Salvador, 17 de dezembro de 2017

Escravagismo resiste 126 anos depois

Data: 30/12/2014
17:17:30

Num país que aboliu o trabalho escravo no século XIX e ainda o flagra até na cidade de São Paulo, seu maior centro industrial, não é de estranhar que haja dificuldade para a criação uma legislação de combate a essa abominável prática, que remete aos mais perversos traços da espécie humana.

Havia, na Assembleia Legislativa, um acordo entre governo e oposição para aprovar o projeto de lei nº 20.975/14, que o governador Jaques Wagner encaminhou por sugestão do deputado Joseildo Ramos (PT). Deveria ter sido votado ontem, mas a rejeição de duas emendas gerou um clima que acabou tirando a matéria da pauta.

O projeto pune empresas que explorarem o trabalho escravo ou em condições análogas com a suspensão da inscrição no ICMS e a proibição de contratar com o poder público e usufruir de benefícios fiscais e administrativos pelo prazo de dez anos. Seus sócios ficam, por igual período, impedidos de atuar no mesmo ramo de atividade.



Lei proíbe até o sacrifício voluntário

Data: 30/12/2014
17:15:48

As emendas que provocaram a suspensão da votação são de autoria do deputado Luiz Augusto (PP) e ambas fazem pequenos acréscimos a incisos do parágrafo único do artigo 1º, nos quais são caracterizadas as “condições análogas à escravidão”.

No primeiro caso, a proibição da “submissão a trabalhos forçados ou jornadas exaustivas” ganha um adendo: “Ressalvado, neste último caso, o trabalho realizado por empreitada”.

A questão é que a jornada de oito horas diárias, extensíveis, por acordo, no máximo, em duas horas, é uma conquista de mais de 70 anos da classe trabalhadora. Não se pode, por simples bom senso, admitir a vigência de “jornadas exaustivas”, mesmo que seja um desejo expresso do empregado.

No outro, caso, no item em que se veda a “submissão a condições degradantes de trabalho”, estas precisariam, segundo a emenda de Luiz Augusto, ser “definidas (...) em regulamento do Poder Executivo” – ou seja, o governador diria, por decreto, o que ele considera “condições degradantes”.



Uma semana que pode valer um século

Data: 30/12/2014
17:13:43

Tais analogias com trabalho escravo não deixam dúvida, nem outras capituladas no projeto, como “a restrição à locomoção do trabalhador, em razão de dívida contraída com o empregador” e “o cerceamento do uso de qualquer meio de transporte”, além da “vigilância ostensiva no trabalho” e “retenção de documentos ou objetos pessoais do trabalhador”.

A matéria, como se disse, foi retirada de pauta e deverá voltar a ser apreciada na próxima segunda-feira, após uma semana de muito conflito de bastidores. A depender do destino que tomar – e da essência de seu conteúdo –, saberemos em que século estamos, de fato, vivendo.



Como é gostoso ser Mendonça

Data: 30/12/2014
17:12:30

O governador eleito Rui Costa escolheu Fernanda Mendonça para a Secretaria da Agricultura e Manoel Gomes de Mendonça para a de Ciência e Tecnologia.

O prefeito ACM Neto não quis ficar atrás: nomeou Andréa Mendonça para a Secretaria de Desenvolvimento e Érico Mendonça para Cultura e Turismo.

Mesmo que não façam parte da mesma família, trata-se de sobrenome de evidente prestígio.



Ônibus acabam adiando votação do orçamento

Data: 30/12/2014
00:53:30

Ficou para a próxima segunda-feira, dia 5 de janeiro, a votação em primeiro turno do orçamento do Estado para 2015, depois que a Assembleia Legislativa aprovou uma série de matérias que se encontravam na pauta.

Quando o projeto ia ser votado, por volta das 22h45, o deputado Elmar Nascimento (DEM) pediu vista do parecer que acabara de ser lido pelo relator Paulo Câmera (PDT).

O líder alegou que a bancada ficou insatisfeita com a notícia de A Tarde de hoje, dando conta de que a oposição teria negociado o apoio em troca da cessão de um ônibus a cada deputado.



Projetos aumentam subsídios de autoridades

Data: 30/12/2014
00:51:49

Governador, vice-governador, secretários de Estado e deputados estaduais tiveram seus subsídios reajustados por projetos de decreto legislativo da autoria da Mesa Diretora.

Com o aumento, os deputados passarão a receber R$ 25.322,50. O governador terá subsídio de R$ 22 mil e o vice-governador e secretários, de R$ 19 mil. Foi aprovado ainda o reajuste do auxílio mensal concedido aos deputados.

Outro projeto aprovado, de número 21.051/14, determina a disponibilização de seguranças e motoristas para servirem aos ex-governadores do Estado.



MP também ganhará mais

Data: 30/12/2014
00:44:43

Os procuradores do Ministério Público ganharão, a partir de 1º de janeiro, subsídios mensais de R$ 30.471,11, conforme o projeto de lei nº 21.045/14, aprovado por 36 votos a um.



Desembargadores para a Câmara do Oeste

Data: 30/12/2014
00:44:02

O projeto nº 21.041/14, originário do Tribunal de Justiça, foi aprovado por unanimidade pelo plenário, criando  34 vagas de juiz substituto e oito de desembargador. Os desembargadores, conforme o texto, serão destinados “à implantação e funcionamento da Câmara Especial do Extremo Oeste Baiano”.



Plantão noturno

Data: 30/12/2014
00:42:22

Coube ao deputado Euclides Fernandes (PDT) ler os pareceres de todos os aumentos de subsíbios aprovados pela Assembleia.

Um projeto atrás do outro, ele nem precisou deixar a tribuna. Aguardava somente a entrega da papelada.

Lembrou o ex-deputado Rubem Carneiro, que nos tempos do carlismo foi apelidado pela então deputada estadual Alice Portugal (PCdoB) de “parecerista-mor”.



Trabalho escravo retirado da pauta

Data: 30/12/2014
00:41:27

Não foi desta vez que saiu a lei que impõe graves sanções a empresas flagradas na prática de trabalho escravo, de autoria do Poder Executivo, por proposta do deputado Joseildo Ramos (PT).

Relator da matéria, o próprio Joseildo recusou duas emendas apresentadas pelo deputado Luiz Augusto (PP), que pediu vista da matéria, o que era regimentalmente impossível na etapa da tramitação.

Como o parlamentar estava muito aborrecido, o presidente Marcelo Nilo insinuou um acordo para a retirada do projeto, o que foi aceito pelos líderes Zé Neto e Elmar Nascimento. A votação no plenário está prevista para a próxima semana.



Casos para pena de morte - XII

Data: 30/12/2014
00:39:58

Molhar o dedo na língua para passar páginas.



Aprovadas contas de Wagner

Data: 29/12/2014
22:59:48

Por 32 votos a seis, foram aprovadas há poucos minutos as contas do governador Jaques Wagner relativas a 2013. O quórum de votação só foi completado, com o registro da presença do deputado Luiz Augusto (PP), a 14 segundos do encerramento do prazo de verificação.



Iniciada a ordem do dia na Assembleia

Data: 29/12/2014
22:40:22

Foi iniciada às 21h30 na Assembleia Legislativa a ordem do dia, que é o período da sessão em que se votam as proposições da pauta.

O presidente Marcelo Nilo anunciou a votação das contas do governador Jaques Wagner de 2013, o primeiro turno do orçamento de 2015, cinco projetos de resolução da Mesa Diretora e projetos oriundos do Ministério Público e do Tribunal de Justiça.

Outros projetos relacionados dependem de acerto entre os líderes das duas bancadas para dispensa de formalidades, que ainda não foi confirmada.

No momento, aguarda-se a composição do quórum de votação – 32 deputados – para a apreciação das  contas do governador.



Deputados gastam o tempo em elogios mútuos

Data: 29/12/2014
21:39:58

A sessão da Assembleia Legislativa atinge as 20h30min preenchida apenas por discursos de deputados que se despedem do mandato, por terem sido derrotados ou porque se elegeram para o mandato federal.

A ciranda começou por volta das 16 horas, com Álvaro Gomes (PCdoB), e continuou com Cacá Leão (PP) e Elmar Nascimento (DEM), que no momento ocupa a tribuna. A bem da verdade, pode-se dizer que não há coisa mais enfadonha.

O plenário transforma-se num palco de oba-oba muitas vezes exagerado. O deputado que fala é aparteado por quase todos os colegas, que o elogiam em demasia e, em contrapartida, recebem também muitos elogios.

Todos são competentes, democratas, sinceros, autênticos e leais. Todos são “grandes amigos”. As divergências desaparecem como por mágica, parece até que se trata de um legislativo de partido único.

É uma prática antiga e recorrente, uma repetição de chavões de um vazio abissal, dos quais quase nada se aproveita. Fica a dúvida se os eleitores acreditam mesmo nesse excesso de baboseira.



Ainda não há acordo na Assembleia

Data: 29/12/2014
18:41:34

Fonte deste blog presente às conversas entre governo e oposição informa que, até o momento, não foi feito acordo para a votação do orçamento.

Tempo não faltou para o entendimento, porque o discurso de despedida do deputado Álvaro Gomes (PCdoB) passou das duas horas de duração.

Na presidência dos trabalhos, o deputado Aderbal Caldas (PP) acaba de propor a prorrogação da sessão por 180 minutos, o que foi aprovado pelo plenário.



Galo crê em ação de Wagner sobre verdade

Data: 29/12/2014
18:36:18

O deputado Marcelino Galo (PT) registrou a entrega, na manhã de hoje, do relatório da Comissão Estadual da Verdade ao governador Jaques Wagner, que assumirá em janeiro o cargo de ministro da Defesa.

Acusando “empresários brasileiros e a grande imprensa” de se associarem ao capital internacional para “financiar o golpe” de 1964, Galo disse ter visto em Wagner a disposição de “fazer a defesa da democracia e do povo, nunca do crime de lesa-pátria hediondo da tortura”.

O documento propõe “a reinterpretação ou mudança da Lei de Anistia” e a reestruturação da grade curricular em escolas públicas da rede estadual e nas instituições de ensino militares.

“O Estado precisa reparar a memória e a história dos brasileiros perseguidos e torturados”, afirmou, acrescentando que “não há como conciliar com quem tortura, mata e dá fim em restos mortais de pessoas que tiveram a hombridade de lutar pelas liberdades individuais e pelo estado democrático de direito”.



Projeto do CIA pode ser retirado

Data: 29/12/2014
17:06:00

Circulou na Assembleia a informação de que o governo está disposto, como parte do acordo para votar o orçamento, a retirar da pauta o projeto relativo ao CIA, que a oposição considera não ser tido uma discussão à altura de sua importância.

Trata-se do PL 21.021/14, que estabelece as diretrizes da Política Industrial da Bahia, dispõe sobre o Plano de Diretrizes Industriais, Logísticas e de Sustentabilidade do Centro Industrial de Aratu e do Canal de Cotegipe e cria o Conselho de Desenvolvimento do CIA.

Na semana passada, esse projeto causou a polêmica que acabou determinando o adiamento para hoje da perspectiva de aprovação do orçamento de 2015 e encerramento da legislatura.



Álvaro despede-se do mandato

Data: 29/12/2014
16:54:40

O quórum foi restabelecido logo após um apelo do deputado Álvaro Gomes (PCdoB), que havia programado para o grande expediente de hoje seu discurso de despedida, “não da luta”, como esclareceu, mas de “12 anos de desempenho do mandato”.

Álvaro iniciou agora sua fala, para a qual terá 25 minutos. Será mais um daqueles longos discursos, em que o tempo previsto é extrapolado, pois, sendo um dos parlamentares mais queridos pelos colegas, Álvaro, certamente, provocará muitos apartes para os elogios de praxe em momentos como este.

Destacando que agora terá "um pouco mais de tempo" para dedicar às duas filhas, Juliana e Lara, o parlamentar disse que, apesar do resultado eleitoral, não se sente "um derrotado", porque não abriu mão dos seus princípios nem sucumbiu ante o poder econômico.

O deputado emocionou-se ao falar de momentos importantes de sua vida, como o nascimento dos filhos, a morte do recém-nascido filho Pedro e, também, o falecimento da esposa, Vanis. Recentemente, nos meses de novembro e dezembro, ele perdeu, respectivamente, o pai e a mãe, João e Diva, aos quais fez pungente referência.



Oposicionistas dizem que não querem acordo

Data: 29/12/2014
16:43:21

Em pronunciamento da tribuna, o deputado Leur Lomanto Junior (PMDB) acaba de declarar-se “contra qualquer tipo de acordo com esse governo”, o que sinaliza para uma longa sessão no dia de hoje, com obstrução cerrada.

Leur manifestou indignação pela matéria de hoje de A Tarde em que se diz que a oposição poderia aceitar a proposta de cessão de ônibus para os parlamentares em troca da aprovação do orçamento.

“Isso não condiz com a realidade, o que nossa bancada quer é o cumprimento da PEC do orçamento impositivo, aprovada por ampla maioria desta Casa, pois o governo só liberou os recursos dos membros de sua base”.

O acordo, feito no ano passado para aprovação do orçamento de 2014, destinava R$ 1,2 milhão em emendas para cada um dos 63 deputados, sendo R$ 600 mil para a saúde, R$ 300 mil para a educação e R$ 300 mil a livre critério do parlamentar.

O oposicionista Adolfo Viana (PSDB) disse que o governo quer fazer um novo acordo em cima do que já tinha sido acordado, e seu colega Carlos Geilson (PTN) adiantou: “Se a oposição vai votar o orçamento em troca de ônibus, estou fora da oposição”.

Viana foi o responsável pelo primeiro pedido de verificação de quórum na sessão. Foi registrado no painel o prazo de 15 minutos para o comparecimento ao plenário, pois não está presente o mínimo de 21 parlamentares para continuidade do trabalhos.



Assembleia tenta votar orçamento e fechar o ano

Data: 29/12/2014
16:30:07

A Assembleia Legislativa iniciou há pouco o que poderá ser a última sessão do ano, com a aprovação do orçamento do Estado para 2015.

Entretanto, governo e oposição ainda não chegaram a um acordo para uma votação pacífica, e neste momento os líderes partidários estão reunidos para definir a questão.

Nessas ocasiões, há muitos projetos de interesse de deputados que entram na mesa de negociação, mas se a sessão não for conclusiva hoje, poderá sê-lo amanhã, quando tudo poderia ser resolvido sem entrar no período destinado ao recesso.

Na abertura dos trabalhos, foi anunciada a convocação de uma sessão extraordinária a ser iniciada logo após o encerramento da atual, ordinária, mas não se anunciou na pauta a peça orçamentária.

Estão previstos, por enquanto, apenas o projeto de lei nº 21.021/2014, que trata da política industrial da Bahia, com foco no Centro Industrial de Aratu, e o projeto de decreto legislativo nº 2.501/2014, relativo às contas de 2013 do governador Jaques Wagner.

Antes de dirigir-se à reunião em que se tenta um acordo, o líder do governo, Zé Neto, em rápido discurso, revelou as dificuldades do momento: “Estamos na última sessão do ano, ou penúltima”, esclarecendo que está conversando “com a oposição e a presidência em busca do entendimento”.



Segurança pública não chega para o pobre

Data: 28/12/2014
10:49:05

Ao anunciar a permanência no cargo do secretário da Segurança Pública, Maurício Barbosa, o governador eleito Rui Costa explicou sua decisão com o argumento de que “o sistema é bem organizado”, sendo necessário apenas “avançar em alguns indicadores”.

Uma rápida observação de números oficiais mostra que a taxa de homicídios por 100 mil habitantes cresceu de 9,4 para 41,1 na Bahia de 2000 a 2010, registrando avanço de 339,5%, enquanto em São Paulo e no Rio de Janeiro houve queda, respectivamente, de 66,6% e 35,4%.

Números concretos e mais recentes, estes levantados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, demonstram que, no ano passado, a Bahia foi líder absoluta dos assassinatos no país, com 5.440 ocorrências, contra 4.761 do Rio e 4.739 de São Paulo, Estados com populações maiores.

Estamos, portanto, em palavras claras, diante de “um plano bom que não deu resultado”, o que permite uma reflexão: ou o prestígio do secretário está além da compreensão comum ou o governo jogou discretamente a toalha, admitindo conviver com índices desastrosos que, afinal, não lhe tiraram a vitória nas urnas em outubro.

Não seria de todo espantoso. Segurança, hoje em dia, neste Estado, não é pública. É privada, um bem exclusivo dos mais bem situados socialmente. As pessoas se isolam em prédios e casas com recursos eletrônicos e vigilância e, a trabalho ou lazer, deslocam-se para pontos igualmente protegidos.

Correm risco, é verdade, mas, estatisticamente, estão longe do braço da violência. As listas de mortos são preenchidas por anônimos, dos quais raramente se identificam os matadores. Quando a vítima é uma pessoa da classe média para cima, é um deus-nos-acuda, e aí todos conhecemos seu nome, endereço e o sofrimento da família.

O perigo está amplamente disponível é para a grande massa, que transita a pé ou de ônibus, à noite e de madrugada, nos becos e vielas de nossas encostas, ou mesmo nas ruas centrais e de bairros considerados “seguros”. Fora desse padrão, determinado pela extrema necessidade diária da sobrevivência, ninguém se expõe.



Bahia lança figura do "aliado exclusivo"

Data: 28/12/2014
10:46:14

O exercício democrático do poder político compreende, necessariamente, a existência de governo e oposição. Mas na Bahia, talvez por decorrência de uma era em que os dois segmentos eram bem definidos e um não conversava com o outro, esse conceito está visivelmente degradado.

O fato de o Estado estar sob controle do PT e Salvador ser dirigida pelo seu arquiadversário, o DEM, não impede a promiscuidade da movimentação de legendas de um lado para o outro ou mesmo a permanência simultânea na bases de apoio do governador e do prefeito, como PRB, PDT, PSD, PSL e outros que praticam a “dupla militância”.

Essa doença política, que, aliás, ocorre com frequência também em eleições e chegou a fracionar a bancada do PT na Câmara Municipal, manifesta-se agora em manobras públicas. Livre como um táxi, o coração do PTB balança entre o prefeito ACM Neto e o governador eleito Rui Costa.

Não muito longe dali, o PDT, de saudosa memória, reedita a imagem dos dois burros amarrados entre si querendo comer montes de capim distintos, em que cada um puxa para um lado e nenhum consegue o objetivo.

A disponibilidade do partido leva o futuro secretário das Relações Institucionais do governo, Josias Gomes, a declarar: “Temos interesse em manter o PDT como nosso aliado exclusivo”. Antigamente, exclusividade era coisa de notícia jornalística. O mundo está mudando de verdade.



Fátima quer Joacy em Irecê

Data: 28/12/2014
10:44:02

A deputada Fátima Nunes (PT) é uma entusiasta no partido da candidatura do colega Joacy Dourado à Prefeitura de Irecê em 2016. “Se ele precisar de uma mulher que sabe fazer campanha nas feiras, botecos e outros lugares onde o povo está, conte comigo”.

A manifestação da deputada consola Joacy – que era o primeiro suplente da bancada – pelo erro do partido ao deixá-lo fora da Assembleia Legislativa em abril de 2012, justamente quando começavam as eleições municipais.

O fato caracterizou uma sinalização de falta de prestígio pessoal junto ao governo, com profundo impacto na disputa eleitoral, em que o candidato da oposição, Luizinho Sobral (PTN), frustrou a tentativa de reeleição do petista Zé das Virgens.



Só nos resta o bispo

Data: 28/12/2014
10:42:54

Um juiz dirige sem carteira um veículo sem placas, outro dá voz de prisão a operador por querer fazer check in atrasado em aeroporto.

Agora, uma magistrada recusa-se a fazer o teste de alcoolemia após atropelar duas pessoas.

Não é à toa que, quando aparece no Brasil um juiz como Sérgio Moro, do caso Petrobras, todo mundo diz: “Ohhh!” – e teme pela segurança dele.



Geddel deve um ataque ao ministro da Defesa

Data: 26/12/2014
17:38:13

Nos termos em que foi feita, não parece razoável a investida do ex-ministro Geddel Vieira Lima, via rede social, contra a indicação do governador Jaques Wagner ao Ministério da Defesa.

Pedir à presidente Dilma para dar “mais uma coisinha a ele” e referir-se ao governador como “nosso Galego” não está à altura de um aspirante concreto ao poder no Estado, que concorreu a dois cargos majoritários nos últimos quatro anos.

Para credenciar-se a próximas disputas, tem de interpretar fatos e analisar movimentos dos adversários, especialmente os de grande peso, num nível mínimo de seriedade, deixando a galhofa, que poderia ser apenas um detalhe, a jornalistas metidos a engraçados.

Por exemplo, Wagner abriu um flanco sem tamanho – isso não é bom para ministros da Defesa – ao justificar sua “relação boa” com os militares: “Estudei no Colégio Militar do Rio de Janeiro e até iria seguir carreira, mas depois daqueles episódios todos de 1968, acabei não indo”.

Haverá explicação mais primária para antever um bom desempenho no cargo? Poderá o Brasil conduzir as questões agora levantadas pela Comissão Nacional da Verdade com alguém que chega ao posto evidentemente curvado a pessoas sem nome, que deveriam ser suas subalternas?

Obviamente, o governador da Bahia está longe da especialização nos temas estratégicos que envolvem a atividade de defesa, a qual, a rigor, num país de terceira categoria, nem tem grande importância na conjuntura mundial. Não precisamos temer mais o Paraguai. O buraco é mais em cima.

Tudo indica que, na cadeira, Wagner terá função homologatória que outros mais preparados do que ele, como José Viegas, tentaram e não conseguiram superar em passado recente. Esse seria um assunto bom para Geddel, com seu conhecimento, desenvolver.



Bases prefeririam uma coisa mais palpável

Data: 26/12/2014
17:35:40

Do líder do governo na Assembleia Legislativa ao presidente regional do partido, as principais figuras petistas na Bahia endeusam a posição de Jaques Wagner no segundo governo Dilma.

O deputado Zé Neto vê no governador o “protagonista de um novo momento”, com o “grande papel” do “diálogo com as demais forças políticas”. Everaldo Anunciação o define como “agente político do primeiro escalão”.

Mas se fosse consultado o grosso das bases no Estado, é muito provável que a preferência recaísse em ministérios com dinheiro a rodo para distribuir, cargos à vontade e obras – muitas obras – nos mais distantes rincões.

Sem falar que, assoberbado pelos múltiplos temas sobre os quais será chamado a decidir no Ministério da Defesa, Wagner terá pouco tempo para fazer articulações nacionais e atender aos correligionários na Bahia.



O ramo certo

Data: 26/12/2014
17:34:31

O slogan suaviza na televisão: “JBS, uma história feita de gente”. Na verdade, de gado.



Sem radares, cidade reduz mortes em acidentes

Data: 26/12/2014
17:33:18

A Transalvador revela um número expressivo sobre acidentes de trânsito na capital: em dois anos, houve redução de 37% de casos fatais, que caíram de 249 em 2012 para 156, até ontem, em 2014. Os atropelamentos, em geral os maiores causadores de óbitos, desceram de 708 para 575.

O superintendente Fabrizzio Muller relaciona fatores que contribuíram para o resultado: fiscalização de infrações, sinalização adequada, blitzes para desestimular a embriaguez ao volante, campanhas educativas e limitação de velocidade por meio de radares.

Justamente nesse último aspecto, vale fazer o registro: na verdade, essa marca positiva na gestão do trânsito foi alcançada sem radares, pois tais equipamentos não funcionam plenamente, por falta de pagamento, desde a gestão do prefeito João Henrique, que terminou há dois anos.

O prefeito ACM Neto anunciou a instalação de 326 radares por uma empresa paranaense, ao custo de R$ 60 milhões, o programa que está longe de ser cumprido. Há equipamentos em operação em alguns pontos, a maioria em semáforos de locais críticos, e outros apenas instalados – o próprio Fabrizzio fala em “50 fotossensores”.

Em outras palavras, a Prefeitura precisa estudar corretamente a situação para evitar que essa tecnologia, mais que a preservação da vida humana, vise ao incremento da receita à custa de incautos que podem ser flagrados a até 120 metros do radar, sem que risco algum esteja causando a pedestres e outros motoristas.

Numa cidade de traçado viário propício aos congestionamentos, a fiscalização eletrônica em grandes avenidas inibe não os acidentes, mas a própria mobilidade, que tem sido até melhor nos últimos meses. Veremos a diferença quando todo o custoso aparato estiver concluído.



O primeiro a comprar extintor é a mulher do padre

Data: 26/12/2014
17:29:14

Brasileiros que sonham há anos com um gesto de desobediência civil terão grande oportunidade a partir de 1º de janeiro, recusando-se a trocar os extintores de incêndio de seus veículos.

É uma medida legal estabelecida há cinco anos, que passou esse tempo todo esquecida e agora emerge para extorquir todos os proprietários – de automóveis, furgões, caminhões, ônibus, utlitários, tudo, até triciclos de cabine fechada.

O objetivo, todo mundo sabe: enriquecer fabricantes e vendedores de extintores, benefício idêntico ao que tentaram fazer, anos atrás, com os inacreditáveis kits de primeiros socorros.

Mesmo com o julgamento e as prisões do mensalão, mesmo com a devassa que vem sendo feita nas tramoias internacionais da Petrobras, são fatos como esse que não nos deixam esquecer: vivemos no país da pouca vergonha institucionalizada.



Avanço social

Data: 26/12/2014
17:27:17

Foi arrombada a central do Bolsa Família em Lauro de Freitas. Por excluídos que resolveram faturar um pouco mais.



Uma vaquinha em nome da pátria

Data: 26/12/2014
17:26:08

A delatora não premiada Venina Velosa da Fonseca, ex-gerente da Petrobras, disse que a obra de uma refinaria passou de RS$ 2,5 bilhões para R$ 27 bilhões. Mais de dez vezes mais.

Para desqualificá-la, a presidente Graça Foster reporta-se a sindicância segundo a qual a ex-gerente teria deixado de acatar num contrato um desconto de R$ 25 milhões em favor da estatal.

Mais de mil vezes menos. uma questão de ordem de grandeza, a expressão da matemática que comunica imediatamente o tamanho de um número.

Dinheiro que, com boa vontade dos nacionalistas remanescentes, seria levantado facilmente para tentar livrar Venina do prejuízo, como foi feito com a multa aplicada à agente de trânsito no caso do juiz-deus.



Brasil exporta aparelhamento ideológico

Data: 25/12/2014
18:57:34

Sendo comprovada, como pretende o Ministério Público Federal, a repactuação contratual assinada pelo então presidente da Petrobras, José Sérgio Gabrielli, em 2009, com a estatal boliviana de petróleo, significará a ideologização da corrupção brasileira em patamar internacional.

Nos nossos limites territoriais, tal fenômeno fora atestado no mensalão, traduzido na linha de defesa política que se tentou estabelecer, de que não houve locupletação pessoal da alta cúpula do PT envolvida e condenada.

A compra de votos na Câmara dos Deputados, muito além da “simples” governabilidade, buscava a aprovação de matérias que contribuíssem para a concretização do “projeto”, palavra que resume, na intimidade partidária, as ideias e propostas do PT para o Brasil.

Se entre tais objetivos está o alinhamento latino-americano em torno de objetivos que jamais ficam claros para as sociedades protagonistas, podendo ser confundidos com a ardilosa e muitas vezes rasteira luta pelo poder, temos um quadro em que o Brasil, como já se vê na política interna, promove o aparelhamento de países.

A fórmula do prejuízo foi bem engendrada, mas não a ponto de fugir ao faro da lei. Depois de 13 anos de vigência de um contrato, em ato sem respaldo nas práticas do mercado, a Petrobras concorda em receber da Yacimentos Petrolíferos Fiscales Bolivianos gás de qualidade inferior, com perda financeira que os procuradores querem determinar.

O que não será preciso em outro aspecto do contrato, pois se sabe que a Petrobras pagou à YPFB o total de US$ 434 milhões extras, a título de compensar a adição de substâncias nobres ao gás. Esse repasse motivou, em outubro, representação do MPF ao Tribunal de Contas da União em que há referência à defesa que o ex-presidente Lula fez da “indenização”.



Uma trindade não tão santíssima

Data: 25/12/2014
18:55:22

Diálogos e manobras de bastidores, reveladas por fonte deste blog e que permaneceram ocultas por quatro anos emergem agora, que o ambiente é propício. Reportamo-nos ao período entre a primeira eleição e a posse de Dilma Rousseff, bem no finzinho de dezembro de 2010.

Reunido em certa informalidade na Bahia com o governador Jaques Wagner e diversos políticos aliados, o ainda presidente Lula sugeriu pelo menos três vezes a Wagner que indicasse a Dilma a permanência de Gabrielli na Petrobras. Quando se pensava que era assunto encerrado, ele repetia: “Não se esqueça de falar com ela sobre Gabrielli”.

Testemunha interessada no desenrolar da articulação apurou tempos depois que, diante da “sugestão” de Wagner, que acabara de ser reeleito, e ainda totalmente dependente, Dilma, já no cargo, pediu socorro ao próprio Lula.

O ex-presidente quis saber se o governador reivindicara algum ministério. Ante a resposta negativa, emendou: “E você vai deixar de atender o pedido de um homem que lhe deu 4 milhões e 800 mil votos?”

Reforçava-se ali um antigo vínculo, dando a Gabrielli mais três anos de presidência e o recorde absoluto na função. Mesmo depois que Dilma viu que não dava mais pra segurar e colocou Graça Foster na cadeira, a fidelidade permaneceu incólume: a de Lula, que quis Gabrielli candidato ao governo da Bahia, e a de Wagner, que até hoje o tem como secretário.



BLAGUE NO BLOG - Inocentes efemérides

Data: 25/12/2014
18:52:07

Observador mordaz de nuances da imprensa, o jornalista Marinaldo Mira protestava décadas atrás, na redação de A Tarde, contra a manchete que anunciava uma “Semana Santa violenta” pela ocorrência de dez homicídios.

“Vejam, um período que em que pessoas vão à igreja rezar e chorar pelo sacrifício de Cristo, uma meia-dúzia enche a cara de vinho, sai dando tiro, e a culpa é da religião!”

O comentário do velho colega veio à memória porque hoje, dia não da morte, mas do nascimento de Jesus, deu para se notar no trânsito alguns excessos, possivelmente motivados pelo álcool, que por pouco não se transformaram em tragédias.

Graças a Deus, e à perícia de quem soube de se livrar das manobras perigosas de terceiros, não veremos nos jornais de amanhã referência a “Natal violento”.



Vale a pena ver de novo

Data: 25/12/2014
18:50:14

O deputado Valmir Assunção (PT) vai passar mais quatro anos clamando pela reforma agrária.



ABD

Data: 25/12/2014
18:49:28

Obama recuou do rompante contra a Coreia do Norte, dando a impressão de que está governando por impulsos.

Instado a uma investigação conjunta dos dois Estados no caso da invasão do sistema da Sony por hackers, refrescou:

“Não creio que tenha sido um ato de guerra. Penso que foi um ato de cibervandalismo”.

No jogo de xadrez a que se propunha, abandonou.



MOMENTO POÉTICO - Vácuo sufocante

Data: 25/12/2014
18:48:15

Quanto mais respiro
Este ar rarefeito
Mais me convenço
De que a lei prejudica
O ato jurídico
Perfeito.

Quanto mais me estiro
retardando o efeito
mais me suponho
empurrado na boca
O pavor científico
Sem jeito.

Quanto mais reparo
As manchas do leito
Menos me escondo
do foco das noites,
Do olho fatídico
Direito.


(julho de 1975)



Missão ideal

Data: 23/12/2014
16:55:49

As informações circulantes dão como certo que o governador Jaques Wagner será o ministro da Defesa. O problema é que ninguém vai atacar o Brasil.



Do mesmo ramo

Data: 23/12/2014
16:55:13

Aliás, Wagner no Ministério da Defesa bate com sua atuação de advogado no escândalo da Petrobras.



Caminhos tortuosos

Data: 23/12/2014
16:53:29

Wagner, há poucos dias, disse em tom de galhofa que, sendo ministro das Comunicações, estaria seguindo os passos do falecido senador Antonio Carlos Magalhães.

Galhofa por galhofa, se ele for mesmo para a Defesa, estará no rastro do ex-governador Waldir Pires.




Página Anterior    Próxima Página