadores e prefeitos que se elegeram em 2014 e 2012, , respectivamente, para o primeiro mandato.

Pouco antes, os deputados haviam aprovado a norma que permite as doações de empresas a partidos políticos, operação supostamente mais fácil de fiscalizar que doações diretamente a candidatos, que tinham sido rejeitadas terça-feira pela Casa.

As mudanças carecem ainda de aprovação em segundo turno na Câmara e em dois turnos no Senado. Hoje, os deputados se reúnem a partir do meio-dia para decidir sobre a duração dos mandatos.



Política e democracia se salvam no primeiro “round”

Data: 27/05/2015
21:22:59

Solta a respiração a consciência da nação brasileira com a rejeição dos dois principais instrumentos que matariam na origem a democracia brasileira: o voto em lista fechada e o “distritão”, que transformaria a eleição de deputado (e vereador) em majoritária.

Em ambos os casos, a vítima maior seria a representatividade. No primeiro, dirigentes dos partidos fariam a seu bel-prazer a relação dos candidatos a ocupar, pela ordem, cadeiras que o partido conquistasse.

Não interessaria a mensagem do candidato, o segmento em nome do qual ele trouxesse ideias e avaliações. A bancada seria produto dos votos da legenda, mas caberia à burocracia partidária definir parlamentares preferenciais, independentemente da votação individual.



“Distritão” era monstrengo de gestação antiga

Data: 27/05/2015
21:21:26

Quanto ao “distritão”, o primeiro comentário neste blog sobre a rumorosa proposta foi feito no dia 13 de março de 2011, em nota sob o título “O ‘distritão’ pós-Tiririca”.

Dissemos então que, nesse sistema, o deputado-comediante não mais contribuiria para a eleição de candidatos de baixa votação.

Foram seis nas duas eleições que disputou: quatro em 2010, quando chegou 1 milhão e 300 mil votos, e dois no ano passado, quando teve 1 milhão de votos.

O texto terminava com a perspectiva hoje afastada pela decisão da Câmara: “Entretanto, o ‘distritão’ será o fim dos partidos políticos como supostos detentores de ideias e programas para julgamento do eleitorado”.



Financiamento: um golpe na corrupção eleitoral

Data: 27/05/2015
21:20:05

Merece destaque a derrubada da proposta que pretendia incluir na Constituição o financiamento privado de campanhas políticas para partidos e candidatos, que todos reconhecem como uma das maiores fontes da corrupção eleitoral.

A prática ostensivamente escusa de grandes empresários pagarem as campanhas de todos os candidatos aos principais cargos do Executivo e do Legislativo está sendo derrubada no Supremo Tribunal, que ainda não concluiu a votação por causa do famigerado pedido de vista do ministro Gilmar Mendes, que já completou o primeiro aniversário.

O interesse das forças capitaneadas pelo presidente da Câmara, Eduardo Cunha, era neutralizar a virtual decisão do Supremo. Nessa matéria, Cunha ainda está tentando uma nova manobra de rodada de votação em curso nesta noite de quarta-feira, mas tudo indica que o plenário – que o levou ao cargo – está atento.



Decisão sobre reeleição dirá que reforma é essa

Data: 27/05/2015
21:17:26

O aspecto mais importante das votações da reforma política até aqui realizadas foi a constatação de que, afinal, o país não está nas mãos do presidente Cunha.

Acusando o golpe da derrota que tentou autoritariamente evitar, ele acusou a Casa de não quer “mudar nada” e previu que “não vai passar nada” no pacote da reforma.

É possível que esteja enganado, pois, pelo menos nas primeiras decisões tomadas, ainda que tudo tenha permanecido como está, a maioria do plenário escolheu as melhores opções.

O indicador de propósitos dos deputados federais está agora com o fim da reeleição. Se não for aprovado, aí Cunha terá razão: “Vai cair a máscara daqueles dizem que querem reforma política e não votam”.

O presidente queria fazer uma reforma à sua imagem e semelhança. Como não compreendeu plenamente o momento na Casa que dirige, foi derrotado, e por ato puramente diversionista ressalta a “contradição” entre o ânimo da presidente Dilma pela reforma e o voto contrário do PT.



PCdoB foi na contramão dos aliados

Data: 27/05/2015
21:15:27

Quatro partidos votaram unanimemente contra o “distritão”, perfazendo 130 votos: PT (62), PR (31), PRB (20) e PDT (17). O PCdoB também foi unido, mas a favor, com 13 votos.

Ficaram majoritariamente com o projeto PMDB, PP, PTB e DEM. Já as bancadas do PSDB e PSD se apresentaram divididas.



Estetas também metem a mão

Data: 27/05/2015
21:14:16

A exposição de obras de arte recuperadas de réus da Operação Lava-Jato, crescendo cada vez mais, demonstra que corrupção também é cultura.



Hai-kai

Data: 26/05/2015
14:06:11

Pousos forçados
Aproximam os famosos
Dos deserdados.



Mesa aperta controle para garantir presenças

Data: 26/05/2015
14:05:13

A atual prática da Assembleia Legislativa de só liberar o registro de presença de deputados às 14 horas ajudará a formação de quórum para abertura da sessão desta terça-feira.

É o dia em que geralmente ocorrem as votações, e a falta nessa circunstância representa o corte do dia de, digamos, trabalho, atualmente da ordem de R$ 700.

Na reunião da Mesa Diretora, hoje de manhã, essa filosofia, segundo fonte deste blog, foi reforçada: abono só com atestado médico ou caso o deputado esteja em missão oficial.

A ausência do plenário em dia de votação sob a alegação de audiência só é válida se o encontro for com ministros ou dirigentes de órgãos em Brasília. “No interior não vale”, advertiu a fonte.

De qualquer forma, não deverá haver nenhum movimento para derrubar a sessão por insatisfação na bancada governista, mesmo porque não há projeto de maior importância na pauta.



Sanches é destaque entre insatisfeitos

Data: 26/05/2015
14:03:27

A propósito, é uniforme o desagrado dos deputados da base do governador Rui Costa com o tratamento que vêm recebendo.

A exceção é Alan Sanches, líder do PSD, que está alguns pontos acima da zanga normal, mas há há interpretação de que, por ser candidato a prefeito e liderado do senador Otto Alencar, se julga merecedor de atenção especial.

“Ele se acha poderoso, está exigindo demais”, disse um deputado, referindo-se à frustração de Sanches por não ter indicado nem a presidência nem uma diretoria na Bahiafarma.

Os outros deputados estão insatisfeitos, mas tem prevalecido a “compreensão para o momento de crise, em que nenhum órgão do Estado está fazendo nada”.

Mesmo assim, parte da bancada se ressente da falta de um diálogo mais efetivo com  o governador, que praticamente não recebe ninguém. A pouca conversa disponível só é possível em atos públicos.



Deputado solidário com expulso do PSOL

Data: 26/05/2015
14:01:46

O deputado Sargento Isidório (PSC) revela-se eclético em suas relações políticas, transitando da solidariedade ao deputado federal Cabo Daciolo, expulso do PSOL, à proposta de título de cidadão baiano para o desembargador do TRT Luiz Roberto Peixoto de Mattos Santos.

Daciolo quis mudar o texto da Constituição para colocar Deus em lugar do povo como fonte do poder. Isidório vê perseguição ao parlamentar, que é evangélico, e julga irônico que o deputado Jean Wyllys, do mesmo partido, seja “livre para propor toda a sorte de aberrações contra a família de Deus”.

O jurista, por sua vez, mereceu a distinção por desenvolver, “paralelamente à magistratura, inúmeras atividades, como a administração de um site com mais de 160 mil acessos, que mantém livros disponíveis para download gratuito, além de mais de 130 textos de sua autoria sobre temas filosóficos, reflexivos”.



Jogo de palavras

Data: 26/05/2015
13:46:35

Em entrevista ao radialista Mário Kertész, hoje, na Metrópole, o deputado Marcelo Nilo reduziu a dois seus inimigos irreconciliáveis na política baiana: os deputados Antonio Imbassahy, “que não tem palavra”, e Félix Mendonça Júnior, “filhinho de papai que não sabe conduzir uma reunião política”.

Do primeiro está desvencilhado, já que ele é governo e o outro, oposição. Mas com o segundo é obrigado a uma convivência que reserva fortes terremotos até a disputa, prevista para agosto, do comando regional do PDT.

O entrevistador provocou sobre as verdadeiras intenções do presidente nacional do partido, Carlos Lupi, que poderia desrespeitar o compromisso de isenção assumido com os dois competidores. “De jeito nenhum”, disse Nilo, “comigo ele sempre cumpriu a palavra”.



Antes nunca do que tarde

Data: 26/05/2015
13:45:18

Faltava a solidariedade de Maluf a Dilma. Faltava.



Recursos não contabilizados

Data: 26/05/2015
13:44:46

Alguém viu o R$ 1,7 milhão que o Ministério da Integração Nacional “autorizou” há mais de uma semana para atender à emergência em Salvador?
 



País pode ser vítima de novo sistema eleitoral

Data: 26/05/2015
13:44:13

O deputado Eduardo Cunha já demonstrou de sobra que tem um projeto de poder, ainda que seja a facão. Essa postura é que levou à situação que vivemos neste início de tarde, a pouco tempo da sessão da Câmara dos Deputados que votará o sistema eleitoral a vigorar no Brasil.

Trata-se de tema tão importante e sensível que é de surpreender não ter sido rigorosamente monitorado por setores da sociedade que vivem clamando nas “redes sociais” por mudança no Brasil, neste caso inertes ante o risco institucional que corremos.

Já estarrece o fato de que o establishment político tenha chegado a tal ponto do processo tão indefinido entre fórmulas cujos efeitos e beneficiários são conhecidos, pois o futuro se prenunciará imutável.

Desponta o “distritão”, voto majoritário para deputado, que Cunha tenta empurrar na garganta da nação e que significará o fim dos partidos para entronização do dinheiro e da fama como marcos reguladores da estrutura política brasileira.

Outra opção – o voto em lista fechada – será como um tapa na cara da cidadania, pois serão os critérios das cúpulas partidárias a dizerem quem será ou não deputado.

O sistema misto com o “distritão”, por fim, completa o rol de excrescências, pois simplesmente reúne as duas aberrações acima citadas.

Entre tais alternativas, não há possibilidade de salvação do espaço democrático na legislação eleitoral. Serão anomalias da “reforma política” desde logo carentes de alteração.



Coerência a toda prova

Data: 26/05/2015
13:42:17

Vem de Eunápolis, Bahia, uma notícia alentadora: um jovem tentou assaltar evangélicos que voltavam de um culto e foi por eles imobilizado e conduzido a uma delegacia.

Fosse algum outro grupo populacional que não professasse exatamente o princípio da vida e os valores da espiritualidade e teríamos mais um linchamento nas estatísticas.
 



Biriteiro tem arte

Data: 26/05/2015
13:41:17

Cerveja com características especiais que pode ser sorvida no café da manhã.



Uma vizinhança dolorosa demais

Data: 25/05/2015
14:47:25

A recente tragédia da Conceição da Praia teve especial repercussão em todo o Brasil por ter ocorrido no centro histórico de Salvador, região em geral focalizada com interesses promocionais e turísticos, de fato atraindo muito visitantes.

O noticiário nacional destacou o aspecto que pareceu mais importante: a proximidade do deslizamento de terra com o Elevador Lacerda, talvez o maior ícone arquitetônico desta vetusta capital.

Coube ao jornalista Vítor Hugo Soares, no artigo “Verões do poder em Aratu e outono triste em Salvador”, publicado no site Bahia em Pauta, chamar a atenção para o que ninguém lembrou: “Poucos metros acima, na Praça Tomé de Souza, fica o prédio da Prefeitura”.

Para aproveitar a própria condição do sítio, pode-se dizer que a administração municipal sucumbiu a um problema “histórico”, porque a verdade é que esta cidade é uma bomba-relógio no que diz respeito a ocupação irregular e destruição pelas chuvas. É como um destino, até hoje pouco contestado seriamente.

A sociedade é desigual, as oportunidades continuarão rareando para a massa, e a formação de novos focos de conflito – de variada natureza – é somente questão de tempo.  A Prefeitura não consegue prevenir a desgraça bem pertinho de sua sede, e isso é apenas o símbolo da incapacidade sistêmica.



Do caos nasce a publicidade

Data: 25/05/2015
14:45:05

Contraposta ao clima de desgosto com as mortes e destruição decorrentes das chuvas, torna-se mais reprovável ainda a torrente de propaganda que a Prefeitura despeja nos órgãos de comunicação.

Além do caráter perdulário que transmite numa situação de crise, a prática traz intrínseca a imoralidade, salvo as campanhas de natureza institucional, de ser o uso de dinheiro público na construção de uma imagem política.

Uma peça, particularmente, é digna de registro: a que anuncia o cartão “primeiro passo”, que distribui, sob certas condições, R$ 50 mensais a crianças de até cinco anos, no limite de três por família, para suprir necessidades básicas.

O programa é restrito a crianças carentes que não tenham conseguido vaga em creches e escolas da rede municipal. Seu custo mensal é estimado em R$ 900 mil, despertando a curiosidade de ver tal quantia comparada ao dispêndio do anúncio.

No caso do atual prefeito, a moderação é mais recomendável por ser ele um dos proprietários de meios de comunicação que, até pela vanguarda de audiência que ostentam, são, pelo critério da “mídia técnica”, dos que mais se beneficiam com a dinheirama.



Campanha rouba espaço da Petrobras

Data: 25/05/2015
14:42:49

“Somos a energia do Brasil”, diz, capciosamente, o slogan da campanha lançada pela Eletrobras.

Nem se poupou do uso da palavra “energia”, usada, como se sabe, pela Petrobras no dístico “O desafio é a nossa energia”.

Ou seja, a ex-poderosa estatal, ainda cambaleante após a sequência de cruzados que recebeu, sofre esse bullying da prima pobre.

Golpe publicitário sempre foi tática usada por muitos vida afora. Golpe de publicitário é a primeira vez.




Página Anterior    Próxima Página