Salvador, 23 de agosto de 2017

Campos enxerga 2018 no convite a Calmon

Data: 28/02/2013
11:54:42

O convite do governador Eduardo Campos à ministra Eliana Calmon para ingressar no PSB e disputar o governo da Bahia, efetivamente formulado, não é um rapapé para agradar à magistrada, notabilizada pela postura crítica que exibe com relação ao Poder Judiciário.

O presidente nacional do PSB deseja-a para pressionar a senadora Lídice da Mata a ser ela própria a candidata, podendo essa pressão chegar a extremo inimaginável. Campos está insatisfeito com a “condução petista” que Lídice pretenderia dar ao processo sucessório no Estado, segundo revela a Por Escrito uma fonte ligada ao partido.

Não que o governador de Pernambuco seja candidato a presidente, pois ele pensa mesmo é em concorrer ao Senado e apoiar a reeleição de Dilma Rousseff. Seu objetivo está em 2018, mas, desde já, ele precisa de um palanque que possa expandir o PSB na Bahia.

O raciocínio de Campos, aparentemente correto, é de que, se Lídice apoiar o candidato do governador Jaques Wagner na Bahia, estará preparando a cama para que, na eventual sucessão de Dilma daqui a cinco anos, seja novamente um petista a deitar-se nela. Por isso, disse a Lídice: “Você é candidata natural, mas temos opção”.



Senadora já "escolheu" seu caminho

Data: 28/02/2013
11:52:35

Em nota divulgada no dia 14 de janeiro, sob o título “Um problema para 2014”, este blog havia tratado da hipótese de Eduardo Campos exigir uma candidatura do PSB ao governo do Estado.

Numa “encruzilhada difícil”, como dissemos, Lídice teria de optar entre a legenda em que ocupa “posição de destaque” e “as forças com as quais compartilha o poder na Bahia desde a política estudantil”.

Exatamente um mês depois, no dia 14 passado, a imprensa trazia declaração de Lídice ante a perspectiva dessa exigência do PSB: “Não se trata de romper com Wagner. É uma situação que ele vai ter que entender”.

A fonte de que se valeu este blog na nota acima foi confrontada com essa informação, pois a senadora deu clara comprovação de que não daria “condução petista” à questão. A resposta: “Lídice foi acuada pela [direção] nacional. Ela poderia até perder o partido”.



Ministra reflete

Data: 28/02/2013
11:51:13

A ministra Eliana Calmon “está refletindo” e “ninguém sabe” que posição tomará em relação ao convite de Eduardo Campos.

Continua valendo, portanto, sua recente declaração de que não tem talento para a política e que seu negócio é a magistratura.



PSB pode ganhar até cinco deputados

Data: 28/02/2013
11:50:30

Independentemente dos projetos que estejam passando pela cabeça dos mangangões do PSB, alguma coisa de muito portentosa está acontecendo na seção baiana do partido, conforme informações que este blog recebeu, de fontes diferentes e isoladas, sobre a perspectiva de atração de deputados federais.

Uma delas dá conta de que poderão filiar-se à legenda os deputados Arthur Maia (PMDB), Acelino Popó (PRB) e Félix Mendonça Júnior (PDT). Se for verdade, no caso dos dois últimos seria uma transferência dentro das forças governistas – do ponto de vista baiano –, o que poderia permitir alguma acomodação.

Quando a Maia, dificilmente deixaria de sofrer um processo por infidelidade partidária. Comenta-se até, desde o episódio da eleição do líder na Câmara, em que preferiu Sandro Mabel a Eduardo Cunha, o candidato dos irmãos Vieira Lima, que ele estaria “armando para Geddel cacetar e ele ter motivo para sair”. Mas o fato é que Geddel tem ficado na dele.



Rocha e Argôlo seriam casos distintos

Data: 28/02/2013
11:47:39

Outra fonte atesta que José Rocha (PR) e Luiz Argôlo (PSD) poderão ser os novos “socialistas” e que o “desejo” de ambos foi comunicado ao partido pela própria senadora Lídice, em reunião da Executiva sábado passado.

A questão aí tem dois aspectos distintos, apesar de tudo ocorrer na base do governo Wagner. Rocha talvez pudesse enfrentar alguma resistência, pois se sabe do tipo de controle que o presidente César Borges exerce no PR.

Já Argôlo, não terá problema, se continuarem válidas as palavras de Otto Alencar, quando ainda tentava organizar seu PSD, de que não colocaria obstáculos a quem no futuro, não quisesse mais ficar no partido.



A 417 prefeitos

Data: 28/02/2013
11:46:26

Um pedido de desculpa indeclinável: no texto “Unificação de eleições federaliza pleito municipal”, do dia 23, Por Escrito omitiu o cargo de prefeito entre os que são consagrados democraticamente nas urnas.



BLAGUE NO BLOG - Sai pra lá

Data: 28/02/2013
11:45:42

O deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), relator da CPI do mensalão (chamada “CPI dos Correios”) era entrevistado, na época em que estourou o escândalo, pela jornalista Cláudia Bontempo, no Bom Dia Brasil, da Rede Globo.

Numa resposta, ele citava Simone Vasconcelos – cujo nome reapareceu agora no julgamento no Supremo Tribunal Federal – como a pessoa que transportou, de um banco para um hotel, “uma mala de dinheiro” que seria entregue a um, digamos, beneficiário.

Houve um desvio de assunto na conversa, e quando Serraglio retomou sua linha de raciocínio equivocou-se no nome, com aquele carregado sotaque paranaense: “Então, a Cláudia pegou ô dinheirô...”

Foi o suficiente para a jornalista interrompê-lo: “Peraí, deputado, a Cláudia, não. A Simone!”



Uma vaga para três

Data: 28/02/2013
11:43:38

Sair de baixo com a afirmação de que nem é membro da comissão, e portanto não teria como influir na votação, não é suficiente para o presidente Paulo Câmara (PSDB) ser desculpado pela crise criada na Câmara Municipal com a eleição do vereador Euvaldo Jorge (PP) para presidente da Comissão de Transporte.

Ao comprometer-se com três vereadores em troca do voto para a presidência da Casa, Câmara meteu-se numa camisa de onze varas. Não pôde eleger seu preferido, Henrique Carballal (PT), porque não teve condições políticas. Alberto Muniz (PP) foi descartado pela proximidade a Carlos Muniz (PTN), que o prefeito ACM Neto não queria.

Sobrou Euvaldo, que terminou vencendo a eleição secreta por 4 a 2. Quaisquer que tenham sido os motivos de Câmara, o fato consumado tende a perturbar sua carreira, pois, se em política vale quase tudo, a quebra de acordo não está incluída.



Viva o bom humor

Data: 28/02/2013
11:40:23

Gaiatos para falar mal de governo, mesmo sinceramente governistas, como é o presente caso, sempre existem.

Comentava-se, com base no noticiário sobre Bento XVI na televisão, a afirmação de um monsenhor de que “o papel do pontífice, como diz a palavra, é construir pontes”.

Evidentemente, no meio maligno da política, alguém comentou: “A gente podia chamar ele para construir a de Itaparica”.

O governista não se acanhou com o ataque. “A gente podia também trazer Fidel, que é um estadista, para terminar o estádio”.



Servidor tem até hoje para declarar parentes

Data: 28/02/2013
11:39:07

Encerra-se hoje o prazo para apresentação da declaração, pelos servidores públicos municipais, sobre parentes que ocupem cargos efetivos ou em comissão, bem como os empregados das empresas públicas da Prefeitura de Salvador.

A medida se destina ao combate ao nepotismo, determinado por decreto do prefeito ACM Neto baixado em 17 de fevereiro.



Candidatura majoritária de Otto é inevitável

Data: 27/02/2013
21:07:44

Não foi só para falar no apoio à reeleição da presidente Dilma Rousseff que as principais figuras do PSD se reuniram hoje em Brasília. A candidatura do vice-governador Otto Alencar nas eleições majoritárias do próximo ano está consolidada, e a esta altura o que se pode discutir são o cargo e as circunstâncias.

Quanto à questão nacional, já vem de alguns meses o empenho de Gilberto Kassab para ser ministro, passo indispensável a seu projeto imediato de recuperar as perdas da eleição municipal. É difícil arrumar espaço, e por isso, de vez em quando, ele lembra que o voto em Dilma não depende dele, mas do partido, em “decisão democrática”.

Nos meios políticos, o entendimento é de que a presidente não quer deixar tamanho capital político em clima de volatilidade, e que ela é capaz até de criar um ministério para Kassab. Não seria de todo surpreendente, porque, afinal, o ex-prefeito de São Paulo criou um partido que até hoje só tem sido dela.



Seria gigantesca "zebra" Dilma sem o PSD

Data: 27/02/2013
21:05:47

A situação está pendente, como se deduz da própria notícia divulgada hoje pelo partido na Bahia, interpretando o apoio a Dilma como “tendência natural”, embora ressaltando um “condicionamento”, que seria a “continuidade de um bom governo”.

Se tudo correr bem nacionalmente, Otto poderá, por extensão, concorrer a governador ou a senador, mas se der o que seria uma “zebra”, com o fechamento do PSD com outra candidatura a presidente, dificilmente não cairia uma bomba atômica no cenário baiano.

Não há dúvida de que, na hipótese de um rompimento, o vice-governador poderia ser o piloto regional de um grande acordo envolvendo fragmentos expressivos do governo e da oposição. A dificuldade é a lealdade dele, dizem.

O trabalho de Otto aponta para a cabeça da chapa governista. Sua reiterada manifestação pelo Senado repete, segundo experientes políticos, a história, aqui contada recentemente, do sapo que suplica ao algoz para atirá-lo no fogo, porque na água ele não sobreviveria.



Ninguém tasca

Data: 27/02/2013
21:03:30

Com a devida antecedência, o deputado Nelson Leal (PSL) adverte: “Sou candidato à próxima vaga da Assembleia Legislativa no Tribunal de Contas do Estado e vou bater chapa no plenário com quem quer que seja”.

Leal tencionava ocupar a cadeira destinada em dezembro ao ex-deputado Gildásio Penedo, tendo saído da disputa por entender que “Gildásio construiu uma coisa quase unânime na Casa”.

Serão aposentados no TCE em 2014, compulsoriamente, por completarem 70 anos, os conselheiros Filemon Matos (24 de janeiro), França Teixeira (4 de junho) e Zilton Rocha (1º de setembro). Três oportunidades para Leal conseguir sua unanimidade.



Precariedade

Data: 27/02/2013
21:02:25

Policiais denunciam a situação da delegacia de Bom Despacho, município de Vera Cruz, na Ilha de Itaparica. Uma viatura nova está parada por falta da correia do gerador e o imóvel é frágil, oferecendo grande facilidade para uma fuga.

É preciso comprar água mineral, porque a das torneiras “é imbebível”. Os agentes não têm uma sala para descansar nos plantões e só há duas celas, pois a terceira é usada para a guarda de objetos recuperados de furtos e roubos.



Só com o PCC

Data: 27/02/2013
21:01:16

Queixa-se cidadão prejudicado em suas tentativas de comunicação: “O sinal de celular na Assembleia é pior do que nos presídios”.



Governo tenta esconder fiasco da Fonte Nova

Data: 27/02/2013
01:04:39

O anúncio de que a Arena Fonte Nova não mais será inaugurada festivamente no dia 29 de março porque é sexta-feira da Paixão e o evento poderia ser esvaziado é uma prova cabal de que o governo do Estado perdeu o senso do ridículo e não está agindo com a transparência que o caso requer.

O estádio não será inaugurado, obviamente, porque não está pronto, e também por isso foi transferido para Pituaçu o clássico Bahia x Vitória do campeonato baiano, marcado para o domingo de Páscoa e que certamente esgotaria a lotação.

A notícia foi divulgada pela TV Bahia, no jornal BA TV da noite de terça-feira, como resultado de uma “reunião entre o governo do Estado e representantes da arena”, acrescentando que “a nova data de inauguração deve ser divulgada amanhã”.

O quadro é de tal forma confuso que na última segunda-feira o secretário para assuntos da Copa do Mundo, Ney Campello, em primor de declaração, afirmou à imprensa que a data de inauguração poderia ser mantida, antecipada ou adiada.



Dilma viria em abril para faz-de-conta

Data: 27/02/2013
00:57:36

Absurdo maior pode ser constatado na informação final da matéria: “O consórcio responsável mantém a previsão da entrega da arena ao governo para depois de amanhã, dia 28 de fevereiro”.

Na verdade, a conclusão dos serviços demanda pelo menos mais 60 dias de trabalho, levando à conclusão de que a solenidade prevista para abril, com a presença da presidente Dilma Rousseff, não passaria de um jogo de cena.

Fonte deste blog assegura que a “inauguração” que o governador Jaques Wagner fará com Dilma esconderá da presidente, até com tapumes de gesso, partes da obra em andamento, especialmente de acabamento.



Blog questionou erro de projeto na cobertura

Data: 27/02/2013
00:56:15

Não é segredo para os leitores de Por Escrito, e entre eles deve haver alguns com responsabilidade no governo do Estado, que pode ter ocorrido um erro de projeto na obra de cobertura da Arena Fonte Nova.

O assunto foi levantado em postagem do dia 5 de janeiro, em nota intitulada “Fonte Nova seria coberta com ‘armengue’”. A membrana de cobertura não estaria ajustada à estrutura de sustentação, adiando a colocação, antes prevista para dezembro.

No dia 7, transcrevemos a íntegra de comunicado que recebemos do consórcio construtor da arena, formado pelas empresas Odebrecht e OAS e denominado Fonte Nova Participações, em que não foi desmentido expressamente o suposto “erro de projeto”.



Consórcio não respondeu sobre contratação da 3M

Data: 27/02/2013
00:54:56

No dia 17 de fevereiro, citando “fonte bastante próxima do empreendimento”, este blog informou que havia sido contratada “a conhecida empresa norte-americana 3M para tentar resolver as sérias dificuldades” para instalação da cobertura.

Reiterou-se, então, “um erro de projeto que estaria impedindo o encaixe correto – ou seja, parafusado – da membrana na estrutura metálica de sustentação da cobertura”, para o qual se tentou, sem êxito, “uma solução de engenharia”.

A empresa presta serviço à Nasa na colagem de componentes de foguetes, mas mesmo sua atuação, como dissemos no texto “Solução não serviria para a Copa do Mundo”, não tranquilizou a equipe técnica, já que cada folha da membrana pesa 1,5 tonelada, e um excesso de água de chuva poderia causar um acidente.



Passado de tragédias e segredo: 1971 e 2007

Data: 27/02/2013
00:53:12

Outra matéria da sequência, sob o título “Segurança é o motivo do questionamento”, destacava o interesse público em torno do tema e indagava aos responsáveis, entre outros aspectos, se “foi ou não contratada a 3M” e se “houve ou não um erro de projeto”.

Dessa vez, não houve preocupação do consórcio Odebrecht/OAS em dar uma resposta, o que remete ao passado recente e ao passado longínquo, quando episódios na Fonte Nova que resultaram em morte de torcedores foram cercados de mistério, permanecendo até hoje sem esclarecimento.

O primeiro, em 4 de março de 1971 – do qual este editor, no verdor dos 18 anos, foi uma das vítimas leves – tem uma explicação: o Brasil vivia o pior momento da ditadura militar, sob a presidência do general Emílio Médici, que estava presente, e a forte censura da época impediu a apuração e divulgação dos fatos.

Era a inauguração do lance superior do estádio, construído 21 anos antes, e durante toda a semana que a antecedeu a cidade foi tomada por boatos de que havia risco de desabamento. Com mais de 100 mil torcedores, um alarme falso provocou pânico.

As pessoas se atropelavam na correria, centenas foram pisoteadas, milhares se atiraram no fosso de mais de dois metros de profundidade, numa verdadeira cachoeira humana. A estatística oficial, no entanto, única permitida, indicou apenas dois mortos.

O segundo episódio, bem vivo na memória dos baianos, ocorreu em 25 de novembro de 2007, quando parte da arquibancada superior se rompeu, projetando de uma altura de 15 metros dezenas de torcedores, causando sete mortes e ferimentos graves em pelo menos 13 pessoas.

Seis anos já transcorreram sem que tenham sido apontados os culpados pela tragédia ou reparadas as consequências do ponto de vista cível, pois ainda há vítimas e familiares de mortos que lutam na Justiça por indenização.



Desrespeito ao Regimento gera conflito na Alba

Data: 26/02/2013
11:02:39

O ácido confronto envolvendo na sessão de ontem da Assembleia Legislativa os deputados Rogério Andrade, no exercício da presidência, e Targino Machado demonstra que, mais ainda do que a tão decantada reforma do Regimento Interno, é preciso que esse guia dos trabalhos legislativos seja integralmente respeitado.

Não é o que vem acontecendo. Frequentemente, ao longo dos anos, os interesses momentâneos têm se sobreposto ao texto pelo que se chama de “acordo de lideranças”, e o resultado é que muitas vezes a dúvida e a desinformação tomam conta do plenário, gerando situações que só depõem contra a imagem da Casa.

Entre outras práticas não previstas, há as prorrogações do pequeno expediente para que oradores façam uso da tribuna, a extensão do prazo de vigência das comissões e o artifício de usar questões de ordem para pronunciamentos sem qualquer relação com o objetivo a que se destinam.

Ocorre um desrespeito generalizado e continuado às determinações do Regimento, de tal forma que, num universo de 63 deputados que nem sempre ou quase nunca sabem o que está acontecendo ou que tipo de acordo está em vigência, produzem-se conflitos que de forma alguma contribuem para o bom andamento da sessões.



Ideia da reforma é avião que jamais decola

Data: 26/02/2013
11:00:23

Desde que foi lançado, há quase quatro anos, este blog tem se referido, por provocação dos próprios parlamentares, à reforma do Regimento, para a qual já foram criadas pelo menos três comissões, as quais praticamente nada fizeram.

Em 16/10/09, por exemplo, sob o expressivo título “PR não aceita mais casuísmo com o Regimento”, noticiamos que foi acertada “a possibilidade de levar ao plenário matéria que tenha sido rejeitada em todas as comissões pelas quais tramitar, desde que por requerimento da maioria absoluta...”

No entanto, em 10/10/11, portanto já em outra legislatura, o deputado Joseildo Ramos ainda criticava o Regimento, que “em todos os capítulos e em todos os artigos (...) tudo é dúbio, dando margem a interpretações discricionárias”.

Nessa época, Joseildo informava que já havia um requerimento com 23 assinaturas, duas a mais que o necessário, para acelerar a tal reforma, mas sua frustração nos levou a dizer, em linguagem até grotesca, que se tratava de “uma caveira de burro a ser desenterrada”.



Estopim do bate-boca foi elogio ao governador

Data: 26/02/2013
10:58:33

Tudo começou, ontem, quando o deputado Adolfo Menezes defendia o governador Jaques Wagner de críticas do deputado Carlos Gaban por causa de notícia de A Tarde dando conta de que o governo baiano estava ultrapassando os limites de gastos impostos pela Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Vejam como é difícil fazer política”, disse Menezes, lembrando que, menos de um ano atrás, a oposição atacava Wagner quando este, por recusar-se a dar aumentos a professores e policiais, enfrentou greves desgastantes, às quais se atribuiu “mais uma derrota do deputado Pelegrino para prefeito de Salvador”.

Para completar, Menezes lembrou que Gaban, “crítico assíduo do governo”, era suplente e só voltou à Assembleia com a indicação ao TCE do ex-deputado Gildásio Penedo. “Só o governador Wagner, desprovido de qualquer tipo de rancor, de perseguição, faria essa nomeação”, afirmou.



Questões de ordem servem para qualquer coisa

Data: 26/02/2013
10:57:28

Como não pode haver aparte no pequeno expediente, primeira parte da sessão, conhecida como “pinga-fogo” por se destinar a discursos de apenas cinco minutos, Gaban pediu uma questão de ordem para responder, mas não foi acatado pelo presidente Rogério Andrade, sob a alegação de que havia um orador na tribuna e que um “acordo de líderes” tinha vetado essa possibilidade.

Vale frisar que, como diz o artigo 225, questões de ordem são usadas para “toda dúvida levantada quanto ao Regimento”, tendo Gaban argumentado que viu, “na semana passada”, outros colegas fazerem-nas para pronunciamentos comuns. Andrade afirmou que não conhecia “essa concessão” e que não permitiria, passando a palavra ao deputado Álvaro Gomes.

Quis então o deputado Targino Machado solicitar uma verificação de quórum para o que se prestam as questões de ordem, mas Andrade novamente recusou devido à existência de um orador na tribuna. “Não estou pedindo, é obrigação de vossa excelência conceder”, reagiu Targino, iniciando-se entre ambos dura discussão.



Parlamentar sugeriu confrontação física

Data: 26/02/2013
10:55:31

Andrade ameaçou cortar o microfone de Targino, que, a bem da verdade, falava com veemência, mas sem ofender o presidente em exercício, apenas afirmando que, como líder de bloco parlamentar, desconhecia tal acordo. Andrade engrossou: “Nesse nível, só aceito discutir com vossa excelência lá fora”.

Após o discurso de Álvaro, que pediu a Targino que o deixasse concluir, o bate-boca se intensificou. Andrade falava no acordo, levando Targino a replicar: “Vossa excelência não deveria estar aí. Fazia um bem maior a este parlamento quando não aparecia”, levando o presidente a ordenar o corte do microfone.

Targino não se acomodou. “A culpa disso é de Gaban. Se não fosse por ele, vossa excelência não estaria aqui”, bradou, numa referência irônica ao processo movido pelo então suplente Gaban para cassar o mandato de Andrade por ter faltado a mais de um terço das sessões em 2011.



Targino aceitou desculpa e seguiu no ataque

Data: 26/02/2013
10:54:14

Foi preciso o deputado Paulo Azi, primeiro secretário da Mesa, explicar a Andrade que não existia o acordo causador de todo o problema, tendo o presidente reconhecido o erro e pedido de desculpa a Targino, que pode ter aceitado, mas não desistiu de castigar o oponente.

“Gostaria de que vossa excelência acreditasse na palavra do deputado Paulo Azi e de igual modo na palavra de todos os outros deputados, porque aqui somos iguais”, afirmou. “Aí, vossa excelência está pedindo demais”, replicou Andrade.

Foi a vez de Targino: “Pedir demais no conceito de vossa excelência não me diz nada. Eu vou estar preocupado no dia em que eu estiver bem avaliado por vossa excelência”. Andrade também ironizou: “Vossa excelência é deputado dos mais equilibrados, quando fala dessa forma todas as pessoas levam a sério”.



Sem nada com isso, Paulo Souto entrou na dança

Data: 26/02/2013
10:52:42

Targino reagiu, qualificando Andrade de “deputado faltoso, que não cumpre as suas obrigações, ingrato”. Nova resposta de Andrade: “Quem tem que me avaliar é a população, e pelo que me consta, eu tive, nas últimas eleições, duas vezes mais votos do que vossa excelência”.

O ex-governador Paulo Souto foi citado por Targino: “Vossa excelência chamava Paulo Souto de painho, de meu pai, de tanto que ele lhe ajudou e o pagamento dele...” – possivelmente falaria na saída de Andrade do DEM para o PSD, que, novamente a bem da verdade, não teve ligação com Souto, mas se deve a problemas com o então deputado ACM Neto.

Só não terminou o raciocínio porque Andrade o interrompeu: “Cumpri o meu compromisso com o governador Paulo Souto até o último dia do seu mandato”. Targino contestou: “Não é isso que o ex-governador acha”. O edificante debate continuou por alguns minutos, esperando-se que sirva para melhor reflexão da Casa nos próximos dias.



Sistema de ônibus está na base da crise da Câmara

Data: 25/02/2013
09:42:21

Frequentando a mídia há quase uma semana, a quebra do acordo que terminou na eleição do vereador Euvaldo Jorge (PP) a presidente da Comissão de Transporte, Trânsito e Serviços Municipais, em detrimento de Henrique Carballal (PP), jamais foi explicada com clareza no noticiário.

Mas, para gerar tanta confusão, inclusive com ameaças não cumpridas de renúncia dos presidentes e membros das demais comissões, algo de muito importante está por trás. A motivação mais plausível é a disposição da Prefeitura de promover nova licitação para exploração do transporte coletivo na capital.

Fonte deste blog com amplo trânsito nos desvãos da Câmara diz que Carballal, que tem forte ligação com os empresários de ônibus, “dificultaria muito a abertura do sistema”, como deseja o secretário José Carlos Aleluia, inconformado com os altos lucros dos empresários em contraposição a um serviço de má qualidade.

No caso de sair a licitação, “bastaria um telefonema de Aleluia para empresários de São Paulo e eles desembarcariam em Salvador com uma proposta para deixar os daqui no chinelo”, assegura a fonte. A cidade ganharia ônibus modernos, com ar-condicionado, tarifa mais barata e numa quantidade que acabaria a superlotação.



PSD tem novo vice

Data: 25/02/2013
09:40:22

O diretório regional do PSD elegeu o deputado Adolfo Menezes vice-presidente estadual do partido.



Projeto acaba taxa de religação

Data: 25/02/2013
09:39:49

O deputado Targino Machado (PSC) movimenta-se pela aprovação de seu projeto que proíbe a Coelba de cobrar taxa de religação de energia após corte por falta de pagamento.

“Isso é uma fonte de receita indevida para a concessionária”, disse o parlamentar, questionando: “Quer dizer que o cidadão pobre que teve sua luz cortada vai lá, paga a multa, paga a mora e continua inadimplente?”

Citando o artigo 42 do Código de Defesa do Consumidor, Targino destacou que “o usuário do serviço não poderá, na cobrança de dívidas, ser submetido a ameaça, caracterizada pelo fato de que não terá sua energia de volta se não pagar além do que deve”.



Seca administrativa

Data: 25/02/2013
09:38:44

Nos bastidores políticos, a dificuldade de o governo Jaques Wagner fazer o sucessor é atestada por um sintoma, revelado por um assessor de parlamentar da base governista: “Os secretários nem estão recebendo mais os prefeitos, porque não têm nada a oferecer, mandam os assessores e os chefes-de-gabinete”.



Obra de presídio parada em Conquista

Data: 25/02/2013
09:37:29

O presidente da OAB de Vitória da Conquista, Gutemberg Macedo Júnior, está, segundo fonte deste blog, “irritadíssimo” com o atraso da construção do presídio do município, paralisada há quase três anos.

“Os advogados reclamam da grande quantidade de presos indevidamente custodiados em delegacias, superlotando as carceragens”, sem que uma solução se vislumbre para o caso.

A fonte citou notícia recentemente publicada no blog de Nildo Freitas dando conta de que as obras, iniciadas em junho de 2009 e com custo estimado em R$ 17 milhões, foram suspensas no ano seguinte “por falta de pagamento”.

Em março do 2010, foram roubadas máquinas no próprio canteiro. A retomada dos serviços depende agora de um parecer do Ministério da Justiça, “que está formulando um novo projeto para o empreendimento”.



Otto só está em busca de "um apoio"

Data: 25/02/2013
09:35:52

A um interlocutor, o vice-governador Otto Alencar reiterou que é candidato ao Senado em 2014, mas não descarta o governo “se tiver um apoio”, que não especificou, mas que se presume seja do governador Jaques Wagner.

Indagado se a candidatura não seria viável caso decidisse disputar, reunindo forças da oposição e antipetistas hoje instalados no governo, saiu de baixo: “Não estou aqui para impor, porque em político isso não dá certo”.



A boa e má Responsabilidade Fiscal

Data: 25/02/2013
09:34:49

Vale recordar trecho do discurso do governador Jaques Wagner na reabertura da Assembleia Legislativa em que ele se refere à Lei de Responsabilidade Fiscal como “uma conquista do povo brasileiro”.

Como se sabe, a LRF é de autoria do governo Fernando Henrique Cardoso e foi aprovada contra a vontade do PT, numa época em que Wagner era deputado federal e, possivelmente, não tinha a visão que tem agora da questão.

Mas ele faz uma ressalva: a lei precisa ser revisada “para tirar o cutelo da cabeça dos prefeitos”, que passaram a ter séria dificuldade para cumpri-la em decorrência da “restrição de receita” que sofreram nos últimos anos.



"Yo no creo en las brujas..."

Data: 23/02/2013
12:21:39

Antes sem fiscalização, a coleta de lixo na cidade agora tem 20 equipes para checá-la continuamente, com multa para as empresas que não cumprirem os contratos.

Antes sem recolher o ISS, os empresários de ônibus da capital o fizeram pela primeira vez no mês passado.

Antes recebendo “a migué” por serviços de saúde prestados via SUS, as clínicas e hospitais de Salvador tiveram o pagamento suspenso até que uma auditoria comprove a veracidade dos custos.

São exemplos de moralização do uso dos recursos públicos municipais relatados pelo próprio prefeito ACM Neto, que, portanto, e sem brincadeira, deve redobrar daqui para a frente os cuidados com sua segurança.



Rosemberg quer Wagner até o fim

Data: 23/02/2013
12:20:28

O líder do PT na Assembleia Legislativa, Rosemberg Pinto, defendeu, em entrevista a Por Escrito, “a permanência do governador Jaques Wagner no cargo até o final do mandato” para garantir a indicação de um candidato do partido a sua sucessão e dar-lhe condição de vitória na eleição de 2014.

“O PT tem legitimidade, e o governador, que vai conduzir o processo, tem dito que o partido está credenciado para encabeçar a chapa”, disse o deputado, que não via necessidade de “rapidez” no processo, afinal deflagrado pela Executiva, ao reconhecer em nota pública a existência de quatro pré-candidatos.

A eleição de governador e a escolha do próximo presidente regional são, para Rosemberg, os dois grandes temas que o PT tem para discutir este ano, e ele vê, necessariamente, uma vinculação entre ambos. “Partido que quer fazer o sucessor tem de estar unido”, sintetizou.

Assim, embora relacione “cinco bons nomes” para o lugar hoje ocupado por Jonas Paulo – nesta ordem, Everaldo Anunciação, Marcelino Galo, Nelson Pelegrino, Emiliano José e Luiz Alberto –, ele acha que o atual presidente “deve conduzir o debate, respeitando os movimentos, para construir a candidatura única”.

Rosemberg, que, na condição de líder, não quis manifestar preferência, afirmou que a questão começará a ser encaminhada na próxima semana, quando as bancadas federal e estadual se reunirão com a direção do partido, e que “todos os postulantes têm legitimidade”. O encontro será segunda-feira ou quinta, a depender da disponibilidade dos deputados federais.



Natimorto

Data: 23/02/2013
12:18:10

Está fadado à rejeição o projeto de lei que tramita na Câmara dos Deputados determinando a realização do “teste da linguinha” em todos os recém-nascidos para corrigir, caso ocorra, a anomalia conhecida como “língua presa”.

Nos bastidores, diz-se que a maioria governista capitaneada pelo PT vê na ideia do deputado Onofre Santo Agostini (PSD-SC) uma tentativa de evitar a repetição do fenômeno Lula.



Linguarudo-mor

Data: 23/02/2013
12:17:22

Curioso, nisso tudo, é que Lula é, na verdade, um língua solta conhecido. Sua mais recente demonstração foi na solenidade de aniversário do PT, quando perdeu a medida ao bater nos partidos políticos, começando pelos da oposição e chegando aos aliados do governo, com exceção do seu.



Unificação de eleições federaliza pleito municipal

Data: 23/02/2013
12:16:32

Mais preocupados com os gastos do que com aspectos institucionais, muitos políticos defendem a unificação das eleições. De uma só penada – ou teclada –, seriam eleitos vereadores, deputados, senadores, prefeitos, governadores e presidentes.

A fórmula já existiu no país – na eleição de 1982 –, mas foi suprimida pelos constituintes de 1988 por motivos que variavam da dificuldade imposta aos eleitores menos preparados, pois na época o voto era escrito, à importância dada às práticas democráticas com o fim do regime militar.

O fator mais negativo da coincidência era a federalização das eleições municipais, pois os temas locais tinham influência excessiva na escolha de governadores e presidente – risco que permanece, mesmo com o peso maior que têm hoje o rádio e a televisão nas eleições majoritárias.

Entretanto, um aspecto que diz respeito diretamente ao interesse da classe política é que poderá determinar o sepultamento da ideia: se as eleições ocorrerem todas num mesmo ano, vereadores não poderão candidatar-se a deputado nem deputados poderão disputar prefeituras sem o risco de ficar sem mandato.



Exercício findo

Data: 23/02/2013
12:14:29

Ao maestro Letieres Leite, que teve seu sax furtado e tenta reavê-lo por meio de uma campanha em rede social, uma lamentável constatação da sabedoria popular: “Já era, pai véio”.




Página Anterior    Próxima Página