Salvador, 21 de outubro de 2017

A nação quer apenas os segredos do almirante

Data: 30/07/2015
15:18:21

O ministro Jaques Wagner surpreende mais uma vez quem o conheceu na fase ponderada, quando não era dado a bravatas e precipitações no trato das questões públicas, comportamento, aliás, que lhe acarretou grande simpatia nos meios políticos e jornalísticos.

Ao sair na defesa do almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, presidente licenciado da Eletronuclear, preso sob acusação de receber R$ 4,5 milhões de empreiteiras ligadas à construção da Usina Angra 3, o ministro bradou: “O programa nuclear brasileiro é intocável, não vai ser aberto”.

Ora, à cidadania basta que sejam abertas as contas particulares e outros sigilos do acusado, para comprovar ou não sua participação em atos ilícitos, dos quais, numa democracia, nem a qualificação técnica nem a contribuição patriótica à defesa nacional poderão livrá-lo.

Quanto ao programa nuclear, que seja preservado – e um dia o Brasil possa construir armas atômicas, porque este será, seguramente, no futuro, o diferencial entre nações de primeira e de segunda categoria no que se refere a soberania.



Magalhães Pinto

Data: 30/07/2015
15:16:52

Partidários de teorias conspiratórias não deixam de notar que o ex-governador da Bahia é pressuroso nos elogios pessoais e institucionais a altas patentes militares, com as quais procura demonstrar grande intimidade.

Não é por nada, mas diante da conjuntura política e econômica e da personalidade cada vez mais belicosa de Wagner, no cargo que ocupa seria candidato certo a chefe civil de uma improvável intervenção militar.



SACs e estacionamento

Data: 30/07/2015
15:16:07

Absolutamente lógica e procedente a proposta do vereador Odiosvaldo Vigas (PDT) para que o governo do Estado retire as unidades do Serviço de Atendimento ao Cidadão dos shoppings onde se cobra estacionamento.

“O SAC presta serviços públicos aos cidadãos de maneira gratuita, portanto não é justo quem precisa utilizar os serviços ter que pagar estacionamento. O Estado paga um aluguel que não é barato, então o serviço prestado não deve onerar o cidadão de forma alguma”, argumentou Odiosvaldo.



Bambas do PTN vão a Isidório

Data: 29/07/2015
21:18:20

Na iminência da deixar o PSC, o deputado Sargento Isidório pode tomar o caminho do PTN, o que seria um passo decisivo para concretizar uma candidatura importante a prefeito de Salvador.

Amanhã, o parlamentar recebe na Fundação Dr. Jesus uma dupla da pesada, os deputados João Carlos Bacelar, presidente regional do partido, e Alex Lima.

Informa-se que a ida faz parte da programação de visitas da entidade, que leva rotineiramente ao local políticos, autoridades, médicos, jornalistas e representantes de outros segmentos. Mas no clima atual não dá para convencer.

Ganhar a Prefeitura se tornou uma obsessão contida do governador Rui Costa, disposto a desenvolver um programa de obras intensivo na cidade até a eleição – daqui a 14 meses.

A estratégia é o lançamento de candidatos com penetração na capital, buscando provocar um segundo turno, quando todas as forças se alinhariam contra o prefeito ACM Neto.

Nomes com partidos não faltam, a exemplo da senadora Lídice da Mata (PSB) e dos deputados Antonio Brito (PTB) e Alice Portugal (PCdoB). Isidório é o único “bom de urna” que ainda não tem legenda.

Por outro lado, Bacelar e Lima estão altamente interessados em criar problemas para Neto, com quem tiveram choques de caráter pessoal que tornam irreversível a desavença.



O poderoso Temer

Data: 29/07/2015
21:16:25

No último dia 25, Por Escrito cometeu um dos mais graves equívocos do jornalismo brasileiro em quantos anos queira fixar o leitor.

Referiu-se  à reunião que a presidente Dilma pretende ter, amanhã, com todos os governadores, como uma “alta cúpula”, formada pelas “28 pessoas mais poderosas do Brasil”.

Lamentavelmente, omitiu aquele que, pela conjuntura, pode até ser considerado o mais poderoso, o vice-presidente Michel Temer, presidente de fato do partido (PMDB) que está doido para deixar o governo e ainda por cima articulador político desse próprio governo.

Como o vice já foi definido por este blog como “avalista da estabilidade” e “figura central da República”, compreende-se que terá sido um lapso.

Temer será – se houver e os convidados comparecerem – o vigésimo nono e ao mesmo tempo o primeiro da reunião.



Particulares explorarão vias públicas

Data: 28/07/2015
13:21:22

A terceirização é uma praga que atingiu o serviço público, anulando carreiras e invadindo mais funções do que seria razoável. Dizia-se que era para que o Estado se desincumbisse das atividades-meio e pudesse concentrar-se nas atividades-fim.

O efeito principal foi açambarcamento de papéis que caberiam diretamente à União, Estados e Municípios, em muitos casos cumpridos com incúria e acarretando danos aos direitos trabalhistas dos empregados.

Temos agora um exemplo discutível: a Prefeitura quer “privatizar” as áreas públicas usadas como estacionamento “zona azul”, sistema que seria extinto, e já adianta que os que hoje trabalham nesses locais serão absorvidos pelas novas empresas.

Na prática, virão tarifas mais altas para o sofrido cidadão soteropolitano, e a Prefeitura, que também tem suas dificuldades financeiras, transferirá a cofres particulares o dinheiro que poderia arrecadar sozinha. Quanto aos empregos, só esperando para ver.



Sindicato vê empresas incapazes

Data: 28/07/2015
11:21:28

Aliás, estão comendo o pão que o diabo amassou os terceirizados que prestam ao Estado da Bahia serviços de limpeza e vigilância, entre outros.

Vários direitos estão sendo postergados, a exemplo de pagamento de salários, férias, obrigações sociais e abonos, mesmo depois que o empregado é desligado.

O curioso é que a Assembleia Legislativa aprovou no ano passado a Lei Anticalote, que aparentemente não está sendo respeitada.

Segundo a coordenadora do Sindlimp, Ana Angélica Rabelo, as irregularidades acontecem “porque as empresas não têm condições de assumir os contratos e acabam prejudicando o trabalhador terceirizado”.



Para Dilma, trabalho é mais eficaz que passeio

Data: 28/07/2015
11:20:13

Informa-se que o ex-presidente Lula e o ministro Jaques Wagner são os mentores de um giro da presidente Dilma Rousseff pelo Nordeste para tentar reverter a queda de popularidade que sofreu na região onde teve sua maior base de apoio.

É um programa mais fadado a fracasso que a sucesso, pois se caracteriza pela superficialidade  do pensamento de “articuladores políticos” que parecem não enxergar um palmo diante do nariz e querem “divulgar investimentos e inaugurar obras de forte apelo popular”.

Dilma e seu antecessor Lula foram os grandes beneficiários das políticas voltadas para a população nordestina desenvolvidas em três governos consecutivos, mas a aprovação que tinham deteriora-se rapidamente pela crise fiscal que restringe direitos e pela imagem pouco edificante projetada pela corrupção.

Os índices desabam perigosamente, e seria por certo mais eficaz que os governantes se concentrassem em buscar soluções consistentes e duradouras que possam mudar o quadro mais adiante. Turismo presidencial, mesmo em tão importantes companhias, não vai resolver nada e ainda pode piorar as coisas.



Fundação retira jovens do crime e das drogas

Data: 28/07/2015
11:18:15

A impressão de quem passa um dia na Fundação Dr. Jesus é de que, quando nada, o trabalho de recuperação de dependentes químicos lá realizado dá grande contribuição à segurança pública na Bahia.

É espantoso ver que mais de mil pessoas saídas da mais extrema condição da miséria humana podem ter comportamento tão disciplinado sem que, para isso, precisem ser submetidas a medicamentos ou castigo físico.

Observando as cerimônias de recepção de novas pessoas e despedida de outras, desintoxicadas e preparadas para o mercado de trabalho, os visitantes não deixam de comentar: “Já pensou esse povo todo nas ruas, drogado e de arma na mão?”

“Não temos remédio aqui, só uma busca da cura pela fé e por atividades lúdicas”, explica o coordenador do projeto, deputado e pastor Sargento Isidório, que se orgulha de ter conseguido êxito com 60% dos 38 mil internos que já passaram pela Fundação em 24 anos de existência.



Quem cumpre o período aprende uma profissão

Data: 28/07/2015
13:24:54

O importante, segundo ele, é que “fica quem quer”, por um período que pode ir de nove meses a um ano. As três unidades, todas na BR-324, não têm muros, mas quem eventualmente ultrapassar o que Isidório chama de “linha imaginária” paga uma punição para ser reintegrado.

É a “turma da camisa azul”, que enquanto durar a restrição não pode praticar esportes nem usar a piscina, “fica só nos estudos bíblicos e comendo feijão com arroz”, diz o parlamentar, realçando a qualidade e variedade da comida oferecida diariamente.

A “camisa vermelha” é destinada a quem cometeu falta mais grave, como agressão ou tentativa, porte de faca ou similar e uso de drogas, mas, segundo Isidório, são “pouquíssimos”. Ele diz que “há uma consciência” entre os próprios internos, que “botam pra fora quem se comporta assim”.

A Fundação Dr. Jesus tem cursos profissionalizantes de corte e costura, marcenaria, carpintaria, solda elétrica, forno e fogão, padaria e confeitaria. “Quando sai daqui,  o aluno tem meios de sobreviver com o próprio trabalho”, reforça Isidório.



Pátria educadora

Data: 28/07/2015
13:26:25

Atividades foram paralisadas na Faculdade da Administração e na Escola Politécnica da Ufba com a suspensão do fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento.

O prédio da Reitoria só não ficou sem luz porque a turma da Coelba aceitou um acordo de adiamento do corte. A situação foi contornada ainda na tarde de ontem, com o envio urgente de recursos pelo Ministério da Educação.

As universidades federais em todo o país vivem em crise permanente, e as baianas não são exceção, com cortes de verbas e greves, como se  encontra a própria Ufba desde 27 de maio.



Fies é apenas um fator da crise fiscal

Data: 05/08/2015
14:31:19

Em tese, o PT estava certo. A questão social se resume à distância entre ricos e pobres –  uns, na mais extrema miséria, outros, locupletados legal ou ilegalmente na farra desenfreada do dia a dia.

Ir em direção ao equilíbrio dessa balança, portanto, é o correto, mas, uma vez que isso não ocorra por meio de uma revolução, pela tomada do poder discricionário, é necessário seguir as normas vigentes, nada de irresponsabilidade ou romantismo.

Veja-se o caso do Fundo de Financiamento Estudantil, o Fies, que é uma das faces da política de educação superior do governo. Cresceu sete vezes de 2010 a 2013, chegou a 1,5 milhão de contratos, ou seja, a metade da diferença, em votos, de Dilma Rousseff para Aécio Neves no segundo turno de 2014.

Sobrevinda a crise, não há dinheiro para atender à demanda, sobem de 3,4% para 6,5% os juros, esgotaram-se os R$ 2,5 bilhões previstos para 2015, e quem estiver no meio do caminho do seu curso universitário que se vire.

Os 731 mil contratos assinados no ano passado minguaram para 252 mil no primeiro semestre deste ano, uma queda proporcional de 65%, sinalizando para a recolocação do programa nos moldes originais, se não sua extinção.

Nesse gigantesco negócio, ganharam principalmente as universidades privadas, às quais foram destinados, nos últimos cinco anos, R$ 13 bilhões, para um crescimento de 10% no número de estudantes.



A expansão do péssimo ensino público

Data: 27/07/2015
18:22:56

O orçamento revisado – quer dizer, cortado – da educação para 2015 é de R$ 39 bilhões, três vezes o “investimento” do Fies no último ano do governo Lula e nos três primeiros do governo Dilma.

Ao mesmo tempo, se propaga outra vertente da política educacional, que é o aumento das universidades federais, que, na Bahia, passaram de uma para cinco.

É mais estatística, no entanto, do que conteúdo. Se a tradicional e consolidada Ufba é a nongentésima nonagésima segunda do mundo, imagina-se que posições ocuparão as demais, em geral meros prédios com professores insatisfeitos e alunos com parcas condições de estudo.



Uma Justiça de encabular

Data: 05/08/2015
14:31:51

Foi de gente lá de dentro a frase que define a existência de três Justiças no Brasil: a boa, a ruim e a baiana.

Parece claro: a boa fará o bem, a ruim fará o mal e a baiana você não sabe o que irá fazer.

Como no caso da decisão-relâmpago, e já contestada, da juíza Marivalda Moutinho inocentando os nove PMs do massacre do Cabula, o que acrescenta mais uma página controversa a sua história como magistrada.

Mas ela poderá recorrer ao maior mestre do Direito pátrio, Ruy Barbosa, que definia a justiça tardia como injustiça. Célere, ela teria feito justiça.



Hors concours

Data: 27/07/2015
18:18:44

Salvador já ganhou o título de Cidade da Música Alta.



“Aliados” testam as qualidades de Temer

Data: 28/07/2015
08:44:29

Figura central da República num momento em que se aventa a possibilidade de impeachment presidencial, o vice-presidente Michel Temer é o foco natural do mundo politico com a “descoberta” de aspectos de sua personalidade que há décadas estão expostos ao público.

Os elogios vão do temperamento pacífico, que exclui os arroubos, ao gosto pelo diálogo e pela ponderação, além da postura legalista que lhe impõe a própria condição de doutor em Direito Constitucional. Foi como magistrado que presidiu a Câmara dos Deputados e, sobretudo, o conglomerado de interesses residentes no PMDB.

São qualidades assim que os “amigos” de Temer estão agora pondo à prova, oferecendo-lhe, entre meneios ofídicos, a maçã de três anos de poder. O vice-presidente recusa a pressão e exibe o perfil de quem não quer passar à história pelo oportunismo, mesmo porque chegaria à presidência sob compromissos que o imobilizariam.

Temer colocou as cartas claramente na mesa: anuncia o distrato entre seu partido e o PT para 2018, o que sugere a preservação do mandato da presidente Dilma, e exclui também qualquer manobra contra o correligionário Eduardo Cunha. Com gestos largos a um lado e a outro, ele espera levar esse barco emproado até o fim da “travessia”.



O verdadeiro apelido

Data: 05/08/2015
14:34:25

Matéria recente da Folha de S. Paulo afirma que o falecido senador Antonio Carlos Magalhães apelidou Temer de “mordomo de velório”.

Não fora a obviedade de que velório não tem mordomo, o verdadeiro apelido foi “mordomo de filme de terror”, com o qual ACM reagiu a uma das poucas vezes em que Temer subiu o tom.

É que, em 1999, Temer não gostou de que ACM, então à frente do Senado, tenha tentado interferir na reforma do Judiciário, cujo projeto tramitava na Câmara, que ele presidia.

No seu estilo, o senador fez insinuações sobre a honestidade de Temer, sugerindo que tinha interesses na privatização do Porto de Santos e em matérias legislativas que poderiam ter relação com seu escritório de advocacia.

A resposta veio quente: “Em matéria de moral, eu dou de dez a zero nele”. O hoje vice-presidente acrescentou ainda que ACM “deveria cuidar do Ângelo Calmon de Sá”, referência ao dono do falido do Banco Econômico.

Muito ligado ao banqueiro, ACM teria recebido, em 1990, doações de campanha ilegais para eleger-se governador, sobre as quais se constituiu um dossiê que, na época, ficou conhecido como “o caso da pasta rosa”.



Aos temerários

Data: 27/07/2015
18:14:28

“A liberdade não é um luxo dos tempos de bonança; é o maior elemento da estabilidade”. (Ruy Barbosa)



Amidos do mesmo farnel

Data: 27/07/2015
18:13:54

Personalidades diversas do PT manifestaram aprovação à possibilidade, já oficialmente descartada pelo desejável interlocutor, de uma reunião entre a presidente Dilma, o ex-presidente Lula e o convidado especial Fernando Henrique Cardoso.

A maioria revela apenas pavor diante da galopante deterioração do quadro, mas desse grupo se exclua o ministro Jaques Wagner, que sempre deu prioridade a qualquer tipo de conversa, a menos que pisem num dos calos que criou nos anos de poder.



Sem anéis, Dilma entregará os dedos dia 30

Data: 25/07/2015
20:22:11

Concretizou-se a ideia do senador Walter Pinheiro (PT) de uma reunião da presidente Dilma com os 27 governadores, que já está sendo programada para quinta-feira da próxima semana, ainda, portanto, em julho, como queria o parlamentar baiano.

É discutível, no entanto, a interpretação de que o “objetivo principal” da presidente seja pedir a ajuda dos governadores, em nome da estabilidade do país, para a aprovação de medidas de seu previamente dilacerado ajuste fiscal. Ela é quem vai “dar” a governabilidade aos visitantes, não o contrário.

Se evoluiu na compreensão da política, especialmente na presente circunstância, Dilma deverá colocar como item número um de sua pauta ouvir o que lhe será dito num raro momento de alta cúpula nacional, em que se reúnem as 28 pessoas mais poderosas do Brasil.

A “grave crise política e econômica”, como está sendo chamada, tem sua assinatura em muitas páginas, a começar por certo absolutismo decisório que lhe tirou apoio até nas próprias bases, fruto da dificuldade de avaliar quadros reais de conflito, como o que levou Eduardo Cunha à presidência da Câmara.

Outro fator, apesar de ter sido eleita sob os auspícios de seus métodos de gestão, seria a incúria administrativa ou coisa pior que tenha gerado uma via láctea de corrupção, isso desde os tempos de presidente da Petrobras.

Mas nenhum terá sido tão tecnicamente decisivo quanto o crescimento dos gastos públicos no ano eleitoral de 2014, da ordem de 21,3% do PIB, contra 18,9% do ano anterior, o que já era um recorde.

O déficit entre receita e despesa do governo federal no ano passado foi de R$ 17,2 bihlões e a meta para 2015 acaba de ser rebaixada de 1,2% do PIB, o que daria R$ 66,3 bilhões, para 0,15%.

Em 2013, o superávit foi de R$ 77 bilhões, equivalentes a 1,6% do PIB, e em 2012 tinha sido maior ainda, de R$ 88 bilhões ou 2% do PIB.  São números produzidos na gestão Dilma, que ela usou em seu favor nas urnas. Portanto não pode esperar que os governadores lhe passem a mão na cabeça.

Apelo a patriotismo é coisa para jornalistas e articulistas em geral, com obrigação politicamente correta de desejar ardentemente que do encontro do dia 30 saia algo de bom para nós, viventes – com a ressalva de que parâmetros mínimos podem ser estabelecidos para evitar a explosão da economia.

Mas a tendência maior é de uma ação de depenamento da presidente no que até agora não foi possível e uma relação maior de dependência na busca do tênue equilíbrio. Ela vai sair da reunião com menos poder do que tinha ao “convocá-la”, verbo particularmente impróprio no atual contexto, pois para encontros desse tipo se convida.



Mistificação tem limite

Data: 25/07/2015
15:03:38

Que o ex-presidente Lula engane “a nova classe média” com falsa indignação, dizendo-se “cansado de agressões à primeira mulher que governa esse (sic) país”, compreende-se, pois isso faz parte do ânimo demagógico que o levou a nomear “o primeiro negro” para ministro do STF.

Resta saber como reagirão, ainda que intimamente, os verdadeiros esquerdistas ante a referência à “perseguição que tentam fazer às esquerdas nesse (sic) país”.

Será que tais militantes, que um dia foram representados, entre tantos outros, por Carlos Marighella, Luís Carlos Prestes, Apolônio de Carvalho, Mário Alves, Armênio Guedes, Giocondo Dias e Pedro Pomar, se sentem representados por Lula?

Chega de alegações de “conquistas sociais que incomodam a elite perversa”, basta de denúncias de “clima de ódio e intolerância que se estabelece nesse (sic) país”, fora com comparações com “nazistas criminalizando o povo judeu” e “romanos criminalizando o povo cristão”.



Letras em ebulição

Data: 25/07/2015
14:59:50

No eterno jogo de palavras deste país, o Uber tá dando rebu.



Fundamentalismo caboclo

Data: 24/07/2015
22:40:49

No Brasil, está em grande expansão o Estado lâmico.



A democracia da destruição

Data: 24/07/2015
22:39:54

Espantam-se candidamente as pessoas com a depredação de 48 totens eletrônicos colocados pela Prefeitura em pontos de ônibus com informações sobre linhas e horários.

Mas o chamado vandalismo é visto em muitos outros espaços e itens do equipamento urbano, como cestas de lixo, quadras de esporte, placas indicativas – quebradas, incendiadas, pichadas.

Num determinado nível, o vandalismo se presta a atividade geradora de renda, como no furto de fios e cabos elétricos, de tampões de aço das redes de água e esgoto e de outros materiais disponíveis.

De edificante, não há muito que esperar de gerações acostumadas com a destruição desde a escola, que as acompanha também em hospitais e postos de saúde e outros prédios públicos – e privados.

São atos que sempre existiram, praticados em geral por jovens excluídos e sem perspectiva, que são cada vez em maior número em nossa sociedade, não devendo as pessoas se iludirem quanto a uma mudança breve desse quadro.

Não adianta o discurso comum de que os depredadores acabam com bens de seu próprio uso, e em tese são os maiores prejudicados.

O vandalismo traduz uma recusa inconsciente, embora racional, às migalhas. É quando podem ser experimentados o sentimento da igualdade e o "exercício do contraditório".



Provincianismo não supera traumas

Data: 24/07/2015
22:36:12

No presente caso, dos painéis nas paradas de ônibus, devemos considerar se não estamos precisando da lição bíblica que desaconselha a colocação de “remendo novo em vestido velho”, pois obviamente a roupa se rasgará em outro ponto.

Vivemos, em Salvador, num atraso dos diabos, que atravessa várias administrações. É uma cidade suja, mal acabada, com ruas remendadas e esburacadas, sem calçadas, sem meios e recursos para sair com consistência dessa calamitosa situação.

Até reconhecemos na gestão atual um ganho razoável na luta contra esses problemas, mas a verdade é que temos de nos concentrar no feijão com arroz, no essencial, para reduzirmos, e não acirrarmos as contradições sociais.

O sistema de transporte de Salvador é uma citação traumática para a imensa maioria da população que o utiliza, com seu custo, deficiências e trajetos, e mesmo medidas recentes não foram capazes de atenuar o sofrimento dos passageiros.

Assim, soa até como provincianismo a tentativa de nos aproximarmos das metrópoles ditas civilizadas pela adoção de um penduricalho eletrônico enquanto o serviço elementar se debate em eterna crise. Nesse aspecto, ninguém quer saber de horário e roteiro de ônibus que não vem.



Sobre fósseis

Data: 24/07/2015
22:33:20

Da imprensa: “Cobra com quatro patas viveu no Ceará há 120 milhões de anos”.

Não terá sido uma síntese molecular ancestral dos irmãos Ciro e Cid Gomes?



Como uma luva

Data: 24/07/2015
22:32:43

A política penal da Suíça permitiu ao ex-presidente da CBF José Maria Marin trabalhar pelo pagamento de R$ 60 por dia e escolher a área onde deverá prestar seu labor, a qual, presume-se, será a tesouraria do presídio.



A farsa continua

Data: 24/07/2015
22:31:50

Em 26 de maio, com a cidade vivendo ainda intensamente a tragédia das chuvas, este blog perguntou: “Alguém viu o R$ 1,7 milhão que o Ministério da Integração Nacional ‘autorizou’ há mais de uma semana para atender à emergência em Salvador?”

Pois hoje, dois meses depois, é o prefeito ACM Neto quem vem a público dizer que o dinheiro ainda não chegou, continua na rubrica, como dizia o título da nota, de “recursos não contabilizados”.

Este simples fato é uma catástrofe republicana: uma ínfima quantia anunciada somente com efeito cosmético, enquanto permanecem a sangria desatada do Tesouro em várias frentes e a politicagem de porta de boteco.



Etapas e métodos de influência da Odebrecht

Data: 23/07/2015
09:13:32

Reage em nota a Odebrecht a mais um documento revelado pelas investigações da Operação Lava-Jato: e-mail do presidente Marcelo Odebrecht, ora preso, expondo, em 2011, um plano para elevar preços de um contrato já assinado com a Petrobras para construção de navios-sonda.

No texto, a importância de “saber quem é que decide este assunto e a estratégia para influenciá-lo” e a perspectiva de uma abordagem escalonada: o então diretor Guilherme Estrela, depois, o ministro Aloizio Mercadante e, por último, o então presidente José Sérgio Gabrielli.

Mas o relatório da Polícia Federal representa, para a empresa, “um desserviço à sociedade”, pois “confunde a opinião pública” ao lançar mão de “suposições” em vez de “fatos concretos”.

Ninguém, portanto, está autorizado a inferir nada, mas vale frisar esta frase de Marcelo Odebrecht: “No que tange a influenciar, temos vários caminhos”.
 



Inocentes avaliações de agentes públicos

Data: 23/07/2015
14:37:43

É também de se destacar que o empresário estabelecia claras diferenças entre as três pessoas que citou.

Recomendou “cuidado com a reação” de Estrela, disse que a Mercadante pediria “um reforço”, mas foi Gabrielli quem ficou bem na fita:

“Por fim tem o próprio Gabrielli como última tentativa, que poderia fazer. Ele não gosta da gente (Suzano, Quattor, sondas), mas a tese é boa e talvez quem sabe?” – torceu.



De fama internacional

Data: 23/07/2015
09:09:37

É preciso dizer ao Panamá, Suíça, Estados Unidos, Equador e outros países que a Odebrecht “é uma grande empresa de alta tecnologia que oferece 200 mil empregos”, senão eles vão partir pra cima.

E aos editorialistas de plantão que continuam arguindo a baianidade para lançar-se temerariamente na defesa da empresa, declare-se apenas que a Bahia foi envergonhada em várias partes do mundo.



Barber shop

Data: 23/07/2015
09:07:46

Caiu bem o prefeito ACM Neto todo penteadinho no Vaticano, tendo ao fundo o papa Francisco.



Pinheiro vê prioridade da economia sobre a política

Data: 22/07/2015
09:26:03

Disposto a dar um fim às especulações sobre seu destino partidário e esclarecer, para quem ainda não conheça, sua postura política, o senador Walter Pinheiro disse a Por Escrito que tem “até o começo de outubro de 2017”, caso saia do PT, para ingressar em nova legenda.

“Minha preocupação agora é ajudar a encontrar uma saída para a economia, e só depois disso é que vou discutir minha vida”, frisou, explicando que não está preocupado com eleições: “Já disse ao partido que meu nome não está à disposição para 2016. Quanto a 2018, a gente nem sabe o que vai acontecer até lá”.

A dúvida do senador se refere aos caminhos da reforma política, especialmente a questão dos partidos. Ele julga necessário “acabar com os donos de partidos que não são só pequenos, mas são partidos de ata, em que uma pessoa diz quem você tem de apoiar numa eleição”.

Pinheiro lamentou que tenha sido frustrada a tentativa de determinar que, para ter acesso ao dinheiro do Fundo Partidário e tempo no rádio e TV, o partido precisa constituir diretórios eleitos em 50% dos municípios mais um.

“Com esse número em 10%, todo mundo consegue, tá errado”, afirmou, destacando que “o menor partido do Brasil não tem nem um vereador, mas recebe mais de R$ 1,6 milhão por ano”.

Outro aspecto criticado pelo senador, que para ele deixa vulnerável o sistema político, é o financiamento empresarial de campanha para os partidos. “Não preciso dizer que foi isso que levou à Lava-Jato”.

O senador afirma que a mistificação em torno do tema é tão grande que os Estados Unidos, “onde as empresas não vivem metidas em escândalos”, são usados como exemplo para o financiamento privado, “mas não servem quando o assunto é buscar recursos diretamente com o eleitor”.



Otto propõe “dobradinha infernal” na Bahia

Data: 22/07/2015
09:22:57

As versões sobre a filiação partidária são inteiramente descartadas por Pinheiro, a começar pela do DEM, surgida após um encontro que ele e o senador Otto Alencar tiveram em Brasília com o prefeito ACM Neto para tratar do BRT de Salvador. “Cortaram até Otto da foto para alimentar o boato”.

Como não pode evitar, numa fase de tantos rumores, que seja sondado por outros partidos, o senador confirmou que o PDT, PRB e PSB iniciaram um entendimento, mas todos foram recusados pela posição clara que ele tem, no momento, de permanecer no PT.

Em ligação a este editor, disse que tem acompanhado os artigos publicados no blog e interpretou: “Você está fazendo a leitura correta”. Em seguida, resumiu o quadro, referindo-se aos presidentes das três legendas:

 “Lupi me convidou, mas ele nem resolveu a briga dentro do partido aqui na Bahia. A questão de Tia Eron foi até divulgada como uma brincadeira. Lídice realmente conversou comigo. E no PT há quem comente: ‘Pô, o cara nem saiu daqui’”.

Sobre a possibilidade de ida para o PSD, levantada recentemente neste blog com base em fonte de Brasília, colocou-a no rol das demais, embora ressalvando: “Otto me disse que o melhor lugar para eu ir é o PSD. Disse que iríamos fazer uma dobradinha infernal na Bahia”.



Senador quer reunião de Dilma com governadores

Data: 22/07/2015
09:20:06

Em entrevista à repórter Raquel Ulhôa, do Valor Econômico, publicada ontem sob o título “Um pacto pelos Estados em meio à crise política”, o senador Pinheiro propôs que a presidente Dilma promova ainda em julho uma reunião com os 27 governadores num entendimento para evitar que a crise política se agrave e impeça a votação das propostas do pacto federativo em agosto, o que levaria à “quebradeira geral” no país.

"Há 27 governadores pilotando crises locais. Eles precisam ser chamados pela presidenta para discutir uma saída para o Brasil. O governo tem 15 dias para gestar essa proposta. O país precisa voltar a funcionar, senão, além da crise política, haverá uma crise de solução no país, com demissão em massa, não pagamento de folha salarial, crise de abastecimento, etc” – afirmou.

Pinheiro entende que as medidas em apreciação no Senado são a “única solução para os graves problemas fiscais, econômicos e de gestão enfrentados pelos Estados e municípios, e essa não é uma situação a ser liderada pelo ministro Joaquim Levy, um “técnico”, e sim pela presidente.

Dilma, na sua opinião, não detém o “comando dos acontecimentos” na crise e deveria deixar claro que “não está buscando salvar a sua pele, mas o país”. Para o senador, nas condições atuais, o governo não tem condições da fazer qualquer matéria ser votada no Congresso, porque “não tem uma liderança para chamar os caras”.



Adarico é inocente

Data: 21/07/2015
09:03:25

As investigações policiais, que levam as pessoas à Justiça, podem falhar, e certamente falham com frequência maior do que imaginamos.

Como no caso de Adarico Negromonte Filho, que acaba de ser inocentado pelo juiz Sérgio Moro das imputações de lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa.

Na época, quando chegou a ser preso, seu irmão Mário Negromonte, ex-deputado, ex-ministro e hoje conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, atribuiu a prisão ao sobrenome.

A imprensa, inclusive este blog, divulgou o assunto com visão preconceituosa, que ora reparamos, lamentando que o nome de Adarico tenha sido enxovalhado enquanto durou essa indefinição.



Ponto pra Lula

Data: 21/07/2015
09:01:59

Vem de fora uma ajuda providencial ao ex-presidente Lula, com a negativa categórica do primeiro-ministro Passos Coelho de que ele tenha feito lobby para a Odebrecht junto ao governo de Portugal.

“Não me veio dizer: ‘Há aqui uma empresa que eu gostava que o senhor, se pudesse, desse ali um jeitinho. Isso não aconteceu. E nem aconteceria, estou eu convencido, nem da parte dele, nem da minha parte”, afirmou.

A menos que, daqui para a frente, Passos Coelho se torne conhecido como um grande mentiroso, pelo menos dessa acusação Lula está safo.



Sem diálogo

Data: 21/07/2015
09:00:44

UTC e TCU, siglas irmãs que não se entendem.



Verbos que enrolam

Data: 21/07/2015
08:59:18

O deputado Luciano Simões Filho (PMDB) quer instalar Comissão Parlamentar de Inquérito para saber por que 197 obras de recuperação de escolas da rede estadual estão paralisadas.

A Secretaria da Educação informa que não é responsabilidade original sua, pois recebeu o pacote após a extinção, em fevereiro, da Superintendência de Construções Administrativas da Bahia, a famosa Sucab.

E esclarece que, das 197 obras, “139 já estão sendo retomadas”e que “fiscais já estão indo a campo para vistoriar” a situação e emitir relatórios.

Ou seja, deve estar tudo como antes da denúncia, do contrário o tempo verbal seria outro: os fiscais fizeram a vistoria e as obras já foram retomadas, certamente com a relação de todas em andamento.



Primeiro grau incompleto

Data: 21/07/2015
08:57:50

Grandes jogadores de futebol, por mais que tenham mostrado em campo, deixam de ocupar a galeria dos imortais se não ganham uma Copa do Mundo.

É o caso de Zico, um fenômeno que não teve a ventura alcançada por Pelé e Maradona, e por isso não está ao lado deles no que poderia ser a tríade dos melhores de todos os tempos.

Agora, Zico, se é que ainda pensa nisto, quer ser presidente da Fifa, posto também desejado pelo ex-craque francês Platini.

Mas, igualmente, falta ao Galinho de Quintino um requisito: Platini dirige a Uefa, hoje a entidade esportiva mais respeitada do planeta. Zico não tem currículo semelhante para concorrer.




Página Anterior    Próxima Página