Salvador, 21 de outubro de 2017

Bancadas fecham acordo e aprovam LDO em 1º turno

Data: 30/06/2014
18:49:24

Depois de um acordo entre governo e oposição, a Assembleia Legislativa aprovou agora à noite, em primeiro turno, o projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias, com base na qual, no fim do ano, será elaborado o orçamento do Estado para 2015.

O segundo turno da LDO ficou para a próxima segunda-feira, quando, enfim, poderá ser iniciado o recesso de meio de ano, liberando os parlamentares para a campanha eleitoral.

É possível que, no mesmo dia, seja votado também o projeto de reestruturação da Polícia Militar, que chegou sexta-feira à Assembleia.

O acordo envolveu a aprovação de outros projetos do Executivo, como os que reestruturam cargos do magistério e agentes penitenciários.



Corpo de Bombeiros é desvinculado da PM

Data: 30/06/2014
18:47:27

Por sugestão do líder do DEM, deputado Carlos Gaban, foi suprimido da PEC que concede autonomia financeira e administrativa ao Corpo de Bombeiros, desvinculando-o da PM, um inciso que tratava simultaneamente de política de pessoal e dotação orçamentária, o que é inconstitucional.

A PEC foi aprovada em dois turnos por unanimidade, passando a corporação a chamar-se Corpo de Bombeiros Militar, subordinado à Secretaria da Segurança Pública. Os temas agora retirados voltarão a apreciação futuramente, quando a Casa votar a Lei de Organização dos Bombeiros.

Até a votação do segundo turno da LDO, deverá ser respeitado o prazo de cinco dias para emendas, que, se apresentadas, determinarão o retorno do projeto às comissões. Poderá ainda ocorrer, como medida protelatória, um pedido de vista, mas ambas as etapas deverão ser evitadas com a tendência a novo acordo para o segundo turno.

Com relação ao projeto do magistério, o deputado Gaban observou que somente R$ 33 milhões onerarão a folha salarial deste ano, devendo as parcelas maiores ser despendidas nos anos seguintes, nos valores respectivos de R$ 219 milhões, R$ 269 milhões e R$ 289 milhões.



Celulares serão bloqueados em presídios

Data: 30/06/2014
18:45:29

Também por unanimidade, foi aprovado em dois turnos o projeto de lei do deputado Marcelino Galo (PT) que determina às empresas de telefonia celular a instalação de bloqueadores nos estabelecimento penais do Estado.



PR define apoio a Rui Costa

Data: 30/06/2014
18:41:14

A convenção do PR, encerrada na tarde de hoje, confirmou, em decisão unânime, o apoio ao candidato do PT ao governo do Estado, Rui Costa, que compareceu ao evento acompanhado pelo candidato ao Senado, Otto Alencar (PSD).

A decisão já era aguardada desde que, no início da tarde, informou-se que o novo presidente da legenda na Bahia, deputado federal João Bacelar, estava reunido com o governador Jaques Wagner.



Governo precisa mesmo dizer que obras são suas

Data: 30/06/2014
11:44:05

Dedica-se o governo do Estado a mais uma custosa campanha publicitária, em rádio, TV e jornais, de obras de “mobilidade” em Salvador – antigas, novas e ainda em curso – para deixar claro aos eleitores que se trata de realizações suas, não da Prefeitura.

Seria uma preocupação desnecessária se, em todos estes oito anos, o governo tivesse demonstrado empenho autêntico para dotar a capital de um sistema viário e de transporte que atestasse a sua responsabilidade com o bem-estar dos cidadãos, sem contar as obras federais.

No entanto, enxergando apenas mesquinhos interesses partidários, preferiu, na maior parte do tempo, isolar friamente as gestões do ex-prefeito João Henrique no intuito de, também, arrebanhar para suas hostes os cargos e recursos da Prefeitura.

Somente não contava com os humores dos deuses da política, que, primeiro, decidiram manter o poder com um prefeito cujo primeiro quatriênio se revelara um desastre, e, depois, acharam por bem entregá-lo ao rebento do carlismo.

Foi preciso então, emergencialmente, uma mudança de tática para atenuar o prejuízo da derrota: um programa tardio de intervenções urbanas, o qual se revelou uma espécie de tiro pela culatra, pois o senso comum é de que Salvador só começou a mudar com o novo prefeito.



Mensagem eleitoral sem maiores cerimônias

Data: 30/06/2014
11:41:08

Tendo sepultado a tese da inviabilidade financeira do município, o prefeito ACM Neto entregou-se a uma tarefa de impacto em toda a cidade e, portanto, em toda a população: a recuperação da pavimentação viária, por onde trafegam carros, ônibus, furgões, caminhões, motos, bicicletas, utilitários e outros veículos.

O governador Jaques Wagner contra-atacou com as obras do complexo de viadutos e vias auxiliares da Avenida Paralela, e houve um momento em que as duas iniciativas entraram em conflito político, caracterizado pela deprimente guerra de placas para dizer quem era o verdadeiro dono do pedaço.

Daí para a campanha milionária que engorda de dinheiro público os veículos de comunicação e as agências de propaganda, foi um pulo, com o refrão bem sintomático da disputa, enfim, eleitoral: “Tem obra pra todo lado,/ quem fez foi o governo do Estado”.



Complexo Paralela-Imbuí: um questionamento

Data: 30/06/2014
11:38:07

Agora, analisando as obras da Paralela do ponto de vista técnico-operacional, seria de sugerir ao prefeito afastar-se mesmo dessa “realização”, que, até pelo açodamento – não rapidez – com que vem sendo executada, tem todas as condições de não resolver nada do trânsito da região.

O Imbuí, que é o âmago do complexo viário em andamento, transformou-se, desde a execução do canal, em 2010, num bairro no qual é muito difícil entrar e do qual é mais difícil ainda sair, pela concentração na Rua das Araras, em direção à orla, do tráfego do Jardim Bolandeira e da Boca do Rio.

No final do trecho, há um retorno fechadíssimo, feito com dificuldade pelos motoristas, dividindo o fluxo com os veículos que seguirão para a Avenida Jorge Amado, também já congestionada pelas sinaleiras, transversais e intensa atividade comercial.

A volta por essa mesma avenida, em direção à Paralela, também é problemática, às vezes emendando-se todo o circuito num engarrafamento só, diário, somente atenuado nas poucas horas de baixo movimento.



Uma visão de viadutos engarrafados

Data: 30/06/2014
11:36:14

Sem que seja solucionada essa questão interna, portanto, as obras de arte e complementares da Paralela, no sentido Aeroporto, pouco efeito terão, ainda mais porque há aspectos do projeto que não contribuem para a fluidez do tráfego.

O acesso ao Imbuí foi recuado para mais perto da saída do Viaduto Luís Eduardo, gerando uma compressão naquele trecho, pois a mesma via auxiliar, que já funciona em estado precário, recebe ainda veículos em direção ao supermercado Extra ou o viaduto de Narandiba, com as duas correntes fazendo uma “tesoura”. No final, perto do Extra, a saída para a Paralela tem um ângulo muito severo e fatalmente se chocará com o fluxo principal.

No lado oposto, sentido Centro, a via secundária já se revela um forte obstáculo ao trânsito, com suas entradas e saídas e ainda uma pavimentação visivelmente sem qualidade, com lombadas e depressões. É possível que, quando for inaugurado o sistema, possamos ver grandes engarrafamentos, nas marginais e no alto do viaduto principal.

Por fim, mas não menos importantes, estão o cronograma e o custo. Ao assinar a ordem de serviço em abril de 2013, o governador anunciou que as obras – iniciadas no mês seguinte – estariam concluídas em dez meses. Quanto aos recursos, o governo informou que seriam de R$ 75 milhões, “podendo chegar a R$ 90 milhões”, o que só poderá ser aferido após o término.



MOMENTO COPA 1 - Futebol médico-legal

Data: 30/06/2014
11:32:47

Muitos já disseram que o futebol é como a vida, por vezes até imitando-a. E Copa do Mundo é assim. Em Mundiais a eliminação é como a morte. Não há uma segunda chance. Aquela Copa perdida não se recupera jamais, do mesmo modo que nunca ninguém voltou do próprio falecimento.

PVC, da ESPN Brasil, disse que o Brasil ganhou uma vida no videogame ao passar pelos chilenos no sábado. É verdade. Mas é uma vida só. Se perdêssemos esta Copa já nas oitavas, o enterro do Brasil seria rápido, automático, imediato, cruel.

Já o velório e a choradeira, curiosamente, demorariam bastante, pelo menos mais quatro anos. Exatamente os próximos. Teríamos então, na verdade, um cadáver insepulto que precisaria ser embalsamado para não exalar o seu característico mau cheiro (colaborador anônimo).



MOMENTO COPA 2 - Time de reação

Data: 30/06/2014
11:31:38

Não vi nem ouvi ou li na mídia menção alguma sobre a Holanda ter virado o terceiro dos seus quatro jogos até agora nesta Copa. Os holandeses perdiam da Espanha e a golearam por 5 x 1. Tomaram uma virada da Austrália para 2 x 1 mas logo a devolveram, vencendo por 3 x 2.

E no domingo superaram o México marcando dois gols nos oito minutos finais da partida. Não sei já houve uma seleção que virou três jogos num mesmo Mundial. Mesmo que tenha havido, o feito holandês não deixa de ser marcante (colaborador anônimo).



Souto seria a falta de opção, diz leitor

Data: 30/06/2014
11:30:31

Dizendo-se “eleitor veterano”, que vê a “repetição de fatos e personagens”, o leitor R.M. manifesta a convicção de que “não só aqui, mas em todo o Brasil, o PT terá dificuldades para eleger governadores”. Ele compara o quadro atual com o de 1986, quando Josaphat Marinho, mesmo com o apoio “de ACM e de mais de 300 prefeitos”, perdeu a eleição para Waldir Pires.

“Na verdade”, diz ao editor, “se você sair aí do ambiente político onde trabalha para andar nas ruas, verá que é crescente o sentimento de insatisfação com o petismo, seja pelos estragos causados pelo STF no caso mensalão, Petrobras, as reiteradas notícias de corrupção, seja pelo cansaço com a permanência do partido no poder estadual e federal”.

No seu entendimento, o candidato do DEM, Paulo Souto, “não empolga e não tem discurso, diferentemente de Waldir, mas certamente será a única arma do eleitor para dizer ‘não’, mesmo que seja um voto sem sentido, apenas para ser contra”. O leitor acha que não há tempo para Rui Costa firmar a imagem, “mesmo agradando a imprensa”.



Ivana critica "falta de palavra" de Bonfim

Data: 29/06/2014
10:34:22

Ao encerrar-se a sessão de quinta-feira na Assembleia Legislativa, com muitos deputados ainda no plenário, a deputada Ivana Bastos (PSD) gritou ao repórter: “O deputado João Bonfim ainda não tomou posse no TCE porque está no interior comprando votos”.

A irritação da deputada decorreu do fato de Bonfim ter dito e reiterado, em discurso pronunciado um dia antes da eleição dos conselheiros dos tribunais de contas, que nenhum dos seus três filhos seria candidato a deputado estadual, e agora um deles, o vereador Vítor Bonfim, anunciar que concorrerá à Assembleia.

Esta – a não-candidatura de algum dos filhos – parecia ser uma condição para que Bonfim tivesse o amplo apoio dos colegas à indicação ao TCE, já que, abandonando a vida política, seus votos teriam nova destinação, especialmente os da região de Guanambi, onde também atua a deputada Ivana.

A contrariedade da parlamentar veio à tona, na quinta, com o pedido de vista do projeto que estava em discussão, cuja votação, segundo ela, tinha sido assegurada para aquele dia, o que a liberaria para cumprir sua agenda eleitoral. “Parece que aqui não tem homem para manter a palavra”, disse Ivana, passando a referir-se a Bonfim.

“Ele disse que nenhum filho se candidataria, citou os dois que são advogado e vereador e ainda falou do terceiro, que poucos aqui conhecem por não transitar no ambiente político”, afirmou a deputada, sendo consolada por outros deputados que cercavam a poltrona onde permanecia sentada.

Expressamente, teve a solidariedade do deputado Sidelvan Nóbrega (PRB), que assegurou: “Se a votação de conselheiro fosse hoje, ele não seria eleito”. Ivana continuou dando vazão a sua indignação: “É preciso que a Bahia saiba que vai para o TCE um homem sem palavra, que vai sujar o tribunal”.



Duplo sentido

Data: 29/06/2014
10:31:55

Parodiando a frase proferida pela multidão contra a presidente Dilma Rousseff na abertura na Copa do Mundo, o deputado Marcelino Galo exagerou: “Ei, Dilma, eu vou votar em TU”- dizia a faixa estendida na convenção do PT.

É automática a lembrança do que deve ter sido uma das primeiras músicas de “duplo sentido” lançadas no Brasil, há algumas décadas, intitulada “Procurando tu”, de autoria atribuída ora a Jackson do Pandeiro, ora a Genival Lacerda, embora na verdade seja da dupla J. Luna e Antônio Barros.

Seus edificantes versos de abertura diziam: “Morena diga onde é que tu tava,/ onde é que tu tava,/ onde é que tava tu./ Passei a noite procurando tu,/ procurando tu,/ procurando tu”. Marcelino não quer deixar o assunto morrer.



Pessoa física não dá vale-cultura

Data: 29/06/2014
10:30:30

Comentando a nota “Plebe redimida encherá as urnas de votos”, publicada no último dia 25, leitor que prefere não revelar o nome diz que “a história sobre a tal empresária é tão inverídica que o candidato Rui Costa não atentou pra um pequeno detalhe: a empregada doméstica não teria acesso ao vale-cultura, já que este é um benefício dado pelo governo federal por intermédio da empresa empregadora. Em troca, a empresa tem dedução no imposto de renda. O benefício, contudo, não vale para empregadores pessoas físicas, somente pessoas jurídicas”.



Colaborador teme pela sorte da Seleção

Data: 29/06/2014
10:29:20

Após o jogo Brasil x Camarões, na fase do grupos, o colaborador anônimo de Por Escrito para assuntos de Copa do Mundo afirmou, em mensagem que não havia sido aproveitada:

“Quero estar erradíssimo, porém ainda não senti que o Brasil vai ser campeão. A ansiedade do time é evidente, e o fato de sermos a única das grandes seleções a ainda não ter vencido uma Copa caseira está pesando além da conta (a Espanha perdeu em casa em 82, mas ainda não era uma grande seleção)”.

Ontem, após o jogo contra o Chile, nova mensagem: "Não perdemos a nossa segunda Copa em casa porque os deuses do futebol não quiseram. O problema é que, às vezes, eles costumam mudar de humor”.

E em outro trecho: “Do jeito que a coisa vai, precisaremos de mais três ‘milagres milagrosíssimos’ para chegar ao hexa. O primeiro se deu ao eliminarmos o Chile nessa tarde, já que a Seleção Brasileira fez de tudo, até ‘pagou’ para ser eliminada precocemente”.

O colaborador, no entanto, festeja o fato de o Uruguai ter sido afastado do caminho pela Colômbia: “Os jogadores devem dar graças a Deus, haja vista que a instabilidade emocional do time seria elevada ao cubo com o fardo de enfrentar o fantasma de 50”.



MOMENTO COPA 1 - Sobre jogos das oitavas

Data: 29/06/2014
10:26:11

Para os curiosos: a atual Alemanha jamais venceu a Argélia. Como Alemanha Ocidental, perdeu para os argelinos na estreia de ambas as seleções na Copa de 1982, a primeira disputada pelo país africano, na cidade espanhola de Gijon.

Foi uma assombrosa zebra para a época, principalmente levando-se em conta que os alemães acabaram vice-campeões mundias na Espanha, enquanto a Argélia só agora, aqui no Brasil, avança às oitavas pela primeira vez.

E no longínquo ano de 1964, na capital Argel, a maior economia da Europa foi derrotada pelos locais por 2 x 0 num amistoso.

No ainda mais longínquo 1930, os EUA golearam os belgas por 3 x 0 na estreia dos dois países na primeira Copa do Mundo, no Uruguai (colaborador anônimo).



MOMENTO COPA 2 - Campeões fugazes

Data: 29/06/2014
10:24:15

A Espanha é a primeira e única campeã mundial eliminada já na sua segunda partida, agora, em 2014. A Itália também o foi em 1950, mas como eram só dois jogos para ela no grupo, podemos considerar ter sido desclassificada só no último.

Brasil em 1966, França em 2002 e a própria Itália em 2010 só se despediram daquelas Copas na terceira partida que fizeram.

A Inglaterra também saiu agora já na sua segunda partida aqui no Brasil, mas teve de esperar a vitória da Costa Rica para ser matematicamente desclassificada (colaborador anônimo).



Menos um

Data: 28/06/2014
10:25:15

Dos três partidos “nanicos” com que o candidato do PT ao governo, Rui Costa, disse que estava “em negociação” para compor sua chapa, só restam o PMN e o PEN.

Quanto ao PPL, já anunciou coligação com o PSB para apoiar a senadora Lídice da Mata.

O prazo final do leilão vai até segunda-feira.



"Nanicos" subsistem porque muitos quiseram

Data: 28/06/2014
10:23:44

A propósito das pequenas legendas que infestam o cenário político brasileiro, na maioria absoluta dos casos servindo apenas de biombo para transações alheias à democracia e à representatividade popular, vale recordar que foram submetidas, por lei sancionada em 1995, à chamada “cláusula de barreira”.

Para existirem em condições iguais às dos demais partidos, teriam de obter 5% dos votos nacionais e 2% em pelo menos nove Estados, o que lhes daria direito participar da divisão de 99% do Fundo Partidário, 20 minutos por semestre no rádio e TV, em cadeia nacional e nos Estados, e outros 40 minutos semestrais para “comerciais” de 30 segundos.

Sem esses números eleitorais, repartiriam entre si 1% dos recursos e teriam apenas dois minutos de rádio e TV. Os partidos perderiam também a possibilidade de indicar líderes e de participar das Mesas Diretoras da Câmara, Senado e Assembleias Legislativas, assim como das comissões técnicas e das comissões parlamentares de inquérito.

Mas não se tratava de uma legislação draconiana, com efeito imediato para interditar direitos legítimos. Os partidos teriam 12 anos para adaptar-se à nova ordem, que somente entraria em vigor em 2007. Entretanto, a apenas um mês de sua vigência, foi derrubada pelo Supremo Tribunal Federal como fruto de manobra envolvendo variados interesses.



Forças poderosas unidas contra cláusula

Data: 28/06/2014
10:21:33

O recurso ao STF foi patrocinado pelo PCdoB, PSOL, PV e PRB, legendas ameaçadas, na prática, de extinção, pois sem dinheiro e sem horário gratuito minguariam mais ainda a cada pleito, e o mesmo aconteceria ao PSC, PRTB e aos antigos PL e Prona. Os dois últimos, justamente para fugir a tal restrição, fundiram-se pouco antes e criaram o PR, buscando números que os salvassem.

Os grandes partidos, que atendiam com folga às exigências legais – PT, PMDB, PP, PSDB, PFL (hoje DEM), PSB e PDT – preferiam, naturalmente, as medidas restritivas, o que lhes ampliaria o espaço de atuação política, mas mesmo nesse grupo havia divergência. Ao PT, por exemplo, não interessava que o velho aliado PCdoB sofresse dificuldades. E outros desejavam pequenas siglas que lhes pudessem servir de “satélites”.

Por outro lado, duas forças poderosas entraram na competição: o então vice-presidente José Alencar, patrono da causa do PRB, e o ex-presidente Fernando Collor de Mello, do PRTB, que recuperara os direitos políticos e se elegera senador, e devido à cláusula de barreira não teria acesso a comissões da Casa e outras prerrogativas.

É possível que tenha sido uma coincidência, mas coube ao ministro Marco Aurélio Mello, que presidia o TSE e havia sido indicado ao Supremo por seu primo Collor, relatar a matéria, em parecer que foi unanimemente seguido pela corte. O ministro ainda dourou a pílula, ao fundamentar sua decisão no prejuízo que a cláusula imporia aos “partidos ideológicos”.



Partido é investimento, diz Rui Costa

Data: 28/06/2014
10:18:02

Na entrevista que concedeu à imprensa esta semana, Rui Costa pronunciou-se expressamente a favor da cláusula de barreira, ao referir-se à presença do PROS – um certo Partido Republicano da Ordem Social, recém-fundado –  em negociações políticas com impacto na Bahia.

“É um partido, como outros, sem linha programática, fundado por um ex-vereador do Mato Grosso do Sul e alguns advogados”, afirmou, sugerindo que se trata mais de uma organização jurídica que política.

Um jornalista quis saber por que o PROS obteve com tanta facilidade as 500 mil assinaturas necessárias ao registro no TSE, enquanto a Rede Sustentabilidade, com todo o prestígio de Marina Silva, não conseguiu.

A resposta do candidato do PT foi simples e direta: “Dinheiro. Criar partidos no Brasil virou um investimento. As pessoas analisam o custo que terão e o confrontam com a rentabilidade”.



MOMENTO COPA 1 - Americanos por cima

Data: 28/06/2014
10:15:22

Nunca houve uma Copa do Mundo como esta, com tantos representantes do continente americano como um todo: dez.

Em 1930, no Uruguai, logo na primeira Copa, houve o recorde de sete sul-americanas das 13 seleções participantes, até hoje nem ao menos igualado, pois neste segundo Mundial do Brasil estão participando “somente” seis da América do Sul.

Quatro nações da Concacaf  – Confederação Centro-americana e do Caribe de Futebol –, já houve em 2006, assim como agora. Mas dez da América, como neste 2014, jamais aconteceu: seis da Conmebol – Confederação Sul-americana de Futebol – e quatro das Américas do Norte e Central (colaborador anônimo).



MOMENTO COPA 2 - Uma igualdade possível

Data: 28/06/2014
10:13:25

E agora temos oito americanos entre os 16 países que jogam, a partir de hoje, as oitavas-de-final: Brasil, Chile, Colômbia, Uruguai, México, Costa Rica, Argentina e Estados Unidos.

É algo igualmente inédito, o que leva à crença de que o título ficará por aqui, em plagas sul-americanas, o que, se se confirmar, nos igualará à Europa em conquistas de Copas: dez a dez.

Os europeus, que participaram das eliminatórias com 53 equipes e mandaram 13 ao Brasil, têm seis representantes na fase atual: Holanda, Grécia, França, Suíça, Alemanha e Bélgica. A África completa a lista com Nigéria e Argélia (colaborador anônimo).



Estamos solidários com Beira-Mar

Data: 28/06/2014
10:11:26

Um grande traficante de drogas ou chefe de quadrilha de assaltantes de bancos é um marginal comum, que não pode, do presídio de segurança máxima onde se encontra, usar celulares, tablets ou outro equipamento que lhe permita controlar sua atividade criminosa e mesmo determinar assassinatos nos mais incertos pontos do país.

Entretanto, a realidade brasileira, mais que permitir, autoriza que um traficante de influência e chefe de quadrilha de assaltantes de dinheiro público, como é o caso do ex-deputado Valdemar Costa Neto, continue, de dentro da penitenciária da Papuda, comandando seu grupo político e influindo diretamente na sucessão presidencial.

O fato vem acontecendo há muito tempo e simbolizou-se agora, como todos sabem, na demissão do ministro dos Transportes, César Borges, para que o PR definisse seu apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff. É difícil acreditar que em algum outro país que se pretenda civilizado possa acontecer escândalo de dimensão semelhante.

É o caso, portanto, de mobilizar-se a opinião pública para que, em obediência aos princípios de isonomia judicial que imaginamos haver no Brasil, sejam assegurados idênticos direitos a Fernandinho Beira-Mar, Marcinho VP, Marcola e outros colegas – ou que Valdemar Costa Neto seja recolhido à solitária.



Pedido de vista impede votação da LDO

Data: 26/06/2014
12:51:36

Com o pedido de vista do projeto da LDO feito pelo deputado Gaban, caiu às 12h35 a sessão da Assembleia Legislativa. Após acerto entre governo e oposição, definiu-se que o projeto voltará ao plenário segunda-feira, quando terão decorrido as 48 horas regimentais necessárias.

Como a próxima semana é prejudicada por um jogo das oitavas-de-final da Copa do Mundo em Salvador, às 17 horas de terça-feira, e quarta é o feriado do 2 de Julho, espera-se que o projeto seja votado em segundo turno na quinta-feira, dia 3.

Por outro lado, aguarda-se a chegada à Casa do projeto de lei de reestruturação da Polícia Militar, que pode ser objeto de um acordo entre as duas bancadas, o qual, se ocorrer poderá incluir até a votação dos dois turno da LDO num único dia.



Parlamentares debatem o baixo nível da política

Data: 26/06/2014
11:11:08

O governo alcançou número suficiente para manter a sessão, e no prazo de espera houve forte discussão entre os deputados Elmar Nascimento (DEM) e Kelly Magalhães (PCdoB), em torno de declaração do senador Aécio Neves (PSDB) segundo a qual os parlamentares que estão abandonando o governo federal devem “sugar mais um pouquinho” para depois lhe darem apoio na cmapanha presidencial.

Kelly referiu-se à abordagem sofrida por Aécio numa blitz de alcoolemia no Rio de Janeiro, há três anos, quando se recusou a fazer o teste do bafômetro, o que levou a deputada a dizer que ele estava “dirigindo bêbado”.

Elmar reagiu, afirmando que “quem é da base do governador Jaques Wagner não pode falar em bebida e que tinha fotos do Carnaval em que Aécio e Wagner “beberam juntos”.

Interessante é que a deputada Kelly iniciou seu pronunciamento manifestando preocupação com o nível da política brasileira e entendendo que declarações como a de Aécio faziam “o povo enojar-se dos políticos”.

A sessão prossegue, no horário das lideranças partidárias, e tudo indica que a oposição manterá sua tática de exigir, em curtos intervalos de tempo, que o governo mantenha no plenário pelo menos 21 deputados.



Deputado pede quórum novamente

Data: 26/06/2014
10:48:55

O deputado Gaban está disposto e derrubar a sessão em que se pretende discutir a LDO, tendo pedido novamente verificação de quórum.

O deputado Marcelino Galo (PT) acha que Gaban, depois der ter discursado, "não quer dar oportunidade de debate a outros parlamentares.

Presidindo neste momento a sessão, a deputada Maria Luiza Laudano (PSD) determinou a marcação do prazo de espera de 15 minutos e está convindando os deputados ao plenário.



Oposição quer 7% para universidades

Data: 26/06/2014
10:30:33

A bancada do governo, no limite do tempo, conseguiu sustentar a sessão e agora fala no grande expediente o deputado Gaban.

O parlamentar adiantou a Por Escrito que a oposição fará obstrução ao projeto, por entender que está sendo votado em meio a festas, sem discussão, em regime de urgência.

Após destacar a importância da LDO para a economia do Estado, o deputado informou que seu colega de bancada Paulo Azi apresentou quatro emendas, as quais coloca como condição para um entendimento com o governo.

“Todas são importantes, mas nós temos especial atenção com aquela que determina o gasto mínimo de 7% da receita de impostos e transferências consdtitucionais na manutenção e desenvolvimento das universidades estaduais”.



LDO hoje na pauta da Assembleia

Data: 26/06/2014
10:18:22

Está se desenrolando, após longo recesso determinado por jogos da Copa do Mundo e São João, a sessão da Assembleia Legislativa.

Já foi requerida sessão extraordinária para apreciação do projeto de lei nº 20.841, do Poder Executivo, que vem a ser o da Lei de Diretrizes Orçamentárias, que balizará a elaboração do orçamento do Estado para 2015.

Com apenas seis parlamentares no plenário, o deputado Carlos Gaban, líder do DEM, pediu, há cinco minutos, verificação de quórum de continuidade dos trabalhos.

O líder do governo, Zé Neto (PT), fez um apelo à bancada para que se apresente. A praxe na Casa é a espera de 15 minutos para recomoposição do número.



Costa ataca Souto e admite ser desconhecido

Data: 25/06/2014
17:24:53

Se depender da autoconfiança, ninguém vence o deputado Rui Costa (PT) na disputa pelo governo do Estado em outubro. “Pode escrever: espero e vou ganhar no primeiro turno”, disse ele a jornalistas políticos que recebeu em almoço, hoje, num restaurante da cidade.

O candidato partiu para um ataque duro ao adversário Paulo Souto (DEM), afirmando que serão comparados "dois governos extraordinários”, os de Wagner, "com dois pífios”, os do ex-governador.

Costa desancou ainda a campanha de Souto, que “não empolga ninguém no interior”, como resultado, também, de seu desempenho político no cargo, “quando recebia em pé” prefeitos e deputados que o procuravam.

O petista chegou a envolver na crítica o falecido senador ACM, que teria confessado “a cinco prefeitos” que agora estão com Costa seu desalento com o segundo governo Souto: “Não sei o que fiz a esse rapaz que ele deixa se acabarem todas as obras minhas” – numa referência à Estrada do Feijão.

Sobre o fato de as pesquisas não refletirem esse quadro, Costa admitiu: “As pesquisas revelam que 50% das pessoas ainda não me conhecem”, tendo citado as situações semelhantes de Fernando Haddad e Geraldo Júlio, eleitos prefeitos de São Paulo e Recife, respectivamente.

O parlamentar disse que o próprio Souto “era um desconhecido” em 1994, quando era vice-governador e disputou o governo. “Ele foi entrevistado por Mário Kertész outro dia e fingiu que não sabia, mas Mário lembrou que no começo ele tinha 4%, 5%, e ganhou a eleição”.



"Lídice cairá com polarização", diz candidato

Data: 25/06/2014
17:22:33

Rui Costa, igualmente, não leva em conta a competitividade da senadora Lídice da Mata (PSB), apesar de advertido de que ela está à sua frente na recente pesquisa do Ibope e disputa votos na mesma faixa do eleitorado.

“Nas minhas pesquisas, ela está muito distante de mim. Eu tenho três pesquisas internas que mostram isso”, reagiu, sem revelar a origem dos números e frisando sua expectativa de “ver se em julho sai uma pesquisa de um dos grandes institutos, até para desmistificar essa história”.

O candidato concorda que o perfil do seu eleitorado e do de Lídice “é próximo, mas o PSB não tem capilaridade no Estado”, Assim, por não enxergar “condições para uma terceira via”, reiterou a convicção da vitória sobre a antiga aliada.

“As pesquisas que eu tenho mostram uma tendência à polarização, e ela (a senadora) cairá mais ainda até outubro”, afirmou Rui, confirmando quando indagado se seria praticado o voto útil. “Os eleitores dela vão ver que é melhor votar em mim do que permitir que volte aquele passado que eles rejeitam”.



Local da convenção mostraria fraqueza da oposição

Data: 25/06/2014
17:20:27

Confrontado com o apoio de 18 partidos e mais tempo no horário eleitoral para a principal coligação de oposição, Costa desdenha: “Estamos com sete partidos e negociamos com mais dois ou três, mas eu vou ter mais dois minutos de TV do que Wagner teve em 2010”.

Numa referência às candidaturas a governador naquele ano, de Geddel Vieira Lima (PMDB), hoje postulante ao Senado, e de Souto, arrematou: “A diferença é que eles perderam separados e agora vão perder juntos”. O candidato contabiliza a seu lado PT, PCdoB, PP, PDT, PSD, PTB e PR, e negocia com PMN, PEN e PPL.

Costa faz outras comparações: dos 112 prefeitos da oposição, 78 o apoiam – e ele tem recebido outras manifestações em eventos de que participa, “como de um vereador do PV em Porto Seguro” e do prefeito Eures Ribeiro, de Bom Jesus da Lapa, também do PV, que até “já gravou” uma mensagem.

Provocado por um saudosista, disse não temer, com o adversário Paulo Souto, a repetição de fenômeno como o que elegeu Waldir Pires em 1986: “Com Waldir nós tínhamos uma avalanche. E eles? Olhe só o tamanho deles, fizeram a convenção no Unique” – espaço em Salvador com capacidade anunciada de 1.200 pessoas.



A plebe redimida encherá as urnas de votos

Data: 25/06/2014
17:18:15

O deputado Rui Costa tem uma visão original da atuação política e administrativa do seu partido, no Brasil e na Bahia: “Nós estamos apanhando mais pelos nossos acertos que pelos nossos erros”.

A partir de um diálogo que teria tido com uma empresária que não votaria mais no PT, replicou seu questionamento de que o salário mínimo subiu muito, pois era com essa elevação que “as pessoas vão comprar”, movimentando a economia da qual a interlocutora faz parte.

Dessa suposta conversa veio outro argumento do candidato: a mulher reclamou também dos direitos da sua empregada doméstica, e ao dispor-se a pagar o adicional para ter seu trabalho no domingo seguinte, ouviu da trabalhadora que iria domingo ao cinema com o marido.

Evidentemente a patroa estrilou e não compreendeu, afinal com que dinheiro estaria a dita cuja com pretensões de pegar uma tela? A resposta, segundo Rui Costa, foi simples: agora ela tem acesso ao vale-cultura.



"Trabalhadores de todo o mundo..."

Data: 25/06/2014
17:15:24

Feito esse introdutório, Costa deu uma grande contribuição para a luta de classes ao analisar a motivação dessa onda negativista contra o governo e contra o PT, atribuindo-a ao “ódio” do que – ele não usou a palavra – seriam as elites comumente citadas pelo ex-presidente Lula.

“São pessoas que não se conformam quando veem ao seu lado alguém que antes não podia viajar de avião, que não sabem como acender a luz ou amarrar o cinto. Se sentem incomodadas com o cheiro, até pedem para trocar de lugar”, considerou o deputado.

Ainda tendo em foco “a nova classe média” que teria sido criada no país, Rui Costa foi adiante: “Tem gente que não se conforma de ver o porteiro do prédio chegando de carro para trabalhar, parte da raiva dessa gente vem da inclusão social”.

A tese encontrou, enfim, um segmento específico: “Um exemplo é o programa Mais Médicos. A classe médica não gostou, mas a verdade é que nada do que fizemos foi tirando o direito de ninguém”.



Em nome da liberdade de imprensa

Data: 25/06/2014
17:13:11

Num aspecto o candidato Rui Costa já sucedeu muito bem ao governador Jaques Wagner: o convite a este blog para participar da entrevista em que expôs suas posições na campanha eleitoral.

Este editor sempre cobriu os eventos especiais do governador, para os quais era convidado, o que deixou de acontecer a partir do fim de ano de 2010, coincidindo com um período em que houve críticas ao governo.

Na época, tendo sido considerada estranha a atitude, mesmo porque se trata de veículo credenciado no meio político, questionou-se o então assessor de imprensa do governador, que confirmou a suspensão do convite.

Esta observação se faz indispensável para caracterizar o respeito demonstrado pelo candidato a um profissional igualmente reconhecido na imprensa local, o qual espera, qualquer que seja o próximo governador, poder voltar a fazer seu trabalho sem restrição.



Identidade própria é maior problema de Souto

Data: 25/06/2014
10:32:17

A maior dificuldade que o ex-governador Paulo Souto teria caso fosse indicado candidato novamente ao governo do Estado foi amplamente apontada na época do processo de escolha: o fato de ter ocupado o cargo por dois mandatos, o que permitiria comparações entre seu período e o atual.

O adversário Rui Costa já começa a usar o mote, como em recente visita a Porto Seguro, onde, após relacionar obras que o governo teria feito no Sul e Extremo Sul, observou que Souto, em oito anos, teve oportunidade de fazer. “É preciso perguntar a ele por que não fez”, disse Costa, em entrevista a emissoras de rádio.

O candidato do PT deve saber uma das respostas, que é exatamente esta: Souto não fez porque sua gestão não era propriamente sua, ele era o piloto de um projeto que se definia fora do gabinete do governador, comandado, como se sabe, em seus aspectos políticos e administrativos, pelo falecido senador Antonio Carlos Magalhães.

Enfim, em 2006, esse projeto foi derrotado nas urnas por uma combinação de fatores, entre os quais a força popular do governo federal em fase favorável e a busca natural da sociedade pelo “novo”, ou, observando-se as coisas pelo outro ângulo, a tal “fadiga de material” que trouxeram da aviação para a política.

Quatro anos depois, já sem ACM, Paulo Souto tentou outra vez e foi igualmente mal-sucedido, porque, pessoalmente, pouco significava, não havia mais por trás dele uma estrutura política de peso, que só agora começa a recompor-se, com a eleição de ACM Neto para prefeito de Salvador.

Mal comparando, é a mesma experiência do hoje deputado Antonio Imbassahy, que foi duas vezes prefeito e sempre considerado “o melhor do Brasil” pelas pesquisas, mas dentro de uma administração dirigida, em que o mérito não era necessariamente do titular. Sem a tutela, perdeu as duas eleições majoritárias que disputou, inclusive a de prefeito.



A sete palmos

Data: 25/06/2014
10:29:57

Ficam homens públicos, visivelmente movidos por interesses eleitorais, discutindo quem fechou e quem não fechou a Bahiafarma, que governo foi ou não foi, quem extinguiu, quem deixou rolar.

O que se extrai dessa polêmica quase estéril é o seguinte: são quase 20 anos de bate-boca sobre a “empresa” estadual de medicamentos, que se resume a dinheiro público jogado fora por ambas as partes.

Quem hoje está num lado estava antes no outro e quem antes estava de um lado está hoje do outro, e remédio para o povo, que é bom, lhufas!

Um apelo desesperado da cidadania ao deputado Rosemberg Pinto (PT) e ao ex-deputado José Carlos Aleluia (DEM): deixem em paz o cadáver da Bahiafarma, putrefato ou conservado em formol.



MOMENTO COPA 1 - A besteira dos 100%

Data: 25/06/2014
10:28:25

Até agora, só três seleções campeãs tiveram aproveitamento total nos 19 Mundiais anteriores: o Brasil duas vezes, em 1970 e 2002, com seis e sete vitórias respectivamente, o Uruguai anfitrião em 1930, com quatro, assim como a Itália em 1938, também obtendo quatro triunfos.

De que adianta sair invicto duma Copa do Mundo se não se obtiver o título? Ou vencer os seis primeiros jogos, empatar até a prorrogação na final e morrer na praia, perdendo nos pênaltis? O Brasil "campeão moral” de 1978 venceu quatro jogos e empatou três. Já a Argentina perdeu para a Itália na primeira fase, o que em nada a prejudicou na hora de levantar o caneco.

Os próprios italianos empataram três das sete partidas que fizeram no triunfo de 1982,  quando derrubaram aquela histórica Seleção Brasileira, que até então havia vencido todos os seus quatro jogos (colaborador anônimo).



MOMENTO COPA 2 - O pragmatismo alemão

Data: 25/06/2014
10:26:57

Pensemos no famoso pragmatismo da tricampeã Alemanha Ocidental. Sim, Ocidental mesmo, porque foi assim que ela conquistou seus três títulos, em 1954, 1974 e 1990. O curioso é que nas duas primeiras Copas que disputou, as de 1934 e 1938, ela era só Alemanha, assim como de 1994 em diante voltou a sê-lo, após a queda do Muro de Berlim.

Por esse fato histórico ter acontecido em 1989, muitos creem que no ano seguinte, na Itália, os alemães sagraram-se tricampeões já só como Alemanha. Ledo engano. A junção das Alemanhas Ocidental e Oriental só se oficializou após o tri em plagas italianas.

Porém, em duas das três conquistadas como Alemanha Ocidental, a atual Alemanha perdeu pragmaticamente uma partida. Em 1954, na Suíça, os alemães puseram o time reserva contra os então sensacionais húngaros e foram goleados numa acachapante derrota de 8 x 3. Só que na final, já com a equipe titular, viraram para 3 X 2 o segundo jogo deles contra a Hungria naquela Copa. Perdiam de 2 x 0, mas acabaram campeões.

E na primeira das duas Copas em que foi anfitriã, no ano de 1974, perdeu – sem dúvida alguma, propositalmente – para a "comadre" Oriental por 1 x 0,  "apenas" para escapar principalmente do Brasil, mas também da Holanda (colaborador anônimo).



MOMENTO COPA 3 - Brasil: quatro empates

Data: 25/06/2014
10:24:16

O próprio Brasil, em três dos seus cinco títulos mundiais, empatou quatro partidas: duas em 1994, uma em 1958 e outra em 1962. Tanto na Suécia quanto no Chile, a igualdade se deu no segundo jogo da Seleção e também pelo mesmo placar de agora: 0 x 0, respectivamente contra Inglaterra e Tchecoslováquia.

A mais nova campeã mundial, a agora eliminada Espanha, perdeu a sua estreia contra os suíços por 1 x 0 na África do Sul. O curioso é que, em termos de futebol, seja qual for a modalidade desse esporte, do de praia ao de salão, os espanhóis até então jamais tinham sido derrotados pela Suíça. Mas valeu de quê?! Acabaram campeões!

E a também já eliminada Inglaterra, campeã uma única vez em 1966, como anfitriã, empatou na estreia em Londres com os uruguaios por 0 x 0. O mesmo Uruguai que agora contribuiu sobremaneira para desclassificá-la, mas pode acabar provando do próprio veneno.

A França em 1998, ao igualar-se aos ingleses com um título como anfitriã, ganhou dos paraguaios nas oitavas com o então "gol de ouro" do seu capitão Laurent Blanc, a seis minutos do fim da prorrogação. O Paraguai nem teve chance de reagir, pois aquele tento os eliminou automaticamente, na hora! E os franceses só ganharam nas quartas da Itália nos pênaltis! (colaborador anônimo)




Página Anterior    Próxima Página