Salvador, 17 de dezembro de 2017

Elite no poder paga feliz em Salvador

Data: 31/01/2014
19:01:21

Elite é elite e povão é povão, como água e óleo, jamais se misturarão. À exceção de Lula, verdadeiramente falso povão, que se agregou à elite e ainda se dá ao desplante de acusar “a zelite desse país” pela desgraça dos brasileiros.

Mas, mesmo se pondo no papel de serviçal de luxo, o ex-presidente jamais exibiria o lustro próprio dos bem-nascidos, e foi por isso que o símbolo-mor dos beneficiários do lulismo, o banqueiro Jorge Bornhausen, do PDS-PFL-DEM, jurou um dia acabar com sua raça.

A elite sabe onde arromba a cerca, e assim traçou o destino triunfal de ACM Neto à frente da Prefeitura, como esperança de saída do cipoal pseudoideológico em que se meteu o Brasil. Quem duvidava que a elite iria jogar tudo num dos seus filhos para ter um pouco de sucesso e respirar nesta terra de todos os santos?

Agora, a elite baiana, representada, no caso, pelo poderosíssimo conglomerado empresarial da Fieb, “espanta-se” com o IPTU não residencial, mas ainda não sabe se vai “judicializar” a questão. Deixa isso para a Fiesp, contra o petista Fernando Haddad.



Deu para engolir

Data: 31/01/2014
18:59:45

Este editor, como modesta pessoa física, recebeu seu carnê de IPTU e pagou a cota única, considerado o desconto para os recadastrados no prazo, a estender-se até 2015, com aumento de 19,4%. Sem o desconto, o reajuste seria de 31,1%.

Sem dúvida, em ambos os casos, bem mais que a inflação oficial do período, mas não tão longe da real. É a chamada “cota de sacrifício” que cidadãos podem se dispor a dar quando têm, pelo menos, uma ponta de esperança na aplicação justa e honesta desses recursos.

Salvador tem um passivo administrativo que, como dissemos em comentários até anteriores à eleição de prefeito em outubro de 2012, requereria no mínimo duas gestões para uma redução significativa. E ninguém vá pensar que isso prescinde de independência financeira.



Entre Souto e Geddel, pode dar Aleluia

Data: 31/01/2014
18:57:26

Se o assunto rende como se imaginava, ainda deve estar transcorrendo, na residência do ex-senador Antonio Carlos Júnior, reunião de cúpula do DEM, com a presença do prefeito ACM Neto, do ex-governador Paulo Souto e do secretário José Carlos Aleluia, para uma posição sobre a chapa da oposição, a ser levada ainda hoje ao ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB).

Como é sabido que Geddel não fará parte da chapa se não for o cabeça, vê-se que a articulação entre ele e o governador Eduardo Campos (PSB), que não vem de agora, e até foi fator de pressão sobre a senadora Lídice da Mata para assumir a candidatura ao governo, pode conduzir a um novo quadro na sucessão baiana.

“A gente se encontra no segundo turno”, como em 2012, diria Geddel a Neto se for definido o nome de Paulo Souto, que, por sua vez, não estaria inclinado a entrar na briga com a oposição dividida. É verdade que Geddel jurara apoio a Souto, mas poderia esquivar-se da palavra. Nesse caso, a candidatura sobraria para Aleluia e Souto puxaria a legenda de deputado federal.



Procura-se senador

Data: 31/01/2014
18:56:07

Ocorrendo essa configuração insuspeitada, em que, de qualquer jeito, o vice será o ex-prefeito João Gualberto (PSDB), a oposição teria vaga para candidato ao Senado.  



Nossos garotos

Data: 31/01/2014
18:55:31

Compensados os fatores, seria uma briga parelha: Neto, arrebentando nas pesquisas, com Aleluia, e Wagner apoiando Rui Costa após oito anos de governo.



Campos teria preferência por Geddel na Bahia

Data: 31/01/2014
11:03:51

Em recente diálogo com este editor no twitter, a respeito de declaração de dirigente do PSB que antevia um entendimento com ele caso fosse preterido como candidato a governador pela oposição, o ex-ministro Geddel Vieira Lima descartou completamente a possibilidade, dizendo-se “muito bem” onde está.

Entretanto, com base em informação de uma fonte deste blog que teve contato com a cúpula da campanha de Eduardo Campos à presidência da República, o governador de Pernambuco tem forte interesse em uma coligação PMDB-PSB na Bahia, com Geddel na cabeça da chapa, e isso pode vir a ser um desdobramento se Paulo Souto for anunciado hoje como candidato oposicionista.

Campos, descrito por um auxiliar como “apaixonado por Geddel”, acredita que o ex-ministro faria “uma campanha mais agressiva” que a senadora Lídice da Mata, a qual estaria sendo candidata “contra a vontade”, em razão das circunstâncias políticas. Por outro lado, como vice, Lídice não se exporia na crítica a um governo que integrou por sete anos.

O governador de Pernambuco tem ainda uma convicção: se houver segundo turno, tanto na eleição estadual quanto na nacional, Lídice não ficará contra as candidaturas petistas para apoiar, por exemplo, Aécio Neves (PSDB) para presidente ou Paulo Souto (DEM) para governador.



Fórmula tem precedentes

Data: 31/01/2014
11:01:20

Embora com uma forte repercussão na aliança oposicionista encetada em 2012, uma solução desse tipo não seria de todo estranha. Do ponto de vista local, os partidos de Lídice e Geddel estiveram juntos na campanha à Prefeitura de Salvador em 2004 e na chapa de deputados federais em 2006.

A direção nacional do PMDB, segundo a fonte, é neutra com relação a uma decisão dessas, mesmo sendo do partido o vice-presidente da República, Michel Temer, candidato à reeleição. “O PMDB é uma confederação de tendências e facções autônomas, e Geddel já não está mesmo com Dilma”.

Foi citado ainda o exemplo do próprio Estado de Pernambuco, onde o senador Jarbas Vasconcelos, liderança peemedebista histórica, venceu dificuldades antigas para aliar-se a Campos.



PSC conversará primeiro com Rui

Data: 30/01/2014
13:40:54

O PSC aguarda uma interpretação do TSE para decidir que caminho tomará na eleição para governador. Com o presidente regional, Eliel Santana, lançado ao Senado, “talvez não seja possível apoiar ao governo o candidato de uma coligação que já tenha senador”, disse ele mesmo a este blog, acrescentando que nesse caso haveria uma candidatura própria.

Outra hipótese é, uma vez decidido o nome a ser apoiado, o partido fazer uma coligação branca, isto é, trabalhar e pedir votos para o escolhido, mas sem participar formalmente da aliança, o que impediria, por exemplo, a participação conjunta em programas eleitorais e material de propaganda.

Indagado sobre a tendência do PSC entre os diversos candidatos ao governo, Eliel explicou: “Hoje estamos na base do governo para o trabalho na Assembleia Legislativa. Para as eleições, pretendemos conversar com todos os candidatos, mas, até por dever da aliança atual, vamos ter um entendimento inicialmente com Rui Costa”.



Empréstimo é questionado em Brejinhos

Data: 30/01/2014
13:39:23

O vereador Joel Peixoto (PT), de Oliveira dos Brejinhos, denuncia o presidente da Câmara, Lindosmar Mendonça (PDT), pelo envio ao prefeito Clériston Pereira Ferrugem (PP), para sanção, de um projeto de lei que teria sido aprovado irregularmente.

Encaminhada ao Executivo no período de recesso, a matéria autoriza a contratação, com a Desenbahia, de empréstimo de R$ 4 milhões, e segundo o vereador petista exigiria oito votos para a aprovação, mas só obteve sete.

A bancada da oposição tomou providências para revogar a lei, tendo dado entrada em mandado de segurança na Justiça, encaminhando a ata da sessão. “Esse empréstimo não beneficiará o município, só o afundará em dívidas”, disse Peixoto.



Bom conceito

Data: 30/01/2014
13:37:40

Um ex-prefeito do sertão, ligado a Mário Negromonte desde o tempo em que este era deputado estadual, bateu-se com o correligionário em Salvador: “Mas rapaz, que negócio é esse de ser vice de Rui. Aceite logo esse tribunal...”



"Bueiro da vergonha" ainda não tem data

Data: 30/01/2014
13:36:55

Completou seu primeiro aniversário um gigantesco buraco na BA-131, conhecido como “bueiro da vergonha”, que já causou 19 acidentes neste período e continua prejudicando quem transita pela rodovia, especialmente no sentido Saúde-Pindobaçu.

A população não se fez de rogada: levou bolo e refrigerantes para o local do buraco e entoou um “Parabéns pra você”. A denúncia foi feita da tribuna da Assembleia pelo deputado Pedro Tavares (PMDB).

O diretor-geral do Derba, Saulo Pontes, em recente entrevista à emissora regional Paiaiá FM, disse que a recuperação do trecho já está definida e que será executada pela empresa Tecnocret ao custo de R$ 363 mil – só não soube precisar quando serão iniciadas as obras.



Fazer campanha pode e circunstâncias não contam

Data: 30/01/2014
13:34:35

O que se depreende do lançamento do plano de governo do PT, pelo chefe da Casa Civil, Rui Costa, e aliados – não por acaso por 13 caravanas que viajarão a partir de 8 de fevereiro Bahia adentro, a começar por Feira de Santana?

Resposta: expor o nome do candidato ao governo e fortalecer o partido no interior, ponto de partida para colocá-lo em condição de disputa na eleição deste ano, mesmo que isso ocorra antes do prazo legal de divulgação eleitoral, mesmo que estejam com “a máquina e o queijo na mão”.

Já Otto Alencar, vice-governador, e seu partido (PSD) receberam 48 horas, por determinação de um juiz do TRE, para retirar material eleitoral em circulação no município de Ruy Barbosa, por ser caracterizado como propaganda antecipada.

E olhe que as bases eleitorais de Otto são consideradas no meio político tão fortes e longevas que o credenciaram a vida inteira a estar lado a lado com o poder vigente, independentemente de conjuntura.

Ou seja, a rigor, Otto talvez nem precisasse infringir a lei eleitoral, como se constata. A diferença está, ao que tudo indica, na materialidade do fato, comprovado pela existência de peças de propaganda, seja pintura em muros residenciais ou adesivos.

São as chamadas provas materiais, que diretamente aludem à personagem, ao candidato, propagam seu número claramente. Ninguém fala do que vai fazer se eleito. O culto à personalidade Otto, uma marca tão arraigada em seu curral quanto a Coca-Cola, é o que está sendo condenado. (Aura Henrique)



Mensagem subliminar atinge os mais vulneráveis

Data: 30/01/2014
13:31:12

Aqui, e em qualquer parte do Brasil, vide campanhas eleitorais antecipadas à presidência da República feitas por Lula e Dilma sucessivamente, os elementos circunstanciais, que levam à presunção da existência ou autenticidade do fato que se quer provar, não são levados em conta.

Sabe-se que a mensagem subliminar é tão ou mais eficaz quanto a escancarada. Muito mais perigosa por não mostrar sua cara e por atingir um público mais vulnerável. Na “pré-campanha” de Rui Costa, o número de 13 caravanas é enfatizado e seu nome, divulgado, caracterizando o delito eleitoral.

Fica a dúvida se, na judicialização da questão, as circunstâncias não vão valer como prova. Político não brinca em serviço, usa a comunicação e seus artifícios de modo nada fortuito, longe do acaso. (AH)



Pensamento do dia

Data: 30/01/2014
13:29:27

O Brasil teria menos problemas se fosse menor.



PTB defende Nilo na vice

Data: 29/01/2014
14:11:29

O PTB anunciou há pouco preferência pelo nome do presidente da Assembleia Legislativa, Marcelo Nilo (PDT), para integrar a chapa majoritária governista, encabeçada por Rui Costa(PT)como candidato a vice-governador.

A legenda integra a base de sustentação do governador Jaques Wagner e soma-se aos apoios já manifestados pelo PR, PSC e PSL. Nilo tem ainda a preferência da maioria dos deputados federais que apoiam o governador Jaques Wagner, explicitada em documento.



Correligionário quer Neto de qualquer jeito

Data: 29/01/2014
11:43:22

Presidente do DEM em Uauá, ex-vice-prefeito, Marco Aurélio Guimarães Elpídio tem uma ideia fixa: a candidatura do prefeito de Salvador, ACM Neto, a governador do Estado. O movimento que ele lançou, o “Aceita Neto”, embora lhe falte a vírgula, vem sendo bem recebido nas bases interioranas.

“Neto tem voto em qualquer cidade da Bahia, mesmo que não tenha nem um vereador ou liderança por lá”, disse Elpídio, informando que o partido tem uma pesquisa interna em Salvador em que, ouvidas 1.500 pessoas, a saída do prefeito ao governo é aprovada por 68% da população.

Como a pesquisa estima ainda que 70% dos entrevistados votariam no prefeito, Elpídio entende que Neto tem eleitores até em que não deseja que ele deixe o cargo. “Os números mostram que, em um ano de gestão, o prefeito saltou dos 54% que teve no segundo turno das eleições para 70%”, avaliou.



"Efeito Maluf" é coisa para José Serra

Data: 29/01/2014
11:41:45

Elpídio discorda vigorosamente da possibilidade de ocorrer na Bahia desastre semelhante ao sofrido em São Paulo pelo ex-governador José Serra, que aparentemente desagradou o eleitorado na segunda vez em que tentou alcançar cargo público maisd elevado.

Como se recorda, Serra se elegeu prefeito em 2004 com a promessa de que não renunciaria, mas o fez dois anos depois, chegando ao governo do Estado. Em 2010, em vez de tentar a reeleição, preferiu disputar a presidência da República, sendo derrotado por Dilma Rousseff.

Em 2012, todas as pesquisas o davam como prefeito de São Paulo, mas ele terminou vencido por outro novato, Fernando Haddad. Elpídio cita essa sequência para concluir: “Serra teve o efeito Maluf. Tanto enche o saco como candidato que um dia perde. Com Neto é diferente”.



Renúncia parece hipótese descartada

Data: 29/01/2014
11:37:54

Apesar de todo o empenho desse e, certamente, de milhares de outros correligionários, todos os fatores concorrem para que ACM Neto siga em frente na Prefeitura de Salvador.

No plano mais especulativo, diz-se que isso até faz parte de um acordo com o governador Jaques Wagner, o que não seria de estranhar, conhecidos o pragmatismo de ambos e o interesse recíproco num convívio pacificado.

Comenta-se também que seria uma operação de alto risco, a despeito de todos os números favoráveis que se apresentem, pois a população poderia não digerir bem uma renúncia, interpretando-a como gesto de ambição política, e negar o voto.



Vice seria uma incógnita no poder

Data: 29/01/2014
11:36:30

Do ponto de vista da realidade, ressalta a questão sucessória, pois a vice-prefeita Célia Sacramento ficaria no poder por dois anos e nove meses, mais do dobro do que o titular terá exercido se sair em abril.

Célia é a vice por articulação eleitoral que muito acrescentou ao marketing da chapa, por ser uma mulher negra, de militância popular, e ainda incluir na coligação o PV, sigla simpática e tradicionalmente alinhada à esquerda.

É mesmo provável que Neto, ao decidir pela aliança, tenha imaginado desde então que teria de cumprir integralmente o mandato, pois não é demérito para a vice-prefeita ser uma pessoa flagrantemente inexperiente para assumir tal responsabilidade.

Graves problemas numa eventual gestão dela – e não é difícil que ocorram, com a proximidade de setores que sempre tentam aproveitar ao máximo as benesses do poder – significariam praticamente a destruição no nascedouro da longa trajetória que se presume para o prefeito.



Amor à obra não deixa o prefeito sair

Data: 29/01/2014
11:34:28

Entretanto, um aspecto sobressai nesse conjunto de fatores que amarram Neto à cadeira: o próprio gosto pessoal que ele está experimentando ao ocupar pela primeira vez uma função executiva, e, se isto vale alguma, com seis anos a menos que seu avô, o falecido senador ACM, ao chegar, em 1967, à Prefeitura.

Sempre ressalvando que qualquer ação contrastaria com o período do ex-prefeito João Henrique, o fato é que Neto transmite à população a sensação de que a cidade  tem comando e que o quadro dá evidentes sinais de mudança, ainda incipiente, mas projetando esperança para o futuro.

Não dá para imaginar que, após empenhar-se em programas de recuperação viária, de esporte e lazer, de reequilíbrio financeiro, de qualificação de importantes espaços da cidade, entre outros, o prefeito vá agora deixar tudo ao deus-dará, sem certeza da continuidade. Além do mais, vem aí a Copa do Mundo, para ele curtir de camarote.



PSL está solteiro

Data: 29/01/2014
11:20:26

Colocado na conta da coligação governista para as eleições majoritárias, o PSL não está fechado com nenhuma das forças em confronto na política baiana. A prova física é a ausência de representantes do partido em eventos ligados à candidatura de Rui Costa (PT), como recente café da manhã e, ontem à noite, a reunião sobre proposta de governo.

Aliado do governo desde a primeira hora, o PSL vê partidos que não votaram em Jaques Wagner em 2010 ocuparem mais espaços, como é o caso do PTB e do PR, com secretarias, e do PSC. Sabe-se que o rigor estatutário desabará sobre quem negociar apoios à revelia.



Falta apoio a médicos estrangeiros

Data: 29/01/2014
11:18:50

A falta da contrapartida da Prefeitura – alimentação, moradia e transporte – está dificultando o atendimento que 35 médicos estrangeiros, do programa federal Mais Médicos, vieram prestar em Salvador.

Fonte ligada a um grupo desses profissionais informa que os itens são de responsabilidade do município e que o secretário José Antônio já foi procurado, mas não deu uma solução.

“O governo federal paga o salário de R$ 10 mil, enquanto a Prefeitura talvez não gastasse R$ 2 mil por médico na contrapartida”, disse a fonte, anunciando à ida, agora, à Secretaria da Saúde do Estado, que faz a intermediação do programa.

O trabalho dos médicos estrangeiros na capital, cada um fazendo cerca de 30 consultas por dia, “tem um nível alto de receptividade” e só não foi inviabilizado porque “muitos fazem malabarismo” para contornar os problemas.



Cabe ao governo aprovar PEC, diz Elmar

Data: 28/01/2014
16:59:47

Transcorre a sessão da Assembleia Legislativa em que o governo terá de se virar para consertar o erro na PEC das emendas parlamentares impositivas. A solução até agora encontrada é admitir o que seria um “erro de redação” e fazer o reparo, para nova votação no plenário.

O líder da oposição, Elmar Nascimento, disse que sua bancada não criará problema para essa “releitura” do texto, mas que também não ajudará em nada: “O erro é do governo. Ele que conserte e bote seus deputados para votar, já que tem 47 e só precisa de 38”.

A medida correta seria a promulgação da PEC e o envio de novo texto para aprovação, mas o presidente Marcelo Nilo, segundo fonte deste blog, argumentou que “seria uma exposição negativa” da Casa, preferindo-se uma fórmula de entendimento.

Há um senão: se apenas um deputado discordar da proposta, ela não poderá ser implementada, porque, uma vez que se trata de matéria vencida, pendente apenas de promulgação, é indispensável o consenso para sua alteração.



Erro calculado

Data: 28/01/2014
16:57:34

O líder do governo, Zé Neto, admtiu há pouco, em conversa com jornalistas, que os técnicos do governo não tinham fechado o valor da receita corrente líquida do Estado, que é a base para fixação do valor das emendas impositivas.

Foi feita uma espécie de estimativa, para eventual correção caso houvesse uma diferença. O líder disse que combinou com os deputados para que qualquer defasagem, para mais ou para menos, fosse corrigida, já que se impunha, na semana passada, a necessidade de adiantar a pauta de votação.



Pauta tem quatro projetos

Data: 28/01/2014
16:55:46

Além da perspectiva de outra votação para a PEC do deputado Euclides Fernandes, quatro projetos estão na pauta da Assembleia para esta tarde, já tendo sido solicitada sessão extraordinária para sua apreciação.

Um está cercado de certa polêmica, o de número 20.619/13, que cria o Conselho Estadual de Defesa  dos Direitos da População LGBT, que teve pedido de vista apresentado na sessão passada por deputados ligados à religião evangélica.

Dois outros deverão ser aprovados sem problema: o nº 20.714/14, que institui a política estadual para a população de rua, e o 19.414/11, também chamado projeto anticalote, que protege os direitos trabalhistas de empregados de empresas que prestam serviço ao Estado.

Finalmente, deverá ser votado o projeto de lei 20.487/13, do orçamento, que fixa as receitas e despesas do Estado para o ano de 2014.



Lambança oficial complica sessão da Assembleia

Data: 28/01/2014
14:02:02

A sessão de hoje à tarde, que se prenunciava tranquila, com a aprovação em segundo do turno do orçamento do Estado para 2014, ganhou novo tempero com a lambança feita pelos técnicos do governo no cálculo do percentual da receita corrente líquida a ser destinado às emendas parlamentares impositivas.

No longo embate que se registrou nos últimos meses, o governo resistiu ao 1% constante da PEC do deputado Euclides Fernandes, e mais ainda à proposta de elevar para 1,2%, conforme acabara de ser estabelecido, pelo Senado e pela Câmara, na Constituição federal.

Por fim, chegou-se a um entendimento com a oposição para que, em 2014, o valor nominal das emendas por deputado fosse de R$ 1,2 milhão, sendo R$ 600 mil para a educação, R$ 300 mil para a saúde e R$ 300 mil de livre indicação, o que significaria emendar o percentual da PEC para 0,6%, como foi aprovado pela Assembleia.

Somente depois é que se constatou o erro grosseiro: o percentual era o dobro do que seria o correto, de 0,3%. Assim, cada deputado poderia fazer R$ 2,4 milhões em emendas, e se fosse nos moldes federais seria um deus-nos-acuda, pois o montante chegaria a R$ 4,8 milhões.



Deputados terão de votar contra eles próprios

Data: 28/01/2014
13:59:34

Preocupado com “notícias na imprensa” que falam de uma articulação entre o líder do governo, Zé Neto (PT), e o presidente Marcelo Nilo para que seja fixado o novo percentual, o líder do DEM, Carlos Gaban, afirma que “acordo nenhum pode passar por cima de uma decisão de três quintos do plenário”.

Gaban não discorda dos valores determinados para as emendas no corrente ano nem da fórmula de sua distribuição, mas insiste em que, para mudar o percentual de 0,6% para 0,3%, será preciso que haja pelo menos 38 votos favoráveis.

Ou seja, será necessário um novo processo legislativo, para o qual não haverá entraves, porque, tendo sido o percentual definido em acordo, o líder da oposição, Elmar Nascimento (DEM), já adiantou que dispensará as formalidades de tramitação.

Será um caso inédito, em que o líder do governo terá de convencer sua bancada a votar contra seus próprios interesses – afinal, está escrito na Constituição que eles têm aquele direito, o qual terão de revogar. O desfecho desperta natural curiosidade.



Oposição fará até dez destaques

Data: 28/01/2014
13:57:50

A bancada da oposição está reunida neste momento para programar a atuação na sessão de logo mais. Não haverá dificuldade para aprovar o orçamento em segundo turno. Alguns deputados certamente quererão se pronunciar, mas não será feita a obstrução formal, que poderia estender os trabalhos até a madrugada.

Um assunto importante da reunião é a escolha das emendas que serão apresentadas para votação em destaque. Estima-se que sejam de seis a dez, todas voltadas para a colocação de mais recursos em setores prioritários da administração estadual.



Lídice corre por fora, mas tem instrumentos

Data: 28/01/2014
13:56:29

A candidatura da senadora Lídice da Mata ao governo do Estado é, de certa forma, desdenhada pelo senso comum no meio político, pelo caráter artificial que carrega, já que é produto tão-somente da decisão do governador Eduardo Campos de candidatar-se a presidente da República.

Afastada a fórceps do agrupamento em que historicamente militou, em troca de manter o controle do PSB estadual, a senadora é tida como um peixe fora d’água, sem chances, premida entre a máquina estadual associada à federal e a máquina da oposição em Salvador, que estará com Geddel Vieira Lima ou Paulo Souto.

Entretanto, há fatores que pesam em política e podem vir a ter grande influência no processo eleitoral. Lídice, com todos os percalços e pontos negativos que possa ter tido, é uma vitoriosa, que sabe manipular, no bom sentido, mesmo as situações adversas, transformando-as em avanços. Isso é fundamental em qualquer candidato.



Discurso já puxa "o povo" para a senadora

Data: 28/01/2014
13:54:13

Vários são os exemplos em sua trajetória. Fiquemos com a campanha a prefeita em 2004, em que entrou sabendo-se derrotada e chegou, de fato, em quarto lugar, mas soube usar aquele precioso espaço para um upgrade que a lançou novamente ao primeiro time da política baiana depois de uma Prefeitura conturbada, que a "recuou" para mandatos de deputada estadual.

Agora, mostrou que pode se beneficiar de mais um fator importante nesse tipo de projeto, que uns chamam de circunstâncias, outros, de sorte. É que, mesmo contrariada com a opção, viu chegar para seu lado lideranças inesperadas, e só usamos o plural porque, respeitadas as proporções, Eliana Calmon agrega tanto quanto Marina Silva.

Com esse cabedal, Lídice, ao lado de Eliana, corre o Estado. E quem pensa que ela está no chove-não-molha veja o discurso ao Blog do Glauber, de Botuporã, sobre a candidatura Rui Costa: “Uma conformação de forças que não está representando o povo, pois se estivesse ele estaria em primeiro lugar nas pesquisas”.



Geddel e Nilo na mira

Data: 28/01/2014
13:50:08

Fonte do PSB disse a Por Escrito que está sendo acompanhado com muito interesse o processo de fechamento de chapas nas coligações comandadas por PT e DEM. No primeiro caso, a definição do vice, no segundo, a chapa toda.

“Lídice aguarda o desfecho de como ficarão PDT e PMDB quando forem preteridos”, sintetizou a fonte, sugerindo um entendimento com Geddel Vieira Lima e Marcelo Nilo, embora este último tenha garantido que não deixa a coligação goverrnista.



Pelo amor de Deus!

Data: 28/01/2014
13:48:48

O PCdoB, pela voz autorizada do seu presidente regional, deputado Daniel Almeida, falar grosso para estabelecer o critério feminil na formação de uma chapa é, definitivamente, o fim da picada.



Biaggio lança "A Economia da Salvação"

Data: 28/01/2014
13:47:07

O jornalista Biaggio Talento lança hoje, às 19 horas, na Livraria Cultura do Shopping Salvador, “A Economia da Salvação”, livro integrante do selo “Primeira Edição”, da Assembleia Legislativa. Trata-se de pesquisa histórica da chamada domesticação da morte em Salvador por mercadores de escravos e usurários até o século XIX.

A obra analisa as estratégias usadas pelas pessoas ricas para fugir da condenação ao inferno numa Bahia de forte conteúdo religioso. O estudo é direcionado para um segmento que escaparia da danação, que eram os mercadores da vida humana e os emprestadores a juros escorchantes.

Ilustrado com fotografias de lápides (alguns epitáfios são curiosos, como o da católica que confessa que está ali, enterrada, muito contra a sua vontade) e segmentos de textos históricos originais, o livro alia a rigorosa pesquisa histórica à leveza do texto jornalístico.



Abalo será geral com definição de chapas

Data: 27/01/2014
18:52:57

Duas decisões de alta gravidade, uma no governo, outra na oposição, enfeitam a cena política, porque delas haverá necessariamente desdobramentos de forte influência na campanha e nos resultados eleitorais. As atenções, portanto, estão aguçadas, de acordo com a sensibilidade do momento.

Nos bastidores, as opiniões e informações transitam com clareza, como a de uma fonte do PP que acredita no rompimento do partido com o governo caso não seja Mário Negromonte o vice na chapa de Rui Costa (PT), ressalvando que este é seu sentimento, não uma decisão da legenda.

O concorrente Marcelo Nilo (PDT), porém, tem mais currículo e vivência no grupo. Anunciou que não mudaria de lado em hipótese alguma em caso de exclusão, mas certamente iria se dedicar preferencialmente à campanha para deputado, talvez batendo novo recorde de votos, e continuar exercendo suas prerrogativas de presidente da Assembleia.



Souto estaria escolhido na oposição

Data: 27/01/2014
18:51:32

Se as perspectivas não são confortáveis para o governo, o campo adversário também poderá ter perdas a contabilizar. O complicador é o ex-governador Paulo Souto, que até, nas últimas horas, vem sendo apontado como candidato já definido, só faltando o anúncio.

Um dirigente de importante partido da oposição comentou hoje: “Não é mole. Geddel tem quatro anos trabalhando, recusou ser senador, ser ministro, e Paulo Souto, totalmente de fora, vem de lá e aceita”, acreditando, também, que a decisão está tomada.

Nesse caso, Souto teria evoluído de uma posição avessa à candidatura, por motivos que teria confidenciado, como o de representar o antigo numa época em que a população sonha com o novo, para uma decisão que vai tirar o gás do mais disposto pretendente ao governo, Geddel Vieira Lima.



Nilo x Geddel, um embate no futuro

Data: 27/01/2014
18:50:07

Caso se confirme Souto na cabeça, nada indica que Geddel, inclusive por suas próprias declarações, venha a participar da chapa como candidato a vice ou a senador. Em recente comentário, questionamos seu destino, ante o fato de seu irmão Lúcio vir exercendo com propriedade o mandato de deputado federal.

Pois hoje mais uma especulação circulou na Assembleia Legislativa, dando conta de que a opção de Geddel seria, exatamente, disputar um mandato de deputado estadual com a pretensão, quem sabe, de vir a ser o presidente da Casa. Seria uma dobradinha em família que nada teria de politicamente artificial.

Mas este tema, de certa forma etéreo, é tratado aqui porque se estaria antevendo a pugna do século na Assembleia, um confronto que a próxima configuração do plenário poderia propiciar: Marcelo Nilo e Geddel Vieira Lima concorrendo a presidente do Legislativo.



Rumo ao penta

Data: 27/01/2014
18:48:37

Muito a propósito, um deputado de forte ligação com Nilo, em conversa, hoje, com este blog, disse ter certeza de que, “caso o governo ganhe a eleição, ninguém tira de Marcelo a presidência”.

O parlamentar acha que “qualquer governo faz a maioria” e afirma que na Assembleia há um princípio: ninguém vota num petista. “Eles podem fazer a maior bancada, como hoje, que não adianta, o presidente vai ser de outro partido”, assegurou.

Num quadro desses, os deputados prefeririam a continuidade, que eles próprios referendaram por quatro vezes. “Se fosse você”, perguntou o deputado ao repórter, “ia querer ficar com o conhecido ou com o desconhecido?”



Projeto liberta animais de testes

Data: 27/01/2014
18:47:02

O deputado Elmar Nascimento (DEM) deu entrada em projeto de lei proibindo a utilização de animais para desenvolvimento e testes de produtos cosméticos e de higiene pessoal, a exemplo de cremes, perfumes e sabonetes.

O projeto prevê que as instituições, unidades de pesquisa e profissionais que descumprirem as disposições podem ser punidos progressivamente com o pagamento de multas que variam de R$ 10 mil a R$ 50 mil por animal.

São passíveis de punição pessoas físicas e jurídicas, como instituições ou estabelecimentos de ensino e organizações sociais com ou sem fins lucrativos, que transgredirem a lei ou se omitirem no dever legal de garantir seu cumprimento.



Deputado diz que Wagner controla finanças

Data: 27/01/2014
18:44:36

A insistente crítica da oposição, de que o governo não está fazendo investimentos, “não condiz com a realidade”, segundo o deputado Zé Raimundo (PT), que citou obras em realização em Salvador e foi irônico com os adversários:

“Os seguidores do prefeito de Salvador estão felizes da vida! Se eu fosse dessa corrente, todos os dias acenderia uma grande vela para o Senhor do Bonfim, porque o governador assumiu o abacaxi do metrô e a sucata dos trens do subúrbio”.

O deputado entende  que “merecem o aplauso da oposição” o compromisso de repassar mais de R$ 120 milhões por ano para a manutenção do metrô e a abertura de avenidas em “pontos de estrangulamento” da cidade.

Zé Raimundo acrescentou que, se os interesses de Wagner fossem eleitoreiros, ele “estaria investindo irresponsavelmente”, tendo preferido “atender aos controles interno e externo para que as finanças estaduais, no último ano, estejam no padrão permitido”.



Ameaça de trauma na base com cirurgia do vice

Data: 25/01/2014
12:55:08

Deputado da base governista que não é do partido de nenhum dos dois afirma, sem meias palavras, que a decisão para o candidato a vice-governador na chapa “vai dar problema, seja quem for o escolhido” – Mário Negromonte (PP) ou Marcelo Nilo (PDT).

A interpretação do parlamentar é de que, se der Negromonte, “o PDT e Marcelo esfriam”, mas, se for o contrário, “o PP diz que rompe”. Ele explica a pressão dos dois pretendentes, dizendo que, “em política, quando se sabe que o cara não briga, que é ‘de casa’, ele se lenha”.

Adepto da candidatura de Nilo, o deputado afirma que o presidente da Assembleia topa o confronto em qualquer critério: apoio de deputados estaduais e federais, quantidade de prefeitos aliados, apoio de partidos e votos na última eleição.




Página Anterior    Próxima Página